Fanfic: Colega de Quarto – Rommate. (Part.2)

Gente, hoje é a continuação da Fanfic, daquela leitora.
Quero pedir desculpa pela demora, mas estou passando por muitos problemas pessoais, ai fica difícil fazer tudo ao mesmo tempo, mas logo isso passa.. Chega de enrolação e vamos pra Fanfic.

Pra quem ainda não leu o Capítulo 1, vou deixar o link aqui em baixo:
Capítulo 1: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.

Eu espero que gostem da Fanfic.

Cassie Migdton
(Capítulo 2)

00

Ao abrir a porta, me deparei com uma tremenda bagunça ao lado esquerdo do quarto. Com toda certeza, a pessoa que vai dividir o quarto comigo não é nem um pouco organizada e isso já me irritava só de pensar. Lisa ficou um pouco constrangida, afinal, que bela primeira impressão.

-Então… A Cassie é um pouco desorganizada, mas, creio que não haverá problemas, é apenas questão de limites. O lado direito é seu e o esquerdo é o lado dela. -Falou.

Entrei e coloquei minha mochila em cima de um móvel.

Ainda estava em silêncio, apenas observando os meus arredores. A voz da Lisa era extremamente irritante, não aguentava mais ouvi-la ditar as regras.

-Bom! O seu uniforme está em cima da cama, e logo suas coisas vão estar aqui. Lembre-se dos horários essenciais: Café da manhã às 06:30, aulas às 07:30, almoço ao meio dia, atividades extracurriculares a partir das 14:00, lanche às 16:00 e jantar às 19:00. Todos os alunos deverão estar em seus dormitórios às 20:30, não é permitido andar pelos corredores após este horário. -Falou lendo um roteiro.

Estava morrendo de vontade ficar sozinha, quase nem ouvi direito as regras da Lisa, mas com o tempo vou me adaptando. A ansiedade tomou conta de mim por um momento, parecia que aquilo tudo não era real. Me perdi em meus pensamentos e logo a Lisa me chamou a atenção.

-Lariesce?! Vou indo… Acho que já disse o necessário, se precisar de mais alguma coisa é só me procurar. -Falou fechando a porta.

Fiquei sentada nos pés da cama, encarando o chão e pensando em como tudo iria mudar a partir de agora. Olhei pros lados e comecei a reparar o lado da Cassie. Haviam discos, pôsteres colados na parede, algumas fotografias, gibis e um monte de roupa espalhada. Levantei e senti algo cair, e lembrei do pequeno embrulhinho da Angel. Decidi finalmente ver o que era, e antes de abrir já estava com os olhos cheios de lágrimas. Era uma pulseira cheia de pingentes, dois deles eram nossas iniciais, os outros eram algo que de alguma maneira significavam algo pra gente. Dentro do papel, havia uma pequena cartinha dobrada inúmeras vezes.

“Lari, espero que goste da lembrancinha. Era pra ter te presenteado bem antes, mas queria dar no momento certo. Cada pingente significa algo, espero que lembre de cada um deles e relembre do quanto foram maravilhosos. Eu te amo!

Com amor, Angel.”

Logo fui interrompida por um tranco na porta, guardei as coisas e fingi arrumar algumas coisas na gaveta. Estava morrendo de vergonha, não conseguia nem me virar pra ver a tal garota. Tentei dar uma olhada pra trás, mas não conseguia ver nada, até que ouvi uma voz forte balbuciar algo.

-Ei. -Falou.

Me virei lentamente e sentei novamente aos pés da cama.

-Olá… Cassie, né? -Confirmei.

Ela me encarou e eu logo abaixei a cabeça.

-Sim… E o seu? -Perguntou ainda me encarando.

Fiquei totalmente constrangida, levantei a cabeça e respondi à pergunta.

-Lariesce. -Falei com o tom de voz um pouco mais alto.

Comecei a reparar na tal menina, ela parecia ter um metro e sessenta, tinha o cabelo curto e era bem branquinha. Seu uniforme estava todo despojado, nada comparado ao padrão daqui. Desviei o olhar e fiquei olhando pro chão, um piso de madeira, marrom escuro. A claridade da janela fazia o mesmo refletir a cama de Cassie.

-Eu nem sabia que você viria, foi mal pela bagunça… -Falou.

Levantei e comecei a organizar as coisas no meu lado.

-Ah, sem problemas… Parece que estamos perdidas, porque nem eu e nem você foi informada das coisas. -Falei rindo.

Cassie suspirou, ainda me encarando.

-Por que veio parar aqui? -Perguntou mudando de assunto.

-Meus pais trabalham demais e não tem tempo pra mim. E você? -Perguntei.

Ela abaixou a cabeça e deu um leve sorriso torto.

-É uma longa história… acho melhor não entrar em detalhes. -Respondeu.

Fiquei quieta e voltei a organizar minhas coisas. Logo tocou um sinal, algo estava prestes a acontecer e eu não sabia nem por onde começar.

Cassie levantou e foi em direção a porta.

-Ei… O que tenho que fazer após este sinal? -Perguntei.

Cassie parou de andar e riu.

-Ninguém nunca presta atenção no que a chata da Lisa diz. -Falou rindo.

Fiquei quieta e dei um leve sorriso.

-Esse sinal é de quando todos tem que ir pra uma reunião que acontece toda segunda. -Falou.

-Meu Deus… E eu nem vesti meu uniforme ainda! -Falei desesperada tirando minha blusa.

Cassie ainda estava lá, parada. Só observando tudo e rindo. Coloquei a blusa social da escola e fiquei meia hora tentando abotoar aqueles 15 botões.

-Quer ajuda? -Perguntou.

-Você vai se atrasar… Não precisa se incomodar. -Falei.

Cassie se aproximou e abotoou tudo na maior facilidade. Tudo ficou em silêncio, e no último botão ela me encarou, consegui ver as pupilas dos olhos de Cassie, que eram castanhos. Fiquei sem graça e agradeci imediatamente.

-Muito obrigada! -Falei.

Cassie sorriu e saiu. Tudo ficou em silêncio, e eu por um momento parei pra pensar no que tinha acontecido. Era totalmente esquisito.

O uniforme tinha ficado um pouco largo em mim, tive que me virar pra apertar aquela saia, e sim, o uniforme era uma blusa branca social de manga curta, uma saia azul marinho e meias até o joelho, me senti num colégio de freiras.

Fechei a porta e sai em direção ao tal auditório. Era incrível como não havia ninguém pelos corredores. Este lugar é imenso, comecei a ficar desesperada. Até que encontrei uma senhora da limpeza, encerando vagarosamente o chão.

-Oi, com licença… Tem como você me dizer pra que lado fica o auditório? -Perguntei.

A mulher continuou a encerar o chão e suspirou.

-É nova aqui? Tá pisando no lugar que acabei de encerar. -Falou com um tom arrogante.

Fiquei completamente vermelha.

-Me desculpa, meu Deus… -Cheguei hoje. -Falei na ponta dos pés.

-Fica pra lá, depois do banheiro. Agora sai. -Falou me enxotando.

Sai em disparada e vi uns alunos entrando em uma sala. O auditório estava completamente lotado. Fiquei tentando achar Cassie no meio daquele monte de gente, mas era quase impossível. As pessoas me encaravam, como se nunca tivessem presenciado a chegada de uma pessoa nova. Sentei em uma cadeira perto da porta, apenas esperando a reunião começar. Logo os responsáveis começaram a falar um monte de coisas sobre o colégio, reformas, regras… Um saco.

00

Após o almoço recebi um comunicado de que eu precisava escolher pelo menos 3 atividades extracurriculares, o que é extremamente chato, pois quase sempre dormia quando chegava da escola. Ajeitei minha saia, fiz um coque no cabelo e fui rumo à sala da diretora. Estava me acostumando com o tamanho da escola e logo já iria saber onde fica tudo.

Cheguei na diretoria e fiquei sentada esperando a senhorinha liberar os arquivos de um computador velho e me entregar a ficha com as opções. Após cinco minutos de espera, recebi a bendita ficha.

"Ficha de inscrição: Atividades Extracurriculares.  
[•] Teatro 

[ ] Música  

[ ] Desenho  

[ ] Dança  

[ ] Poesia 

[•] Mídia  

[•] Ciências biológicas  

Assinatura: Lariesce Parker.

__

Eu sempre adorei teatro, coisas relacionadas a mídia e Biologia, acho que vou me encaixar bem nessas três atividades. Após entregar a ficha, só pensava em deitar e dormir, quando ia saindo, percebi que a Cassie estava na sala aos berros com a diretora. Fiquei curiosa, mas meu cansaço venceu mais uma vez, precisava deitar pelo menos vinte minutinhos. Fui pro quarto e me joguei na cama, e logo em seguida apaguei.
00

Acordei com o quarto totalmente escuro, levantei às pressas, sem ao menos saber que horas eram. Cassie entrou no quarto de roupão e com uma toalha na cabeça.

-Que horas são? -Perguntei assustada.

-São 19:14… Tu dorme hein. Não quis te acordar… O jantar começa às 19:30, melhor ir tomar banho se não quiser se atrasar. -Falou me jogando uma sacola com toalhas dobradas.

Peguei e fui direto pro banheiro. Ao chegar haviam duas meninas conversando ao lado da pia, elas cochicharam algo e saíram rindo. Esse sinceramente é o pior tipo de gente. Eu odeio esse lugar.
00

22:21 PM

Fiquei tentando dormir, mas estava completamente impossível pegar no sono. É horrível o fato de que vou demorar séculos pra me acostumar com essa cama. Estava tudo em silêncio, até que Cassie se vira de uma maneira brusca e olha em minha direção.

-Tá acordada? -Perguntou.

Fiquei surpresa e feliz, eu não era a única sem sono.

-Estou sem sono. -Falei.

Tudo ficou em silêncio.

-Se meteu em encrenca hoje? -Perguntei impulsiva.

Cassie sorriu.

-E quando eu não me meto?! As pessoas aqui não saem do meu pé. -Falou.

-Que rebeldia. O que aconteceu? -Perguntei curiosa.

-Eu não fui pra reunião e antes disso tinha faltado algumas aulas. -Falou bocejando.

-Ah, eu só me atrasei hoje… e riram de mim no banheiro. -Falei rindo.

Cassie deu uma risada baixinha e logo perguntou.

-Quem foram? -Perguntou.

-Umas meninas, uma loirinha e outra ruiva. -Falei.

-A Alice e a Sarah… Tinha que ser! -Falou rindo.

Fiquei em silêncio e logo Cassie também parou de falar. Fechei os olhos e tentei dormir, mas de maneira nenhuma meu cérebro sossegava.

-Tá afim de fazer uma coisa louca? -Perguntou rindo.

Fiquei perplexa, seja lá o que for, espero que não dê merda.

-Depende. O que? -Perguntei.

Cassie riu, levantou, colocou uma jaqueta e ajeitou o cabelo.

-Só vem. -Falou.

Estava morrendo de medo, até porque, a coisa mais fora da lei que já fiz foi chegar depois do horário marcado pela minha mãe. Como eu sou frouxa. Levantei e segui os passos de Cassie, o corredor estava iluminado apenas pelos pequenos lustres que haviam ao decorrer do corredor.

-Estamos indo pra onde? -Sussurrei.

Cassie continuou andando, sem dizer nada. Estávamos quase no bloco dos meninos, e perto de lá, ouvi uns barulhos. Parecia que estava tendo uma festa, o que me deixou surpresa, afinal, o internato não é tão bem vigiado como imaginava.

As pessoas estavam bêbadas e tinha um monte de gente jogada num só sofá. Olhei pro lado e Cassie tinha desaparecido naquele monte de gente. Sentei em um banco e fiquei observando aquilo tudo. Logo um garoto se aproximou e sentou ao meu lado. Tentei disfarçar, mas notei que ele estava me encarando. Senti um toque no meu pescoço, e me esquivei.

-Dá licença. -Falei.

O garoto insistiu e me agarrou, o cheiro de bebida exalava por todo corpo dele. Tentei me soltar e notei que algumas pessoas estavam olhando.

-ME SOLTA! -Falei com o tom mais elevado.

O garoto me soltou e de repente começou a me xingar de todos os nomes possíveis.

-Sua vadiazinha, ninguém te quer não, prostituta. -Falou cuspindo em mim.

Estava me sentindo um lixo, todo mundo me encarava. Uns riam, outros ficavam parados perplexos, mas ninguém se quer fez alguma coisa por mim. Controlei o choro e sai correndo, sem ao menos olhar pra onde estava indo. Fui parar em um banheiro sujo e me tranquei. Estava me sentindo um lixo, só queria chorar e chorar. Ouvi alguém bater na porta e por um momento, passou pela minha cabeça que seria Cassie. Sequei meus olhos e levantei, abri a porta e era um garoto, fechei a porta num solavanco só, e ele insistiu.

-Oi? Não vou te machucar, vou te levar pra fora daqui. -Falou. -Confia em mim.

Abri a porta e ele me puxou, passando por aquele monte de gente. Fomos para fora da festa e eu mal sabia quem estava seguindo.

-Acho que não me apresentei, sou James. -Falou estendendo a mão.

O cumprimentei e continuei a andar.

-E você? -Perguntou.

-Lariesce. -Respondi.

Ele sorriu e continuamos a andar.

-Eu vi o que o babaca do Marcus fez com você. Ele acha que pode comer todas as meninas que der na telha, ainda não entendo porque sou amigo dele. -Falou.

Continuei calada, e percebi que estávamos perto do meu dormitório.

-É ali. -Falei.

James me encarou e parou de andar.

-É… Então tá! -Falou sem graça.

Dei um sorriso, não sabia como agradecer a James.

-Obrig… -Falei sendo interrompida.

Um alarme estrondeante tocou, e diversas luzes foram ligadas. Um monte de gente saiu correndo, e eu fiquei parada, sem reação. James me puxou, e eu apenas fui. Não fazia ideia do que estava acontecendo.

-CORRE. FERROU. -James gritou.

Entramos em um tipo de armário, e após uns minutos o alarme parou. Uma voz começou a falar:

“A vistoria está sendo realizada. Alunos que forem pegos fora de seus dormitórios, serão severamente punidos.”

Fiquei morrendo de medo, eu precisava voltar pro quarto.

-Eu preciso ir. -Sussurrei.

James estava suando.

-Eu também, e meu quarto é no outro bloco. Relaxa. -Falou.

Ele abriu a porta bem devagar e checou o corredor.

-Tá limpo. Toma cuidado com as luzes que ficam passando pelos corredores. Quando eu disse pra você ir, você corre. -Falou.

Eu nunca havia feito uma coisa dessas, estava morrendo de medo.

James me encarou e fez um sinal com o braço.

-VAI. -Falou.

Sai correndo em disparada, e a luz foi me seguindo. Por um momento achei que ia ser pega, mas consegui chegar. Meu coração estava saindo pela boca, sentei na cama e notei que Cassie ainda não havia voltado. Ouvi passos, e eram os monitores checando os quartos. Eles estavam bem perto. Ouvi um tranco na porta e era Cassie, o cheiro de cigarro infestou o quarto inteiro, eu tinha quase certeza de que eles iriam perceber. Olhei pra ela assustada e já estava me conformando com o pior. Logo uma mulher com um uniforme preto abriu a porta, e nos encarou como se quisesse nos matar.

-Cinquenta e dois. -Falou fechando a porta.

Cassie se jogou na cama e eu suspirei fundo, eu literalmente quase enfartei.

-Você quase fodeu tudo. -Falei.

Cassie deu risada.

-Quem tá mais fodido é o dono da festa, Robert Miles. -Falou.

Me deitei e fechei os olhos. O suor estava escorrendo por toda minha testa.

-Por onde você se meteu? -Perguntei mudando de assunto.

Cassie levantou e tirou a blusa.

-Eu fui em um lugar, encontrar umas pessoas. E pelo jeito… Tu se divertiu, hein. -Falou.

Dei uma risada irônica.

-Eu fiquei igual uma tonta naquele lugar, fui assediada por um cara chamado Marcus e depois um carinha gente boa me ajudou a sair daquela zona. -Falei resumindo tudo.

Cassie se deitou novamente.

-Caralho, alguém tem que matar esse idiota. -Falou.

Fiquei quieta.

-Ele comeu metade do colégio, é o tipo do cara que não aceitar ouvir um não. -Falou irritada.

Virei pro lado e me perdi no meio dos meus pensamentos.

-Lari? -Chamou minha atenção.

-Ah, oi. Perdão. -Falei.

Cassie acendeu o abajur e me encarou, logo a encarei de volta.

-É melhor a gente dormir, já são 04:00 e acordamos às 06:00. Bom intervalo. -Falou sorrindo.

Fiquei boquiaberta e desesperada ao mesmo tempo.

-PRECISO DORMIR. -Falei.

Cassie sorriu e apagou o abajur. Tudo ficou um completo silêncio, e novamente me peguei pensando em Cassie, quem ela é realmente? A maioria das pessoas á detesta, e eu mesmo com raiva, não consegui brigar com ela. De alguma forma, Cass me proporcionou uma das noites mais incríveis que eu já tive, e mesmo que tenha me custado uma noite, estou feliz por ter ido com ela.
00


O que vai acontecer no Capitulo 3? Só na na semana que vem, eu espero que tenham gostado.

Não deixa de curtir, comentar e compartilhar em suas redes sociais, isso me ajuda muito!

Beijão da Mila!

Texto das Leitoras: Você não é o Único!

Olá, estou adorando receber novos texto, essa semana está sendo muito legal, não fique triste se o seu texto ainda não foi publicado, relaxa, que vai ser postado é só ficar de olho no blog, você também será avisado quando for publicado.

Obrigada a todos que estão participando! Fico muito feliz!


Você não é o único!

Eu sei que haverão dias em que você vai acordar sem paciência, sem saco e sem vontade alguma de olhar ao redor e dizer palavras amigas para o mundo.
Sei que haverão tempos em que o ar que você respira não será o suficiente para te fazer agradecer. Eu sei que nem sempre todos acordam em dias bons.
Nem sempre todos se sentem bem. Nem sempre todos vão achar motivos para ver algo bom na vida. Todos temos dias ruins. Todos temos problemas.
Por mais perfeita que você veja parecer a vida de alguém perante a sociedade, acredite… Não é assim! Normalmente, o ser humano tende a ter medo em revelar suas verdades.
E quer saber? Isso é tratado como algo normal demais, para um mundo que grita por socorro! Nada é perfeito!
As pessoas que você segue no Instagram, não tem a beleza daquelas fotos.

As páginas que você segue no Facebook, não tem pessoas perfeitas como criadores.

Os perfis que você segue no Twitter, não tem a vida tão bem definida quanto parecem. As redes sociais são bens preciosos demais para serem usados como alienamento de almas!

Olha para o mundo.

Luta contra o seu medo.

Joga fora o seu egoísmo.

Lide com os seus problema, mas nunca jogue o peso do mundo nos seus ombros.

Você não é o único que pede socorro. Você não é o único que morre a cada segundo.

IMG_20180413_151754_147.jpgImagem com direitos autorais!

Autora: Daniele Saraiva – Instagram: Autora não quis se identificada!

Conheça a nossa artista: Byanka G. Nunes

Mande seus originais também, textos, poemas, frases, vamos adorar mostrar sua escrita!
Só mandar em nosso e-mail: adolescenciadelua@gmail.com.
Não esqueça de deixar seu Instagram, seu perfil do Facebook ou E-mail pra contato.
Não são obrigados a divulgar a sua identidade.

Beijos da Mila!

FANFIC: Como Funciona, O que é, Como Fazer? (Parte Final)

image

Olá pessoal, como vão? No post de hoje vou dar continuidade nas dicas de como escrever fanfic e histórias em geral. Esse post vai ser maior, mas é para acabar logo com o assunto e partir pra outro.

 

• Capítulos:

O.k. Comece a publicar a história quando estiver na metade ou concluída. Por quê? Se você publicar três ou quatro capítulos, vai começar a desanimar, ficar sem tempo, ter outra ideia e começar a trabalhar em cima dela. Eu já fiz isso, e todas as vezes que eu publiquei apenas três ou quatro capítulos, acabei retirando por conta de todos os motivos anteriores.

Quando você for colocar o nome em um capítulo, lembre-se que tem que manter um padrão, por exemplo: 1. Começo, 2. Ela. Entendeu? Quando você nomeia os capítulos de várias formas diferentes, os leitores vão ficar com um pé atrás de ler por causa da estética. A estética conta e muito no livro.

É difícil para uma pessoa que começa nesse ramo escrever muitas palavras. Quando eu comecei, a minha primeira história tinha no máximo 800 palavras, mas em 800 palavras não dá pra falar quase nada. Claro que você pode dividir a cena em vários capítulos, mas vai ficar meio chato, tirando o fato que vai ter muitos capítulos.

Eu escrevo no mínimo 2000 mil palavras, e acho que muitos escritos amadores como eu também fazem isso. É obrigatório? Não, mas é o ideal.

• Prólogo:

O prólogo não é obrigatório, mas em muitas histórias nós vemos ele. Como podemos começar o prólogo: com uma ideia do personagem, memórias da infância, algo que vai acontecer no futuro, algo que está acontecendo mas não com o personagem principal. Muitos prólogos, se bem feitos, prendem o leitor para querer saber mais.

O prólogo deve ser publicado antes da história de fato acontecer, por exemplo: informações+personagens, playlist, dicionário, epígrafe, prólogo, capítulo 1.Quando eu a conheci. Conseguiram entender?

Uma coisa que eu leio muito em fanfic’s e livros na internet é o autor usando o prólogo como descrição. É errado. A descrição do livro fica na sinopse, e não no prólogo. Não confundam pessoal.

• Epílogo:

O epílogo assim como o prólogo é opcional.

Geralmente acontece após algum tempo da última parte da história, como ” 10 anos depois…”. Pode ser um final feliz para os personagens, ainda mais se você terminou o último capítulo de uma forma misteriosa, ai no epílogo você explica.

Depois que você publica o epílogo, não deve colocar mais nenhum capítulo depois dele, assim como não devem colocar antes do prólogo.

• SÉRIES & SAGAS:

Pra vocês entenderem a diferença dos dois, se um dia quiser fazer algum deles.

* Séries: conjunto de livros únicos que todos têm algo em comum. Os personagens não tem que se interligar mas nas as histórias tem que coincidir no desenvolvimento.

* Sagas: uma coleção de livros que contam uma história principalmente. Geralmente tem vários livros, e quando eu digo vários são vários mesmo. Por exemplo: Harry Potter, J. K. Rowling ou Crepúsculo, Stephanie Meyer.

• Sequência/ Spin Off

Sequência: segundo livro — e assim por diante — sobre o mesmo personagem. Como, a sequência de Crepúsculo é Lua Nova ( é mesmo? Eu nem me lembro direito…)

Spin Off: o SO é uma história baseada em um personagem de um livro seu, mas não é o personagem principal. Eu acho muito interessante, já que você pode pegar um personagem que foi pouco usado, e fazer uma própria história mostrando como de fato ele é.

• Título:

Gente, o título do seu livro é o que vai fazer a diferença. O título é a segunda coisa que mais chama a atenção de qualquer pessoa ( a primeira é a capa), então você tem que tomar muito cuidado quando for colocar o título.

Títulos pequenos deixam o ar misterioso, mas muitas vezes grandes também. Vou dar dois exemplos:

Segredo – Giovanna Teodorico. Sim, eu tenho uma história — em desenvolvimento — com esse título, exatamente porquê a pessoa vai ler ele e vai pensar ” tá, segredo, mas que segredo?”

Assassinato no Expresso do Oriente – Agatha Christie. O título em si já da uma ideia de que vai ter muito mistério envolvido, além de um assassinato. É um título grande, ( não taaaao grande mas grande ) mas da mesma forma chama a atenção.

Tente colocar títulos que não existem. Por exemplo ( eu vou dar muitos exemplos, como perceberam ): A Dona do Morro, Prometida ao Alfa, Filha do Vingador, Sou filha do Stark, Instagram e por aí vai.

Todos esses títulos tem em baldes no Wattpad. E cara, quando você lê a sinopse dizendo ” plágio é crime então seja criativo ” eu quase morro e denuncio a história por plágio, pelo simples fato de quase todas as histórias com o mesmo título serem iguais. Claro que vai haver excessões, não vou generalizar também, mas a maioria é igual sim.

Uma dica de uma simples escritora amadora é, deixe o título por último, assim como a descrição ou sinopse. Por que? Porque durante o curso da história você vai conseguir fazer um título tão maravilhoso em cima daquilo que estava escrevendo que você vai querer sair correndo pelado(a) gritando ” eureka” pela cidade.

• Descrição ou Sinopse:

É a parte em que os leitores decidem se vão ler ou não, querendo ou não. Vamos classificar as partes que mais chamam a atenção do leitor: 1. Capa, 2. Título, 3. Descrição, 4. Como escreve a história. Então pega bem as dicas pra não errar em nenhuma.

A descrição deve conter o conteúdo do livro, sobre o que ele trata. Você não vai colocar tudo do livro nele, senão se chamaria resenha, mas deve colocar alguma coisa do livro. ” ah, não brinca Giovanna!” To brincando não meu povo. Já li várias descrições onde a pessoa escreveu paçoca e falou pamonha no livro. É decepcionante.

Você pode colocar algum parte de algum capítulo na descrição, o que eu acho super legal, ainda mais se for uma parte intrigante que nos deixe com uma pulga atrás da orelha.

Escreva conteúdos verdadeiros onde mostra que a sua história é original. Originalidade é tudo para você se sair bem, não apenas ficar famoso ( porque famoso mesmo são aquelas histórias quase todas iguais), mas ser reconhecido pelo trabalho bem feito.

• Capa:

É a imagem do trabalho, e querendo ou não, todos julgam o livro pela capa, e não adianta falar que não porquê você já julgou um livro pela capa.

Tente fazer uma capa original, sem tentar parecer com a capa de tal livro. Seja original sempre.

Tem vários programas e editores que podem te ajudar a fazer uma boa capa. Se você não sabe fazer uma, — o que é o meu caso, infelizmente — peça a alguém. A algum amigo, ou a uma pessoa da plataforma que você usa pra publicar a sua história. Na plataforma tem várias pessoas que fazem capas, o que facilita muito a nossa vida.

Geralmente: capaz horrorosas mas a história maravilhosa, ou capas lindas mas histórias sem sal, sem nada. Eu aprendi, por causa disso, a nunca julgar um livro pela capa ( principalmente usando plataformas digitais).

• Enfeitando:

Uma das partes mais legais que você fica ” ai meu Deus, acho que eles vão gostar”.

Coloque fotos, de como você imagina os personagens, lugares e outras coisas. Faça imagens que separam uma cena da outra, por exemplo:

Gabriela havia sumido.

[Imagem.]

Volto a ligar para a delegacia em busca de informações.

Algo que eu acho sensacional é quando o autor desenha os personagens, os lugares, roupas, e símbolos ( aqueles que separam uma cena da outra ). Se você quer saber como fazer que o desenho fique parecendo digital, assista aos vídeos da Bynd que ela explica certinho.

Um fato: quando colocar uma imagem no seu livro que não é seu, coloque os créditos de quem tirou ou do site que você pegou a imagem. Se não fizer isso pode receber um pequeno processo de direitos autorais.

• Conteúdo pesado:

Sempre, sempre, avise antes se o seu livro tem um conteúdo pesado. Coloque no capítulo de informações e de preferência destacado, pra que todos leiam e se sintam avisados.

Se o seu livro tratar de temas delicados, ( depressão, suicídio, uso ilícito de drogas… ) se disponha a conversar com os leitores se eles se sentirem maus, ou coloque o número de alguma central de ajuda.

• Publicando o livro:

Existe várias plataformas digitais onde você pode publicar a sua história, como o WordPress, o Spirit — mas esse é mais voltado para fanfic’s mesmo —, e a plataforma que eu mais uso (e que particularmente mais gosto) é o Wattpad. Não vou falar muito dele, mas acesse e veja qual você mais gostou, ou procure mais plataformas e manda bala.

Eu nunca publiquei nenhum livro fisicamente, e nunca fui atrás também, mas já ouvi falar por muitos autores que é uma pequena (grande) dor de cabeça. Então a dica que eu dou é, publique primeiro na internet pra ver se tem um bom resultado, se as pessoas realmente gostam, e se o resultado for positivo então vá atrás de alguma editora.

• Paciência:

Paciência é tudo o que você vai precisar — além da força de vontade, é claro — quando publicar o livro. Não é da noite para o dia que você vai sair de um anônimo para famoso, que a sua história seja muito conhecida.

Vamos com calma e paciência. Divulgue muito, seja persistente, original e paciente.

PS: esqueci de falar no post anterior. Se você está fazendo uma fanfic, pesquise tudo sobre o personagem, tente ver a história com os olhos dele. Já li várias vezes autores escrevendo os personagens de uma maneira totalmente errada, como eles realmente não são, principalmente em crossover do Teen Wolf com Supernatural. Eles muitas vezes fazem com que os Winschesters pareçam idiotas, sem nem mesmo saber como tirar o demônio de alguém, e pior, tiram a personalidade do Dean e do Sam. Não façam isso, pesquisem.

 

Eba, chegamos ao fim dessas dicas de como escrever uma fanfic/livro. Espero que tenham gostado, que eu tenha realmente ajudado vocês, porquê essas dicas me ajudaram muito e ainda me ajudam. Desculpe por ter falado demais nesse post, mas valeu a pena.

Mande a sua fanfic, história, poema, critica, desabafo, e etc para o nosso e-mail adolescênciadelua@gmail.com

Com amor, Giovanna Teodorico.