Astor, o incrível Mastif!

Eaeee manaaaaas, hoje é dia de falar mais sobre a minha galáxia, vou contar como o Astor entrou na minha vida; eu era criança e amava o cachorro de uns amigos da família, eles tem uma casa de ração na frente de casa até hoje, todos os dias eu ia lá pra ver o Fred, eu achava ele incrível, então um belo dia o Fred virou papai e eles me deram um filhote, eu não fazia ideia que ia ganhar, mas eu lembro até hoje quando ele chegou em casa, ele não era um filhotinho pequeno, ele parecia já ter quase 1 ano com apenas 2 meses, era gordo e suas dobras a coisa mais gostosa, foi amor a primeira vista.

O Astor não gostava nem um pouco de brincar com brinquedos, não destruía as coisas, a não ser as roupas que eu colocava nele no frio, ele gostava de brincar de pega pega, de me morder, eu o treinei, ele foi ficando maior a cada dia, ele sempre foi folgado, tinha ciúmes de mim, tudo era eu hahaha, quando a Mel chegou eles ficaram inseparáveis, era difícil dar atenção pros dois ao mesmo tempo, Astor sempre foi cavaleiro, deixava a Mel e a Loren comer a comida dele, elas faziam o que queriam com ele, ele deixava, desde que o sofá ficasse pra ele deitar.

Ele não era um cachorro normal, ele sempre odiou banho com todas as forças, levava uns 15 minutos pra convencer ele que aonde ele fosse se esconder a mangueira ia junto, apesar de todo seu tamanho, ele sempre foi puro amor, desajeitado e muito carinhoso, eu lembro quando morávamos em um condomínio e ele abria o portão, não deixava ninguém passar pela rua, um vez era 22h da noite e tivemos que correr pro veterinário, porque ele fez o favor de se meter com um ouriço, o focinho dele ficou parecendo um pompom de tanto espinhos, onde a gente olhava tinha espinhos do bicho, eu não sabia se ria ou ficava brava, ele nunca foi de querer avançar em gatos, a não ser um que batia nele pelo portão, uma vez esse gato entrou em casa, a gente tirava o gato da boca dele e jogava pra fora, o gato voltava pra querer brigar, acho que fizemos isso umas 4 vezes, eu lembro que pensei: “Droga, deve ter morrido o gato”… se passou 2 dias e eu vi ele entrando no vizinho, foi um alívio.

Astor era o meu grude, ele foi literalmente o meu maior e melhor presente, era engraçado ver a reação das pessoas quando via ele a primeira vez e falavam: “O seu cachorro é muito grande”. Ele transmitia amor e paz em todo lugar depois que eu falava que ele não ia morder ninguém, me protegia, me dava conforto, muitos lambeijos e muitas patadas quando eu parava de mexer, ele era muito sem vergonha, só obedecia a mim e eu só descobri isso depois de um dia que meu pai brigou com ele e de pirraça ele simplesmente fez xixi na perna do meu pai. Foi difícil escolher algumas lembranças pra compartilhar, são tantas…

30/05/2018 eu sabia que esse dia ia chegar, ainda mais depois que perdemos a Mel, mas eu não achei que séria tão rápido, Astor cansou de lutar e partiu, deixando meu coração destruído, depois que perdemos a Mel o Astor foi desanimando, mesmo eu mimando ele ainda mais, saindo passear todo dia, ele não estava mal nos seus últimos dias, mas foi parando de querer comer, então em uma madrugada de quarta ele começou a chorar, ficou inchado, Astor teve uma torção gástrica e não tinha nada que alguém pudesse fazer, ele parecia estar dormindo no quintal de casa, eu não tive pressa de me despedir dele, eu o abracei, beijei, fiz carinho, chorei muito, eu estava falando adeus pro meu filho, parte de mim também morreu aquele dia.

Sou muito grata por ter tido ele na minha vida, por ter crescido ao meu lado, por ser meu melhor amigo, meu protetor, meu grandão, eu sinto falta dele todos os dias, sinto falta do seu olhar sempre demonstrando o que estava sentindo, sinto falta de apertar suas dobras, dele deitar a cabeça no meu colo, até dos pelos na roupa. Cachorros são muito amorosos, eles sentem tudo, sabe quando estamos passando por situações difíceis, se tem uma coisa que eu aprendi foi que não tem amor mais puro e incondicional para se receber, eles se doam por inteiro pra nós, somos tudo para eles e não importa a situação, eles estarão sempre do nosso lado feliz por nos ver.

Querem um conselho? Se dediquem mais aos seus bichinhos, sendo cachorro ou não, converse com eles, mesmo que exista gente que acha que eles não entendem, eles entendem, eles merecem muito amor, faz tudo ficar melhor e eu garanto que a vida é mil vezes mais fácil com um amigo de 4 patas do lado, adote um amigo, não importa se é de raça ou não, o amor será sempre o mesmo e o mais importante, são leais e verdadeiros, já abraçou seu bebê hoje? Eu só pude fazer isso na minha velhinha Loren, então não percam tempo.

Espero que tenham gostado, sigam o blog e compartilhem, com amor: Abibi e sua galáxia!

Pesadelo do meu Interior.

20161229_163156-01-21771245.jpeg
Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Vamos falar sobre saúde mental? Acredito, que muitas pessoas devem ter ansiedade, enfrentar a depressão, tomar algum medicamento, fazer algum tratamento cotidiano. Só quem passa por isso, sabe como é difícil lidar com esse tipo de rotina, como é difícil criar força dentro do seu interior, podemos ate ter algum apoio, mas só funciona se a gente se esforçar, eu sei o quanto é difícil, o quanto isso depende mais de você do que dos outros.

Por isso eu resolvi compartilhar uns sentimentos meus, mostrando como eu tento lidar com a minha saúde mental.. Eu espero que gostem desse texto é super pessoal, com muito sentimento, que eu sempre guardo a 7 chaves.


Pesadelo do meu Interior!

Porque é tão difícil expressar em palavras como eu me sinto.

Uso desculpas como o gato faleceu, acordei agora, não vi as suas mensagem, entre diversas outras situações.

Eu não sei o que estou sentindo.

Eu só choro, eu sinto minhas lágrimas até adormecer….

Pra mim parece normal, esses sentimentos aparecem e desaparecem com frequência.
Faço mil planos na minha cabeça e não consigo nem os colocar em prática. Me sinto inútil mas não adianta, querer falar com alguma amiga, amigo, namorando, ou até mesmo a psicologa, porque isso não passa, não se pacifica. É um sentimento meu, as vezes eu acho, que só eu posso entender.

Sempre está a minha sombra, só acabo “deixando pra lá” como se não existisse dentro de mim. Todos esperam algo de mim, que eu seja forte, que eu vá ao psiquiatra, a psicologa, que eu tome os meus medicamentos, que eu tenha uma alimentação saudável, que eu não volte a me mutilar… Que não tente nada contra a própria vida.

Antes, eu não tinha nada a perder, quando comecei, eu fiz por mim e agora? Faço por mim? Ou pela as pessoas que eu tenho em volta? Ou pelas coisas que eu já conquistei? Como continuar seguindo em frente?

Eu juro, que procuro várias alternativas, mas dentre as opções não consigo enxergar a saída.
Sempre tive esses sentimentos e depois de anos sem me machucar, nem a coragem para isso habita em mim, porque não é mais o suficiente para minha dor.
Qual é a dor? Não sei decifrar.
Eu estou cansada de minha mesmice, das pessoas a minha volta, as vezes da vontade de brigar, lutar, gritar, seja lá qual for o motivo.
A um mundo tóxico ao meu redor, não quero fazer parte dele.

Não me sinto parte dele. Me sinto fraca, indisposta, com vontade de não existir…
Mas e os seus projetos?
O que tem eles? Não sei, são planos que nem sei como começar a colocar em prática, já é tao difícil pensar em não querer morrer que meus sonhos ficam tão menores…
Minha cabeça, explode de vozes, elas são fáceis de conviver, se tornaram rotina e percebi que não vão sair dali. Uma hora, você se acostuma.
Estou com 20 anos e eu realmente estou exausta de novo. Não é jogar fora ou menosprezar o que conquistei, porém é como se nada que eu fizesse, fosse tirar esse pesadelo do meu interior.


Uma experiência da Mila!

Contada com a colaboração da Bynd!

Eu espero que levem o texto pro coração e perceba que não é a única pessoa que se sente assim e que não está sozinha ou sozinho.

Isso é uma experiência 100% minha, é apenas um texto que descreve o que estou sentindo no momento, na verdade, durante uns meses. Eu não sei como funciona a sua saúde mental… Eu não sou médica, não deixei de procurar um médico, pra cuidar da sua saúde metal. Com saúde mental, não se brinca.

Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Mande a sua fanfic, história, poema, critica, desabafo, e etc para o nosso e-mail: adolescênciadelua@gmail.com.

Quero agradecer a todo mundo que está enviando seus poemas, seus textos, suas histórias, etc… Estou amandando, continue mandando, a sua história pode ser a próxima!


“Todos nós enfrentamos alguns pesadelos.” – Milena Alves

Beijos da Mila ❤️