Um Conto Nada Amoroso – Conto da Jujuba.

Oi minhas jujubas, no meu último post, eu percebi que vocês gostaram muito de saber mais sobre mim, então hoje eu vou compartilhar com vocês, uma outra história da minha vida. Vou começar pelo último romance que eu tive. Vamos ter que concordar, que se pudéssemos olhar um pouquinho para o nosso futuro e perceber o quanto que a gente vai sofrer, especialmente quando entramos em um relacionamento, com certeza não entraríamos.

Quem me conhece sabe muito bem, que eu nunca fui de ficar sofrendo pelos cantos, quando eu começava a perceber que o garoto ia me fazer sofrer, eu já terminava, pra depois não ficar de coração partido, mas senta, pega seu café, chá, pipoca, pega o que eu você mais gostar de comer e vem acompanhar essa história, então, senta que lá vem história. Quando isso aconteceu estava morando aqui em São Paulo, eu tinha me afastado de todas as minhas amigas e de todos os meus @, eu andava bem carente. Nesse prédio que eu morava, eu tinha uma amiga, que por sinal é bem maluquinha.

Um certo dia, o meu primo resolveu começar a promover festas, ele até me chamou mas eu não quis ir participar, ele acabou combinado com a minha prima, pra ela trabalhar na portaria, mas ela deu o cano, então como eu morava na mesma casa que ele, acabou que ele ficou insistindo e eu aceitei. Já que é para trabalhar numa festa, um dinheiro extra é sempre bom. Na época, era uma festa de pessoas mais novas, eu estava com 20 anos mais ou menos, então a faixa etária do público dele é 16 a 17 anos.

Então, eu não estava com muita esperança de ficar com ninguém, mas eu resolvi me arrumar, coloquei uma blusa cor de rosa, com um decote nem na frente, coloquei um shortinho bem curto e um tênis, mas é claro que eu pensei: “Partiu, deixar os amigos do meu primo de boca aberta.”

20171225_180511-01-964382000.jpeg
Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Depois de pensar isso, foi quando meu primo apareceu na porta, ele ficou me olhando com uma cara de que não gostou, ele virou pra mim e perguntou:

_“Juliana, na onde você pensa que vai desse jeito, vai ficar na portaria com essa blusa?”
Eu nem me importei com o que ele disse e respondi:

_“É claro que eu vou assim, ué, não foi você quem pediu pra eu trabalhar na festa?

_“Mas desse jeito não, né Juliana. Eu não quero arrumar briga na portaria.”

_“Isso é simples, é você não arrumar briga com ninguém.”

_“Pega essa blusa, pode vestir, anda logo que você já está atrasada.”

_“Eu vou só vou usar essa blusa na portaria, quando eu estiver dentro do salão de festas, eu vou tirar.”

Eu vesti a blusa, além de ser preta, era toda fechada, mas tudo bem.
Enquanto eu ficava na portaria… Cantada vem, cantada vai, apesar que isso foi bom pra minha autoestima.

Enquanto eu ficava trabalhando e recebendo cantada dos convidados. Eu estava esperando a minha amiga, mas ela já estava atrasada… Depois de um tempo, ela chegou, ela ainda estava sem o dinheiro o ingresso, ela disse que me dava depois, mas eu tinha que falar com meu primo ainda, pra minha sorte e pra sorte dela. Um homem alto, negro e forte… disse que pagava a entrada dela, eles acabaram entrando juntos na festa assim que ela entrou na festa, trocou uma ideia com ele, quando eu vi, já estavam se pegando.
Depois disso, eles ficaram conversando e ela acabou saindo com ele, disse que ia dar uma volta, eu fiquei na portaria.

Depois de um tempo, eu sai um pouco da portaria e fui pegar um energético pra eu tomar. Do nada, eu vejo a minha amiga, lá em baixo ficando com outro menino, se pegando em cima do colo dele. Eu tive que dar uma bronca nela, porque ela estava passando dos limites, mas ela não me escutou, ficou mais bêbada, saiu pegando quem ela se interessasse. Essa minha amiga ficou maluca, pegou uns quatro meninos.

Em seguida, na realidade depois de um tempo, eu vi uma menina jogada no chão, passando mal de tanto beber, pra ajudar, essa menina era menor de idade e muito novinha, tinha 14 anos. Ela estava muito bêbada, toda vomitada, não tinha nenhuma amiga por perto. Eu fiquei preocupada, ela estava sozinha, toda largada, eu peguei a menina, ela estava muito pesada, então mandei chamar meu primo, ele me ajudou a colocar ela pra fora do salão de festa, conversei com ele, que as coisas poderiam se complicar pra ele, já que ela estava bêbada e era menor de idade, então resolvemos procurar as amigas dessa menina.

Enquanto eu estava na calçada com essa menina, eu dei água pra ela, comprei um doce, perguntei a onde estava as amigas dela, só que nem ela sabia onde as amigas dela estava, um tempinho depois, apareceu uma menina, que conhecia ela, mas não era amiga dela, mas também conhecia as amigas dela, que estavam por aí transando com alguém. Ainda bem que essa tal conhecida, estava com o celular dela, eu perguntei se ela sabia a senha, ela me disse que não.

_”Ok, me passa o celular dela.”

_”Tem certeza que você não sabe a senha?”

_”Tenho, eu nem falo com essa menina.”

_” Então vamos fazer o seguinte, ela não tem cara de muito inteligente, fica errando a senha dela até bloquear, até aparecer PIN, depois disso, você coloca 1,2,3 e 4.

_”Nossa, funcionou, como você sabia disso?”

_”Quase todo mundo sabe disso. Agora, vai na agenda dela e liga pra mãe dela, quando ela atender você me passa o telefone.”

Ela me passou o telefone e comecei a conversar com a mãe da menina, não dei nem espaço pra mulher falar.

_”Alô, tudo bem? Eu não conheço a senhora, mas a sua filha veio em uma festa, ela está muito bêbada, passando muito mal, encontrei ela jogada no chão, sem condições dela ficar aqui.”

_”Como assim? Cadê a Natali, ela saiu de casa com a Natali, prometeu que não ia beber.”

_”Olha minha senhora, não tem nenhuma amiga dela aqui, será a senhora não pode vir buscar a sua filha?”

_”Eu vou buscar, mas eu vou falar com a polícia também, vocês são um bando de irresponsáveis, como pode dar bebida pra uma menor de idade.”

_”Isso mesmo, pode chamar, eu concordo coma senhora, mas aproveita também e chama o Conselho Tutelar, deixa bem explicado pra eles o motivo da sua filha estar bêbada em uma festa, na madrugada de uma hora da manhã, além de estar sozinha, toda vomitada ao ponto de poder ser estuprada, vamos lembrar que ela também só tem 14 anos, me explicar, eu também quero saber o que ela está fazendo aqui a essa hora!”

A moça não disse mais nenhuma palavra, pediu o endereço, disse que ia busca – lá e ainda junto com o pai, pra dá uma surra nela. Eu deixei bem claro, só pra ela vir buscar a filha dela, afinal eu não tenho nada a ver com o que vai acontecer depois na casa dela.

Eu desliguei o telefone, a menina começou a chora e falar que a mãe dela ia bater nela.

Eu olhei pra menina e disse: _”Olha, sair com suas amigas pra curtir, até ai tudo bem, mas ficar bêbada e não aguentar ficar em pé, posso fazer nada.”

Depois que eu disse isso, ela virou pro lado e vomitou bem no meu pé. Ela começa vomitar sem parar, eu me agacho, segurei o cabelo dela pra não sujar de vomito. Em questão de segundos olhando para o outro lado da rua, foi quando eu vi ele pela primeira vez….
Continua…


Eu tenho certeza, que todas vocês devem estar curiosas pra ler o reto da história, mas eu sempre vou fazer esse suspense com vocês, pra alegria de vocês vai sair continuação amanhã, por volta do mesmo horário.

Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Edição do texto, foi feito por Mila.

Mande a sua fanfic, história, poema, critica, desabafo, e etc para o nosso e-mail: adolescênciadelua@gmail.com.

Não deixa de seguir o nosso instagram: @blogadolescênciadelua.
Em breve, vamos começar postar conteúdos por lá, inclusive videos pelo IGTV!

Beijão da Jujuba, até amanhã!

O texto que toda avó, gostaria de ler ❤

As vezes achamos que as pequenas coisas não vão importar apenas por serem mínimas, doce ilusão. Agora as pequenas coisas são as das quais mais me recordo.

Lembro-me bem do seu brinco pequeno e brilhante na sua pequena orelha, do seu perfume suave e gostoso, do seu corpo violão, da pele morena com marcas das historias ja vividas por ti, do seu cigarro no cinzeiro enquanto contava sobre sua infância, lembro-me das unhas bem feitas, do seus pés pequenos nas sapatilhas, da blusa vermelha que tanto usava, mas que agora habita meu guarda roupa como uma bela recordação do seu tempo aqui. Você era de uma espécie única, extremamente rara, era de uma pura vaidade, baixinha e marrenta, mas quem a conhecia sabia do seu enorme coração.
Sabe aquelas histórias que só avós podem proporcionar na vida, pois bem a senhora proporcionou um monte delas, doces e lindas lembranças.

A minha lembrança preferida é, a das vezes que chegava na sua casa, e você estava lá com um lindo sorriso no rosto indo me abraçar, para em seguida dizer “Oi tesouro da vovó”. Se eu soubesse que um dia fosse sentir tanta falta dessas palavras, do som da sua voz, do modo como me abraçava, eu com certeza teria pedido pra Deus pausar aquele momento para sempre.

Lembra das vezes que a senhora cantava com a voz rouca ( era lindo), ou quando você falava ao telefone como se estivesse entediada (nossa, aham, mds, hmm…), eu e minha mãe víamos graça, ou então quando a senhora ficava brava e colocava a mão na cintura pedindo paciência ao céus mentalmente, pra não me esganar, pois é que falta tudo isso faz.

Sabe as vezes que tudo parece ta perdido e você precisa de colo? Pois é a senhora estava lá, a senhora sempre esteve lá, do joelho ralado ao primeiro coração partido, da evolução da bagunça de brinquedos até a bagunça de roupas na hora de sair, era para a senhora que eu pedia tudo, porque se você deixasse, minha mãe também deixaria, foi pra senhora que contei os maiores medos e os maiores segredos. Como fui tola, em não ter dado mais valor a tudo isso, hoje o arrependimento soca minha alma.

Queria ter aproveitado tudo muito mais, ter contado sobre o primeiro emprego, sobre como é estranho terminar o ensino médio e não saber qual rumo seguir, te contar que algumas amizades sobrevivem e outras se vão, contar que encontrei alguém que agora me faz feliz e que me mostrou como é bom ser amada, te contar que agora a mamãe, o tio e eu somos um família novamente, que em meio as brigas o amor prevaleceu, e o seus ensinamentos ainda são lembrados, dizer que vai ficar tudo bem, e que mesmo que tudo fique difícil vai passar, sempre passa.

Queria dizer-lhe tanta coisa, mas se a visse provavelmente pararia ali e ficaria quietinha só ouvindo o som da sua voz novamente e sentindo sua mão em meu rosto, fazendo o carinho que eu tanto gostava.

A senhora foi e ainda é o meu pilar, minha inspiração, mesmo depois de ter partido.
Espero que daí de cima a senhora veja que sua netinha ta crescendo, amadurecendo e se tornando alguém melhor, espero que sinta orgulho, e que se lembre que mesmo crescendo serei pra sempre sua menininha.

Espero que saiba que mesmo que já tenha se passado quatro anos, ainda vou te amar, pra sempre e sempre, daqui ao infinito. E espero que me perdoe por não ter estado lá quando você mais precisava.
Você foi e sempre será a melhor Avó do Universo.
Obrigado por tudo dona Beni ♥

– Com amor, da sua neta.

Assinado: Uma garota qualquer.

thay
Autora do texto e sua avó. Hoje só resta saudades.

Texto de uma garota anonima ou como ela costuma se chamar: Uma garota qualquer.

Mande a sua fanfic, história, poema, critica, desabafo, e etc para o nosso e-mail: adolescênciadelua@gmail.com.

Quero agradecer a todo mundo que está enviando seus poemas, seus textos, suas histórias, etc… Estou amandando, continue mandando, a sua história pode ser a próxima!

Beijos da Mila!Gratidão!