Um Conto Nada Amoroso – (Capitulo 3) – CONTO DA JUJUBA

Minhas Jujubas, me desculpa a demora pra postar a continuação, mas a minha vida ta uma correria, eu disse pra vocês no post de ontem, quem não leu corre pra ler, que tem umas dicas super importantes pra nos m mulheres.

Pra quem ainda não conhece o conto, eu vou deixar os link logo abaixo.

Um Conto Nada Amoroso

Capitulo 1: Um Conto Nada Amoroso – (Capitulo 1) – CONTO DA JUJUBA
Capitulo 2: Um Conto Nada Amoroso – (Capitulo 2) – CONTO DA JUJUBA

Chega da enrolação e vamos pro conto.

Boa leitura!


 

Um Conto Nada Amoroso

(Capitulo 3)

 

_” Vamos fazer xixi, pode ser atrás de um carro mesmo.”

_” Está doidona, você mesmo que eu vou fazer xixi na rua, ainda mais atrás de um carro, você só pode está louca Iara.”

_” Eu estou muito apertada, vai ter que ser aqui mesmo.”

_” Mas se alguém ver a gente?”

_” Ninguém vai ver, vamos na rua da padaria.”

_ “Se alguém ver, eu mato você, mas vamos logo, eu também estou muito apertada.”

Acabamos fazendo xixi ali mesmo, na frente de uma casa, no pneu de um carro, me dá vergonha só de pensar, mas que vergonha.

_” Viu Juliana, pra que o estresse? Ninguém viu!

_” Ainda bem.”

_” Juliana, o Bruno me disse que o amigo dele, está louco pra ficar com você.

_” Quem? O Bruno?

_ “Aquele amigo do carro…”

_” Sério? Ele vai ficar querendo.”

_ Bom, vai pensando, eles foram dar uma voltinha, logo já vão voltar.

_”Hmm.”

Enquanto a gente voltava pra festa, fiquei pensando na loucura de hoje, acabamos indo pra uma área reservada da festa, onde as pessoas costumam fumar.

Ficamos ali conversando com meu amigo do meu primo, depois eu o vi vindo em nossa direção, nem acredito que aqueles meninos voltaram mesmo, aquele garoto desaforado ficou me olhando com uma cara de safado, aquela cara que é meu ponto fraco, aquele sorriso de malandro, que eu não consigo resistir.

Eles chegaram falando com o amigo do meu primo, que no caso se chama Ale, só pra reforçar pra vocês.

_”Eai Matheus!

_” Fala Ericsson!

_” Bom, eu vou lá ver se o Ale precisa da minha ajuda.

_” Beleza, pode ir lá!

_” Matheus, vê se toma conta dela pra mim, se não o primo dela me mata.”

_” Claro, deixa comigo!”

_” Eu mesma se cuidar de mim, não preciso da sua ajuda.

_ “Você também é uma marrenta!”

Quando eu vi a Iara, ela já estava se pegando com o menino de novo e o outro acabou se encostando no meu lado, no caso o Matheus acabou ficando do meu lado.
Foi quando tive a sensação de conhecer ele de algum lugar, eu sempre fui boa em guarda rostos.

_” Eu tenho a impressão de te conhecer de algum lugar.”

_” Eu sou aquele príncipe encantado, aquele dos seus sonhos.”

_” Ata! Espera sentado!”

Eu não sabia explicar, mas ele me atraia, e o pior era que eu nem sabia dizer o porquê, mas sabia que estava prestes a descobrir.

_” Só me falta, você também ser amigo do meu primo.

_” Quem é o seu primo?”

– O Júnior! Ops, o Alejandro, ele que [e dono da festa.

_” Nossa, ele é seu primo! Poxa Ale é um moleque legal, sou eu corto o cabelo dele.”

_” Espera! Já sei de onde eu te conheço! Você é o barbeiro cara de pau e safado, que pediu meu número pra ele, foi no mesmo dia que fui com ele, pra cortar o cabelo.

_”Putz, é verdade, mas você é uma gata. Porque será, que ele chegou pra cortar o cabelo e estava todo arranhado e disse que tinha sido uma prima.

_” Hahahaha, isso que dá mexer comigo.”

_” Agora me explica, porque barbeiro safado?

_” Porque você estava com uma puta aliança no dedo, falando nisso você namora o que tá fazendo aqui? Tem vergonha não?”

Inclinei o meu corpo virei de frente para ele, coloquei a mão na cintura e ergui a minha sobrancelha, com aquela minha cara de reprovação.

_” Calma aí marrenta, eu e ela terminamos.

_” E como posso saber que isso é verdade?

_” Porque se eu estivesse namorando com ela, eu não estaria aqui essas horas, ela é extremamente ciumenta, nunca ia me deixar sair de casa sem ela e tem outra coisa, tem 5 meses que a gente terminou.”

_” Creio, que ela nem deve ter os motivos dela, pra ser ciumenta, não é?”

Foi quando ele sorriu e colocou o dedo no canto da boca, me olhou de cima pra baixo com um olhar malicioso, me puxou pra perto do seu corpo, me apertou contra ele e me beijou.
Aquele beijou, pegou fogo no minuto que encostamos os nossos lábios, exatamente como nos filmes, foi bem clichê, eu até levantei a perninha, mas não se engane, não foi nada romântico, estava mais pra erótico mesmo, eu sentia meu corpo estremecer, eu podia sentir que alguma coisa bem no meio das minhas pernas já estava dando sinal de vida. Nunca um beijo se encaixou tão perfeitamente.

 


Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Edição do texto, foi feito por Mila.

Eu sei que demoramos de novo, pra postar a continuação, mas como eu já disse pra vocês não é tão simples assim, nossos texto tem que ser revisado várias vezes antes de serem postados, pra evitar erros de ortografia, mas mesmo assim, as vezes acaba tendo alguns erros, estamos aprendendo o tempo todo.

Eu espero que vocês tenham gostado da continuação, na semana que vem vai sair o capítulo quatro. Não deixa de acompanhar nossos blog, todos os dias temos posts e novidades.
Divulguem muito entres os amigos, pra nós ajudar.

Mande a sua fanfic, história, poema, critica, desabafo, e etc para o nosso e-mail: adolescênciadelua@gmail.com.

Não deixa de seguir o nosso instagram: @blogadolescênciadelua.
Em breve, vamos começar postar conteúdos por lá, inclusive videos pelo IGTV!

Beijão da Jujuba, até amanhã!