Creepypasta – HANNAH. A ESTRANHA

Olá minha galera, tudo bem com vocês?

Eu sei que o Outubro-Halloween, não saiu como o esperado, mas nós vamos continuar com a categoria de horror, com vários filmes, series, creepypasta. Pode ter certeza que a Thay vai continuar junto com a gente, iremos nos organizar os dias certinhos que vai ter os post de horror.

Hoje vocês vão ficar com a creepypasta, pra quem não sabe o que é, eu vou deixar o link de outro post pra vocês darem uma olhada pra entender o que é creepypasta e ainda vão poder ler duas historias em um dia.

LINK: CREEPYPASTA – CRISCO O PALHAÇO

Boa Leitura!


HANNAH. A ESTRANHA

Desde pequena Hannah fora uma menina diferente, falava sozinha, ria sozinha como se estivesse alguém com ela. Seus pais a repreendiam, mas achavam que era coisa de criança, que iria passar, talvez fosse um amigo imaginário, tão normal na infância.

Quando ela teve idade suficiente os pais a matricularam em um bom colégio. Lá Hannah brincava com os colegas, mas ainda falava sozinha, os professores também achavam que era um amigo imaginário, também acharam normal, pois era uma criança e isso acontecia com a maioria das crianças.

Até que um dia brincando no parque Hannah falou para um colega:- Sua irmã te perdoa por tê-la jogado do penhasco.

O menino enfurecido veio contra a menina e começou a espanca-la até os professores separarem. Os pais foram chamados.

Hannah havia apanhado muito, estava triste. Os pais do menino perguntaram porque ele a espancara. Ela somente disse: -A menininha de vermelho, me disse que o perdoava por ele tê-la jogado do penhasco.

– Como você sabe que tivemos mais uma filha? Ela faleceu faz dois anos e ninguém no colégio sabe.

– Senhora, ela só me pediu para falar essas palavras.

Desculpe garotinha, você deve ter se enganado, meu filho jamais faria isso. A mãe de Hannah interferiu. –Será que não? Olhe para minha filha, está toda machucada. Se ele fosse tão bonzinho não teria batido tanto nela.

A mulher se calou.

Todos os dias a menina falava mais e mais sozinha, os colegas tinham um certo receio dela, mas ela tinha seu mundinho e estava tudo bem. Seu pai a todo custo queria interna-la em um hospício, ele era muito ruim com a menina… mas sua mãe, não deixava dizia que era um dom.

Hannah tinha sonhos constantes com a avó buscando sua mãe, oferecendo para filha o que ela mais gostava, torta de morango. Ela sabia que esse dia chegaria e falou para mãe não seguir sua avó nem em sonho, porque nesse dia morreria. A mãe sorria, mas no fundo acreditava na filha.

O tempo foi passando e um companheiro constante de Hannah era Eddi, um menino que falava com ela desde a infância, tinha nascido sem braços, mas era muito divertido. Entre o trabalho e o recente namorado, Eddi sempre aparecia para conversar com ela, um menino muito legal. Ela sabia que era paranormal, mas levava isso numa boa. Ia fazer o quê se entupir de remédio para não os ver mais? Estava tudo controlado. Ela estava bem.

Até a noite que ela sonhou que a avó estava buscando sua mãe. O telefone tocou. Era seu pai. Sua mãe estava no hospital, sofrera dois infartos. Estava na UTI.

Ela pegou um táxi e chegou logo lá e se deparou com a avó no corredor. :- Sai vovó, você não vai leva-la agora, é muito cedo para ela partir. A avó só sorria. Hannah passou entre o fantasma da avó e chegou até a mãe.

– Mamãe, não siga a vovó, por favor!!!

A mãe só balbuciou Eddi…

– Eddi? Papai quem é Eddi para vocês?

– Não é ninguém. Respondeu, seco o pai.

Entre a mãe morrendo, a avó querendo levar sua mãe Hannah viu seu amigo de infância Eddi no hospital.

– Eddi, o que está acontecendo, você conhece minha mãe? Ele não respondeu. Ele abriu a boca e de sua boca saiu muita terra.

-Meu Deus Eddi, porque você não fala comigo. Ele apenas fez um sinal para ela segui-lo. Pegaram um taxi e pararam em uma densa floresta, lá ele apontou uma pedra enorme. Com muita força ela rolou a pedra pro lado e o que viu a deixou muito triste. Eram os restos mortais de Eddi.

– Somos irmãos Hannah, papai me matou porque nasci sem braços e disse para mamãe que eu desapareci. Ele também não gosta de você porque consegue falar com os que já se foram e vai tentar matá-la.

– Isso é o que veremos. Eddi, você tem aparecer para mamãe de qualquer jeito e contar tudo, assim ela não seguirá a vovó.

Voltaram para o táxi e a mãe de Hannah resistia: – Filha, sua avó me ofereceu torta de morango, eu não fui como você pediu.

– Mamãe, a senhora é muito inteligente, ainda bem que lembrou e acreditou em mim…Alguém quer falar com você.

-Olá mamãe, eu nunca a abandonei, sempre estive com a Hannah…

-Eddi meu filho você não cresceu? O menino contou toda a história para a mãe e milagrosamente ela melhorou. Estava feliz porque agora podia vê-lo e triste pelo que o marido tinha feito com o menino.

Os médicos entraram para vê-la e deram a notícia para Hannah que sua mãe tinha muito metal pesado no corpo, talvez ingerido por muito tempo. E talvez não sobrevivesse. Mas o que viram foi um milagre, a mulher estava perfeitamente curada.

Hannah sabia quem tinha posto o metal pesado para matar a mãe.

Quando chegou a hora do pai visitar a mãe a polícia já estava no quarto.: -O senhor está preso pela morte de seu filho Eddi e pela tentativa de homicídio contra sua esposa.

-Vocês não têm provas!!!- Temos todas as provas, achamos uma luva com sua digital perto da pedra onde você amassou seu filho e também achamos os metais pesados que você misturava no café de sua esposa.

– Hannah desgraçada eu tentei te matar tantas vezes e não consegui, nada te atingiu eu não entendo, é sua culpa.

Nesse momento Eddi aparece pro pai e diz.; – Eu sempre a protegi!!!

O pai começa a gritar:- Hannah, você trouxe o demônio pra cá, sua aberração, tira ele da minha cabeça.

– Eu papai?

Você vai conviver com todas as pessoas que já matou e elas vão te torturar. Eu sou paranormal posso ajudar as pessoas. Mas o senhor vai ser infernizado.

A lista de crimes do pai de Hannah era enorme e ele foi infernizado em vida até os fins da vida terrena e depois da morte foi muito pior.

Hannah, Eddi e a mãe viveram muito felizes. Hoje Hannah trabalha na polícia em crimes não solucionáveis. Alguém sempre sopra o criminoso no ouvido dela.

Autoras: Dara Emanuelle, Parisotto Allebrant

(Todos os direitos autorais pertencem a contista)


Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Gostaram da história? Gostaria de ler mais histórias como essas? Por isso, eu vou deixar o link da pagina, que foi na onde eu peguei esse conto, lá tem muitos outros.
Pagina do Facebook – Contos arrepiantes, filmes de terror e muito mais

Beijão da Mila! Gratidão, até a próxima história!

14 comentários em “Creepypasta – HANNAH. A ESTRANHA

  1. Eu amei essa Creepypasta, tava esperando você postar, que bom que vão continuar com os posts de Halloween.
    Gostei da história, irei visitar a página, mas vou esperar outras histórias por aqui.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s