Fanfic: Colega de Quarto – Rommate. (Part.6)

Galerinha, como prometido a continuação da Fanfic, da autora Lucília Gomes. Eu espero que não tenham morrido de ansiedade com a espera da continuação.

Pra quem ainda não leu o Capítulo 1 e os outros capítulos, vou deixar o link aqui em baixo:
Capítulo 1: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 2: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 3: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 4: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capitulo 5: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.

Chega de enrolação, eu espero que gostem muito da continuação.

Boa Leitura!


Capitulo 6

“Lariesce Grace.”

Não sou de falar muito da minha história, mas tenho segredos que poucas pessoas sabem.
Eu cresci em uma pequena cidade no interior de Ohio, com minhas irmãs, sim, eu tinha irmãs, de consideração. Eu morei em um orfanato durante 4 anos, até meus pais me adotarem. Minha mãe não podia engravidar e estava entrando em depressão, até que… eles tomaram essa decisão.
Eu não tenho vergonha em dizer ou receio que as pessoas descubram, não faz diferença pra mim. O fato de saber que meus pais verdadeiros me abandonaram me faz nunca querer conhece-los.
Eu sempre fui muito na minha e meus pais eram sem jeito, não sabiam muito lidar com uma criança. Digamos que eu tenha sobrevivido a base de comida congelada e as vezes, panquecas no café da manhã. Margareth nunca soube cozinhar, uma das únicas coisas boas que ela sabia fazer era panquecas.
Meus pais sempre foram muito ocupados, quase sempre contratavam babás pra cuidar de mim, e acredite… ninguém me suportava muito tempo. Mudei de estado umas doze vezes durante minha vida toda, sempre odiei mudanças. Acho que boa parte de mim prefere a comodidade das coisas.
Aos meus dez anos, comecei a ficar sozinha toda parte da tarde, nunca consegui fazer amizades, afinal, sei que me mudaria em breve e iria sofrer novamente pra me adaptar em outra lugar se tivesse vínculos. Eu me acostumei a ficar sozinha, porém… sempre odiei me sentir só.
Quando me mudei pro Texas, as coisas melhoraram um pouco. Meu pai conseguiu um emprego estável e pretendíamos ficar por lá muito tempo.
Eu adorava o Texas, mas sempre vou sentir falta de Washington.
Conheci Angel no final da sétima série, e mal imaginava que ela iria ser uma das melhores pessoas que entraram na minha vida. Nós fazíamos tudo juntas, nossa primeira encrenca foi quando fugimos de madrugada pra ir na nossa primeira festa.
Eu não gostei nada da ideia de ter que vir pra cá, principalmente porque iria me afastar dela, mesmo que a gente mantenha um certo contato, não vai ser a mesma coisa.

00

Fiquei meia hora sentada em um banco do lado de fora da diretoria. Não fazia a menor ideia de que horas eram, mas sabia que era bem tarde.
Logo ouvi passos e a mesma mulher que fez aquele escândalo me mandou entrar.
Ao entrar vi a mesma enfermeira que havia me interrogado na enfermaria. Meu corpo congelou e comecei a derreter, de tanto que eu transpirava.

-Lariesce Grace Smith? -Perguntou encarando o computador.

Engoli seco e fiz que sim com a cabeça. A mulher me encarava de cima em baixo.

-Você tem se envolvido em muita confusão ultimamente, isso não é nada bom, pra você nem pro seu histórico. -Falou digitando.

Cocei a cabeça e me sentei em uma cadeira de frente pra ela.

-O que fazia tão tarde fora do seu dormitório? -Perguntou me encarando.

Não sabia o que dizer, e precisava urgentemente de uma desculpa cabível.

-É… enjoo! Eu precisava dar uma respirada. -Falei.

A mulher continuou me encarando.

-E por que não foi até a enfermaria? -Perguntou.

Que desculpa de merda, vão achar que eu estou grávida agora.

-Ah… não era nada demais, já até melhorei. -Falei.

Ela não parava de digitar e eu só conseguia pensar no quanto estava fodida se essa enfermeira falar algo.

-Aqui no internato tem regras e elas não podem ser quebradas. Se você estava se sentindo mal, deveria ter procurado a enfermaria e lá eles iriam dizer o que era melhor pra você. Eu deveria te dar uma advertência, mas não vou. Não se acostume, é só porque você chegou a pouco tempo e ainda está se adaptando ás regras. Que isso não se repita, Lariesce. -Falou.

Eu ganhei na loteria, queria ter comemorado gritando. Mas… ainda tinha que ter certeza que a enfermeira não iria dizer nada.
Me direcionei até a porta e fiquei do lado de fora tentando ouvir alguma coisa.
Não adiantou muita coisa e eu precisava dormir.
Voltei pro meu dormitório e deitei com tudo na cama. Alguns riscos valem á pena.
Fiquei alguns minutos pensando em tudo e apaguei.

00

06:12 AM

Acordei ás pressas e fui direto pro banheiro. Não queria me atrasar hoje. Estava morrendo de sono, precisava despertar.
Como de costume o banheiro feminino estava quente e lotado.
Logo uma ducha foi desocupada e eu pude tomar um banho decente.
Acho que em duas semanas aqui, só cheguei no horário em três dias.
Sai em disparada e troquei de roupa, ao colocar a blusa notei que era toda atrapalhada pra abotoar os botões. Cassie tava fazendo falta.
Peguei minhas coisas e cheguei 07:00 em ponto, finalmente iria assistir a primeira aula.
As pessoas ainda me encaravam muito, mas eu estava tentando ignorar, de estresse eu já estava cheia.
Me sentei em uma cadeira e logo uma garota me cutucou.

-Garota, ai é o lugar da Sarah. -Falou.

Quase perguntei se tinha o nome dela escrito em algum lugar. Eu preciso ficar longe de encrenca, então decidi sentar em uma cadeira no fundo da sala.
Senti burburinhos quando me levantei, acho que estavam comemorando o fato de terem “colocado moral” em mim.
Continuei a assistir a aula e tentei anotar tudo o que eu conseguisse.
Senti um olhar sobre mim e era um garoto, ele logo desviou o olhar quando viu que eu percebi.

00

O sinal tocou e eu estava dando graças a Deus por ter finalmente acabado aquela aula. Eu detesto história, só sei sentir sono.
Fui andando até o refeitório e por um momento me senti uma aluna normal. Eu quase nunca almoçava na cantina.
Peguei uma bandeja e sentei em uma mesa vazia, atrás de umas máquinas de refrigerante. Era incrível como todo mundo tinha seu grupinho.
Vi o mesmo garoto que estava me encarando na primeira aula e ele por incrível que pareça estava vindo na minha direção.

-Posso sentar? -Perguntou.

Fingi não ter notado a existência dele e fiz que sim com a cabeça.

-Sou o August. -Falou dando uma garfada na comida.

Dei um sorriso.

-Me chamo Lariesce. -Falei.

Ele deu um sorrisinho de lado.

-Eu odeio tudo isso aqui, e você? -Perguntou.

Parece que temos algo em comum. Mal conseguia olhar pra ele, sou muito tímida com pessoas que não conheço.

-Eu também não gosto muito. -Falei.

Ele continuou me encarando.

-Eu sou novo aqui também, cheguei á três dias. Eu estou muito perdido aqui. -Falou.

-Você vai se acostumar logo. Tem pessoas malvadas e poucas pessoas legais. -Falei.

Ele deu risada.

-Será que dei a sorte grande de conhecer uma pessoa legal no meio de tantas? -Perguntou.

Decidi olhar pra ele e digamos que ele seja bem gato. Tem o cabelo num corte social, tem olhos verdes e é um pouco mais alto que eu.

-Não me considero uma pessoa legal, mas eu tento. -Falei rindo.

Ele ficou em silêncio e continuou a comer.

-Não se considerar legal já te torna muito legal. -Falou.

Dei um sorriso.

-Bom, eu odeio meu colega de quarto também. Ele é um nerd e detesta qualquer tipo de ruído. -Falou.

Como explicar a colega de quarto que eu tenho.

-Eu gosto da minha, ela é bem vida louca e desorganizada. Talvez o oposto de mim. -Falei.

Ele continuou a me encarar. O jeito que ele prestava atenção em todos os detalhes me deixava receosa.

-Acho que você ainda vai se acostumar. -Falei.

Ele franziu a testa e continuou a comer.

-Eu acho que não. -Falou rindo.

O sinal tocou e lembrei que precisava falar com a coordenadora sobre a Cassie.

-Preciso ir, August! Me desculpa, lembrei que tinha um compromisso. -Falei levantando.

-Sem problemas! Foi bom te conhecer. -Falou com o tom de voz alto.

Sai em disparada até a diretoria e dei de cara com James, minha maior vontade era voar no pescocinho dele.
Fechei a cara e sai esbarrando.

-Qual é a tua, garota? -Falou com ar de deboche.

Apenas ignorei e continuei a andar pelos intermináveis corredores. Eu só conseguia sentir nojo dele, não consigo acreditar que beijei esse idiota.
Bati na porta da diretoria e logo vi Lisa, sim, a mesma menina que me apresentou a escola quando cheguei.

-Lariesce! Como vai? Gostando da escola? -Falou me abraçando.

Dei um sorriso.
Por fora sorrindo e por dentro querendo sair correndo.

-Tudo bem! Estou me adaptando. -Falei.

Logo a senhorita Hollie me chamou.

-Preciso ir! Beijo. -Falei entrando ás pressas.

A sala dela cheirava a incenso e pra piorar sou alérgica.

-Bom, Cassie está se recuperando e me explicou tudo o que aconteceu. -Falou.

Queria explodir de alegria, finalmente tudo iria se resolver.

-Você pode buscar ela hoje ás 15:30, ajudar ela á andar e monitorar qualquer alteração. Enquanto ao James, vamos tomar medidas drásticas. -Falou encarando uns papéis.

Estava feliz demais, queria dar um beijo na senhorita Hollie. Finalmente aquele imbecil vai ter o que merece, pelo menos eu acredito que vá.

-Está liberada. Não se meta em encrenca, Lariesce. -Falou com o tom de voz alterado.

Dei um sorriso de lado e fui correndo até o dormitório. Não conseguia parar de sorrir, minha ansiedade estava á mil.
Decidi terminar uns exercícios e aguardei dar o horário.

00

15:23 PM

Fiz um coque no cabelo e fui andando até a enfermaria. Vi August saindo da aula de desenho, e ele lembrou meu nome, é um bom começo. Estava sorrindo de orelha á orelha, mal podia esperar pra ver Cass.
Peguei uma ficha e fiquei esperando ela sair.
Eu tenho ansiedade, não consigo me concentrar em absolutamente nada quando tenho algo de importante pra fazer.
Logo vi Cass vindo acompanhada de uma enfermeira. Seu rosto ainda estava um pouquinho inchado e com alguns pequenos curativos.
Acho que ela não tinha me visto, seu olhar parecia vago. Levantei e acenei.
Cass sorriu e eu amoleci. Eu não fazia ideia do que estava sentindo e nem no que essa garota estava me causando.
Sorri de volta e a abracei.

-Aaaaa que bom que você tá bem. -Falei sorrindo.

Cass me encarava e seus olhos não paravam de brilhar.

-Só quero voltar a fazer merda. Vamos logo. -Falou rindo.

A enfermeira nos comeu com os olhos.

-Brincadeira, Joan. -Falou rindo.

Logo fomos liberadas e fomos direto pro dormitório.

-Que saudade disso aqui. Pena que estou horrível. -Falou rindo.

Dei um sorriso.

-E tem como você ficar feia? -Perguntei rindo.

Cass sorriu.
Notei que James estava saindo furioso da sala da diretora Hollie. Só faltava sair fogo pelo nariz.
Ele provavelmente deve ser expulso.

-Acho que tem alguém nervosinho. -Falou.

Cocei a cabeça.

-Mentiroso e babaca. -Falei suspirando.

Cass arregalou os olhos.

-Nem acredito que vou deitar na minha caminha. -Falou abrindo a porta.

Cass olhou tudo muito surpresa, mal sabe ela o trabalho que tive pra organizar tudo.

-VOCÊ ARRUMOU? Eu te odeioooo. -Falou rindo.

Dei uma gargalhada.

-Seja mais delicada. Demorei um ano! -Falei rindo.

Cass se jogou na cama e logo começou a farejar algo nos lençóis dela.

-Você deitou na minha cama? -Falou me encarando desconfiada.

Eu estava morrendo de vergonha, talvez não tenha motivo, mas me sinto uma idiota.

-Deitei. -Falei sentando na minha cama, de frente pra ela.

Cass deu um sorriso malicioso.

-Não precisa ficar com vergonha, tá tudo bem. O bom é que vai ficar com teu cheiro. -Falou levantando.

Fiquei surpresa e meu rosto estava quente de tanta vergonha.

-E isso é bom? -Perguntei rindo.

Estava rindo de nervoso. (só pra deixar claro)

Cass só se aproximava mais.

-É, mas não é melhor que isso. -Falou me beijando.

Meu coração estava pulando, não acreditava no que estava acontecendo. Continuei á beija-la, e estava completamente sem jeito.
Cass se afastou e sorriu.
Não conseguia dizer uma palavra se quer.

-Tá tudo bem? -Falou sentando novamente.

Recuperei o fôlego e arrumei meu cabelo.

-Claro. -Falei rindo.

A única música que me vinha na cabeça era “I kissed girl”, estava no meio de uma crise. Que beijo bom! Eu não sei que rumo as coisas estão tomando, mas sei que não me arrependo de absolutamente nada. Cass me fazia sentir coisas que nunca havia sentido. O fato dela ser uma garota me assusta um pouco, mas estou preocupada demais com o que estou sentindo, que todas as outras coisas estão sendo ignoradas.

00


Beijos da Mila! Até a próximo capitulo!
Gratidão!

10 comentários em “Fanfic: Colega de Quarto – Rommate. (Part.6)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s