Um Nu no Corredor – Capitulo 14 – Série Os Freitas

Capitulo 14

Conrado

Logo depois de deixar as meninas no trabalho, direcionei para o meu trabalho. Assim que entrei no prédio, dou de cara com Isabela, que beleza! Meu dia começou tão bem. Ela disse assim que me viu:

-Bom dia meu amor. – A voz doce dela me fez lembrar tantas coisas, mas também o motivo para não estarmos mais juntos, ela sorriu e eu respondi:

-Bom dia! – Seco, curto e grosso, ela engoliu em seco, mas não perdeu a pose, seguimos em silêncio até o elevador. Quando chegou no meu andar, eu sai a deixando para trás, quando deu meu horário de almoço, peguei meu celular e uns papéis que tenho que revisar, as chaves do carro e saí, antes de ir almoçar passei em uma papelaria para fazer algumas xérox. Chegando no restaurante da minha tia, Bom Apetite, que é um dos melhores da região, encontro Violeta e Liza discutindo com Isabela??? Como assim elas estão discutindo? E parece que está ficando feia a situação, Violeta está totalmente descontrolada, sei que a conheço a dois dias, mas ela passava uma calma tão grande, o que será que Isabela fez para deixa-la com tanta raiva? Liza está tendo dificuldade de segurá-la. Me aproximei de minha tia perguntando:

-Tia o que está acontecendo?

-Ô meu sobrinho! Por favor aparta essa briga, tira essa moça mais baixa daqui ela está muito alterada – disse meio desesperada, respondi rapidamente:

-Ok – disse já me aproximando de Violeta dizendo:

-Violeta? Vem comigo. – Ela me olhou, havia ódio em seu olhar, parece que ela se alterou mais e gritando disse:

-EU NÃO VOU SAIR DAQUI ATÉ DAR NA CARA DESSA MOCRÉIA NOGENTA RACISTA – então era isso, Isabela deve ter falado alguma coisa para Liza, por causa da sua pela negra, ela é linda, mas logicamente que Isabela não vê isso.

-Violeta, não vale a pena, eu garanto, conheço essa aí há muito tempo – disse tentando acalmá-la e pegando em seu ombro – Vamos embora.

-É, Violeta, não liga para o que essa mulher disse sobre mim – Liza tentou argumentar, mas violeta está mesmo muito brava.

-NÃO LIGAR? LIZA, ELA TE CHAMOU DE EMPREGADA, MACACA, SUJA. EU NÃO VOU PERMITIR ISSO, JAMAIS!

-Ela é mesma, uma preta suja! – Isabela diz o que faz meu sangue ferver fazendo com que eu gritasse com ela:

-CALA A BOCA ISABELA! VOCÊ DEVERIA IR PRESA POR ISSO. ISSO É CRIME!

-Ah! Vai defender essa aí agora? Faça-me o favor, né.

-Agora você me paga desgraçada – dizendo isso, Violeta pulou no cabelo de Isabela, batendo e puxando seu cabelo com toda a força, eu apesar de estar gostando da cena, me aproximei e peguei a Violeta pela cintura a colocando no ombro dando tchau para minha tia, pegando minhas coisas e saindo, Liza veio logo atrás de nós. Violeta ficou gritando e se debatendo:

-Me põe no chão, que eu vou quebrar a cara daquela mulherzinha.

Depois de andar um pouco a coloquei no chão de frente para mim, ela ainda estava muito brava e seus olhos faiscavam de raiva.

-Quer um café? – Perguntei para ela, já vendo sua expressão mudar para mais calma:

-Sim, obrigada- disse já mais calma. Eu apontei para um café não muito longe dali e seguimos para lá. Quando chegamos, sentei-me a sua frente e Liza do nosso lado, então eu perguntei:

-O que aconteceu? Você estava muito alterada.

Ela deu um longo suspiro e disse:

-Desde que eu e Liza nos conhecemos e muito antes disso, ela sofria muito bullying por causa de sua cor, quando nos conhecemos ficamos muito próximas e sempre que alguém a humilhava, eu virava o bicho, defendia-a com unhas e dentes. Não é agora que vou muda por causa de uma loira metida a besta.

-Entendo- respondi.

Depois de algum tempo conversando, levei-as para o trabalho e voltei para o meu. O dia passou rápido e prometi para a Violeta que iria vê-la assim que chegasse do trabalho. Nesse momento estava dirigindo de volta para casa pensando nela, quando cheguei, abri a porta do meu ap, entrei e coloquei as coisas na bancada, tomei um banho relaxante, vesti um moletom, uma regata e fui ao ap da Violeta e bati a porta.

TAG: Minha Faculdade por Um pouco de cada Mundo.

OiOi gente, tudo bom?

Estranhou a introdução? Calma, eu não sequestrei a Mila haha.
Deixa eu me apresentar corretamente, né? Eu sou a Rebeca, autora do blog Um Pouco De Cada Mundo e troquei de lugar com a Milena durante um dia, ou seja, aqui terá um post respondendo uma TAG sobre o meu curso da faculdade e nesse link aqui www.umpoucodecadamundo.com.br terá o da Mila sobre o curso dela!

Então, bora lá!

*Readaptei a TAG


1- Qual seu curso de graduação?

Comunicação Social- Publicidade e Propaganda

2- Quantos períodos ele tem? E em qual você está?

Ele possui oito semestres e eu estou no primeiro! (caloura mesmo)

3- Porque você escolheu esse curso?

Eu sempre quis muito fazer jornalismo, porém vendo a situação no mercado de trabalho e também pesquisando mais sobre o curso, eu vi que na publicidade eu teria mais opções de atuação que eu me identificava, pois a área é enorme!

4- Antes de escolher esse curso você pesquisou sobre o mercado de trabalho e o piso salarial?

Sim! Isso é até uma dica para quando você estiver decidindo sobre o curso, para você ter uma real noção e não se frustrar com as expectativas falsas

5- Como foi seu primeiro dia de aula? Tem dicas para os calouros?

Não tive essa experiência porque entrei depois de um mês e meio que já tinha começado, já que eu entrei pela lista de espera do ProUni!

6- Sobre seu TCC, já começou a fazer? Qual tema pretende abordar?

Quero nem pensar nisso, como já dizia Jesus, para seu dia já basta seus próprios males hahaha

7- Você se considera uma boa aluna (o)?

Sim! Sempre me esforço bastante para atingir meus objetivos

8- Você esta 100% satisfeita com o curso que escolheu?

Como só tem um mês que estou no curso não tenho como falar com muita propriedade… mas por enquanto estou gostando!

9- O seu curso tem algum material especifico que não tem em outros cursos? (ex: estetoscópio e calculadora cientifica.)

No primeiro semestre geralmente os cursos só trabalham com matérias teóricas, porém já tive a oportunidade de entrar em estúdios onde há câmeras de filmagem, cenários, iluminação profissional, onde vamos usar lá pelo 4°/5° semestre!

10- Seu curso tem muita matemática?

Até agora nada de matemática, mas nos próximos semestres acredito que terei algo com porcentagem…

11- Geralmente nas faculdades existem o “ciclo natural de desistência” a turma começa com 70 alunos e permanecem só 20. Isso aconteceu na sua faculdade?

Mesmo estando no 1° semestre, ouvi dizer que muitas pessoas já desistiram ou trocaram de campus/horário. Na minha sala hoje há 70 pessoas mais ou menos

Aqui está uma foto sobre minha grade de aulas para quem ficou curioso para saber quais matérias estou tendo!

Então foi isso pessoal, espero que vocês tenham gostado essa nossa colab, foi um prazer participar desse blog que admiro e escrever com essa mulher de grande talento! 💓 Não esqueça de conferir a versão da Mila no www.umpoucodecadamundo.com.br 💓

Siga nas redes sociais:
F: Um Pouco de Cada Mundo
📷: @umpoucodecadamundoblog
𝗣:rhttps://br.pinterest.com/rebecamorais01/

Um Nu no Corredor – Capitulo 13 – Serie Os Freitas

Capitulo 13

Violeta

Acordo com o despertador tocando, me estico e o desligo, me espreguicei e me levantei, já me alongando e indo abrir a janela, a maioria das pessoas não gostam muito de acordar cedo, mas eu realmente adoro, o prazer de acordar cedo e sentir a brisa da manhã, dá uma sensação de paz acordar, abrir a janela e ver a luz do sol, admito que houve dias que não acordei bem, mas sempre fiz o possível para estar o melhor possível. Assim que me troquei fui fazer o café, que bom que não tenho que acordar a Liza, ela acorda sozinha e não demora tanto para se arrumar, pelo menos para o trabalho não, mas quando é para sair demora horas; assim que terminei o café ela entra na cozinha dizendo:

– Bom dia! Dormiu bem miga?

– Melhor do que nunca. E você?

– Aí… dormi tão bem, tive um sonhou muito louco.

– Ai, ai, você e seus sonhos- sorri alto e continuei- Conta como foi? – Ela se aproximou, pegou uma xícara e colocou café misturando com leite e Nescau, sempre com seus costumes estranhos, e começou dizendo:

-Então… sonhei com você e o bonitão – disse se referindo ao nosso vizinho – No sonho você batia nele e ele te agarrava e lascava um beijo mui loco em ti – ela começou a gargalhar e eu também, eu me recuperando disse:

– Você é louca, né? Só pode. Para ter esses sonhos loucos – disse gargalhando de novo.

-Você mais do que ninguém sabe como meus sonhos são. – Ela disse um pouco mais seria agora. – Sabe que na maioria das vezes meus sonhos são reais, você é a prova disso. Lembra que eu sonhei com a nossa amizade?

É verdade, ela sonhou três dias antes da gente se conhecer, que eu esbarrava nela e começávamos uma briga e depois riamos de tudo, louco não? Mas acredite ou não, foi exatamente o que aconteceu.

– Tá, mas e aquela vez que você sonhou com a professora? Não aconteceu.

-Ninguém provou nada, é diferente – ela se defendeu.

-Tá bom, só estou dizendo que pode não ser, entendeu? Você sabe que pode errar às vezes também.

– Eu sei, mas quais são as probabilidades?

-Beleza! Vamos parar de brigar e vamos trabalhar, que já estamos quase atrasadas.

-Ok vamos. – Disse terminando seu café e indo pegar a sua bolsa, e eu fiz o mesmo. Assim que abrimos a porta, Liza foi na minha frente, assim que saio dou de cara com o vizinho, que me olha com um sorriso lindo, retribuo o sorriso virando para a porta e a trancando, ele disse:

-Bom dia Violeta, aliás, são seus olhos mesmo ou lente? – Era normal ouvir essa pergunta, já que meus olhos são um dos mais raros do mundo, voltando de meus pensamentos respondo:

-Bom dia. Sim, são meus olhos mesmo- risos.

-Nossa, são muito lindos, combina muito com você- disse dando uma piscadinha para mim, eu sorri nervosamente. Liza pigarreia e só aí lembro que ela está ali também e disse:

-Essa é Liza, minha melhor amiga – ela estica o braço, e ele a cumprimenta com o mesmo sorriso de sempre dizendo:

-Prazer, eu sou o Conrado – ela sorri e diz para mim:

-Violeta temos que ir, já está na hora.

-Sim, claro, vamos. É, temos mesmo que ir, até mais – dizendo isso, ele disse:

-É também tenho que ir, vocês querem carona? Eu estou de carro.

-Sim! – Liza nem esperou e disse, e eu a cortei:

-Não, não precisa – Liza me olhou com uma cara e disse voltando a sorrir para Conrado:

-Sim, nós aceitamos a sua carona – ele abriu um sorriso lindo e disse:

-Vamos?

Nós apenas seguimos para o elevador e descemos em silêncio, assim que chegamos no estacionamento do prédio ele caminhou até um Jeep Renegade, não acredito que ele tem o carro dos meus sonhos? Ele o destravou, e eu fiquei quieta, mas a Liza tinha que abrir o bico:

-Nossa! Não é o carro dos seus sonhos? – Obrigada mesmo Liza, Conrado então olhou para mim e sorriu dizendo:

-Você gosta?

-Sim, sonho em comprar esse carro a anos, mas até agora não deu muito certo. – Sorri, ele ficou quieto, ainda bem. Depois que entramos e Liza fez questão que eu me sentasse ao lado dele, ele ligou e seguimos em silêncio, e ele perguntou:

-Qual faculdade vocês fazem?

-Designer de interiores – eu disse e ele respondeu:
– Interessante.

Depois disso continuamos sem nada dizer.

Um Nu no Corredor – Capitulo 12 – Série Os Freitas

Capitulo 12

Conrado

Depois de me despedir fui direto para meu apartamento, assim que entrei em casa meu celular começou a tocar dessa vez era o Caleb, atendi e ele logo disse:

-Fala aí cara. Diz aí, onde você estava ontem? A gente abriu a porta e você não estava mais lá.

-É né, vocês me deixaram para fora da minha própria casa.

-Foi mal cara, a gente só estava te zoando, mas diz aí, onde tu estava.

-Estava na vizinha, ela me ajudou, já que né.

-Na vizinha?! Hmmmmmm, te ajudou, sei. Ela deve ter é colocado você na cama dela, isso sim. – Falou dando gargalhadas do outro lado da linha.

-Não, não, nada disso. Ela só me emprestou uma toalha, já que graças a nossa aposta eu estava sem nada.

-Hmmmm sei. Mas diz aí, ela é gata? -Não pude conter um sorriso quando ele perguntou dela.

-Ela é muito gata.

-Tô vendo que já ta querendo pegar ela né?

-Não, cara ela é minha vizinha.

-Tão ta né, se que sabe – depois de mais alguns minutos conversando com ele, desligo e fui dar uma volta, quando voltei já estava de noitinha então resolvi tomar um banho, preparei algo para comer e logo depois fui me deitar.

Fanfic: Colega de Quarto. (Part.9)

Silêncio. (Capítulo 9)

00

Me corpo estremeceu, fiquei imóvel. Não conseguia olhar pra trás, pois sei que se olhasse, não conseguiria seguir. Cassie acelerou o passo e me abraçou por trás. Fechei os olhos e desabei, me virei e ficamos bem perto uma da outra, senti sua respiração bem de perto, vi suas pupilas dilatarem e conseguia ouvir seu coração bater acelerado.

-Eu nem acredito que está aqui. -Falou ofegante.

Fiquei em silêncio e a beijei. Meu corpo inteiro se arrepiou, senti algo que eu nunca havia sentido antes. A empurrei pra porta e a tranquei, continuamos a nos beijar, nossos corpos se uniram, como um só. Cass beijava meu pescoço e ao mesmo tempo desabotoava minha blusa, seus lábios percorriam por todo o meu corpo. Nos deitamos e por um momento não acreditei no que estava fazendo, fiquei insegura.

-Fiz algo errado? -Perguntou.

A beijei e ela ficou em cima de mim, tirei seu sutiã e beijei lentamente seus seios, pude sentir seu corpo arrepiar. Ficamos alguns minutos sentadas, entrelaçadas, em silêncio, sentindo o corpo uma da outra.

-Você é linda, Lariesce. -Sussurrou.

Continuamos a nos beijar, suas mãos deslizavam sob o meu corpo, que ao chegar no quadril, subiam rapidamente, como se ela não estivesse segura do que estava prestes a fazer. A encarei e ela abaixou minha saia, devagar, delicadamente. Estava morrendo de vergonha, mas eu não queria parar. Queria aproveitar a Cass ao máximo, pois provavelmente eu irei mudar novamente. Ela subiu e me beijou, lentamente. Foi beijando meu pescoço, meus seios, minha barriga e cintura. Meu corpo dançava nos seus lábios.

00

[…]

Acordei grudada em Cass, com seus olhos castanhos me decifrando e um leve sorriso torto. Senti minhas bochechas ficarem quentes, estava morrendo de vergonha. Levantei e me cobri. Senti seu olhar nas minhas costas.

-Você fica linda dormindo. -Falou sorrindo.

-Imagino. -Falei rindo.

Cass deu risada.

-Suas roupas estão ali. -Falou apontando pra cômoda.

Queria me enfiar em um buraco e não sair mais. Fiz um coque no cabelo e sentei, estava só de roupas íntimas. Ao sentar ouvi a porta bater insistentemente. Cass levantou rapidamente e abotoou sua camisa.

-Lariesce, abra essa porta, precisamos ir. -Falou batendo.

Coloquei minhas roupas e ajeitei o lençol.

-Ir pra onde? -Perguntou.

Fiquei nervosa e sem saber o que fazer.

-Eu vou te explicar. -Falei.

Abri a porta e dei de cara com meus pais e a Lisa, a mesma menina que me apresentou o internato.

-Onde você se meteu? Ficamos iguais loucos te procurando. -Falou. -Suas coisas estão na recepção. -Falou saindo.

-Lariesce, me explica isso, por favor. -Falou puxando meu braço.

Lisa ficou nos encarando.

-Não contou pra sua colega de quarto? -Perguntou. -A Lari infelizmente foi tirada do internato após aquele ocorrido. -Falou num fôlego só.

Cass me olhou com lágrimas nos olhos, seus olhos demonstravam o tamanho da frustração que ela estava sentindo. Comecei a chorar em seguida.

-Eu ia te contar, mas tudo aconteceu rápido demais. -Falei aos prantos. -Eu não quero ir, eu não quero. -Falei desesperada.

Cass ficou perplexa, sem saber o que fazer. Peguei suas mãos e a encarei.

-Tive uma ideia. -Falou.

Por um momento notei que Lisa ainda aguardava no lado de fora do quarto.

-Lisa? Diga a eles que ela já vai. Só vamos nos despedir do pessoal. -Falou sorrindo.

Fiquei sem entender, muitas coisas se passavam pela minha cabeça, mas não tinha noção do que Cass iria fazer.

-Coloca algumas coisas nessa mochila. -Falou.

-Vamos fugir? -Perguntei assustada.

Cass continuou a arrumar e eu só continuei a acompanhá-la. Pegamos algumas coisas e saímos correndo pelo corredor, que por um milagre estava vazio. Tudo parecia conspirar ao nosso favor.

-Eu sei uma saída. -Falou entrando em um quarto de limpeza.

Aquele lugar fedia a mofo.

-Como você sabe desse lugar? -Perguntei nervosa.

-Só me segue. -Falou.

Entramos em uma portinha, que dava pro lado de fora do internato. Estava muito nervosa e assustada, não sabia o que estava fazendo, eu não tive tempo pra pensar, talvez isso tenha sido bom, caso contrário estaria indo embora novamente.
Cass sabia várias passagens, agora eu sei porque ela sumia de vez em quando.

-Vem, toma cuidado, está tendo ginástica logo ali. -Falou abaixando atrás de um arbusto.

Estava tremendo e pensando seriamente em abandonar tudo. Um lado me dizia pra voltar e tentar convencer todo mundo e o outro só me fazia querer acompanhar ela.

-Lari? Vamos! -Falou levantando.

Me perdi em meus pensamentos e por um momento percebi que precisava decidir se iria. Fiquei parada, pensando em tudo e nas consequências, Cass me olhava sem entender e fazia um sinal com uma das mãos.

-Lari? Está esperando o que? -Gritou.

Olhei pros lados e decidi ir, não iria mudar a decisão dos meus pais.
Corri até Cass e subimos em uma grade, atrás do internato.

-Vem, segura na minha mão. -Falou estendendo o braço.

Quando estava prestes a sair, notei que Augusts me observava de longe. O encarei de volta e tentei balbuciar algumas palavras.

“Eu preciso fazer isso. Não vou demorar.”

August fez que sim com a cabeça e eu terminei de pular a grade. Eu não estava acreditando no que estava fazendo e acho que nem Cassie estava muito confiante.

-Para onde vamos? -Perguntei.

Cass ficou em silêncio. Estava tremendo, assustada e receosa.

-Cassie! -Aumentei o tom voz.

Cass parou e me encarou.

-Lari, dá pra esperar? Estou tentado
pensar. -Falou com o tom de voz elevado.

Fiquei assustada e um medo me cobriu por inteira.
Cassie ficou uns minutos em silêncio, estávamos na entrada de uma pequena floresta, a mesma que eu podia ver do nosso quarto. Por um momento me deu vontade de voltar, aquilo tinha muita chance de dar errado.

-Lariesce? Você tem algum dinheiro? -Perguntou.

Revirei meus bolsos e minha mochila, tinha 20 dólares e um chiclete de menta.

-Só tenho isso. -Falei.

Cass riu.

-Eu tenho 35 dólares, dá pra pegar um ônibus. -Falou.

Estava tentando descobrir onde Cass queria nos levar.

-Para onde vamos? -Perguntei.

Cass continuou a andar e me respondeu num tom de voz baixo, gaguejando um pouco.

-Pra Austin. -Falou.

Fiquei receosa, mas eu tomei essa decisão e agora tenho que ser madura o suficiente pra enfrentar, sem reclamar.

-Vamos ficar na casa da minha prima Marie. -Falou.

Pelo menos temos um destino, porém, Austin fica um pouco longe de Houston e temos só 55 dólares, é muita loucura.

-E o dinheiro vai dar? -Perguntei.

Cass parecia tranquila e o semblante confuso que ela estava tinha desaparecido. Confesso que me tranquilizou.

-Acredito que sim, duas passagens devem ser menos de 20 dólares. -Falou. -O terminal é logo ali. -Falou.

O terminal parecia abandonado, mas pelo incrível que pareça tinha um homem trabalhando. Aquele lugar estava caindo aos pedaços.

-Oi, bom dia! Quanto tá a passagem pra Austin? -Perguntou.

Fiquei calculando a distância e não tinha passagem de ônibus pra Austin, só de avião.
O homem deu uma gargalhada estrondeante.

-O que foi? -Cass perguntou nervosa.

O homem fechou a cara e puxou um pequeno mapa do Texas.

-Estamos nesse ponto aqui, Austin é aquele ponto ali. Não tem ônibus que leve até lá. -Falou.

Fiquei quieta, pois eu sabia que não teria. Tomei a frente e decidi pedir informações.

-E como fazemos pra chegar até lá? -Perguntei.

Tudo ficou em silêncio e o homem nos olhou desconfiado.

-Olha… Porque querem ir pra lá? -Perguntou.

Cass fechou a cara.

-Não é da sua conta. -Falou.

O homem fechou a cara e guardou o mapa.

-Muito bem, sem informação pra vocês. -Falou.

Fiquei aborrecida e cutuquei Cass.

-Senhor… me desculpa. Queremos encontrar nossa mãe, problemas de família. Por favor, tem como me dizer? -Perguntei.

O homem suspirou e colocou o mapa na mesa novamente.

-Bom, vocês vão pegar um ônibus aqui e ir até a última parada. Lá tem o aeroporto, que fica um pouco distante do terminal, ai vocês pegam uma carona, ou outro ônibus. -Falou.

Cass havia saído e estava me esperando do lado de fora. Agradeci e ainda ganhei o mapa. Ser simpática as vezes tem seus benefícios.

-Quanto é a passagem? -Perguntei.

-12 dólares, cada. -Falou.

Peguei o dinheiro e não pensei duas vezes. Saí e Cass estava emburrada.

-Olha! Temos tudo direitinho, deu 24 dólares tudo. -Falei.

Cass olhou e riu.

-Você fica linda animadinha. -Falou me dando um beijo.

Logo ouvi um berro.

-Ei! Vocês não eram irmãs?! -Gritou.

O ônibus chegou e em seguida entramos. O homem ficou do lado de fora pedindo pra parar o ônibus.

-Cara, que trouxa. -Falei rindo.

Cass sorriu e senti seus dedos entrelaçarem nos meus.
Estava com medo, mas sentia que tinha feito o certo. Essa é a maior aventura da minha vida.

00

18:30 PM

Após quase quatro horas de viagem, finalmente chegamos. Estava faminta, mas, tínhamos que arrumar dinheiro pra passagem de avião ainda.
Cass mordeu uma barra de cereal e me deu a metade.

-Estou exausta. -Falou.

Fiquei sentada, encarando o chão e percebi que estávamos de uniforme.

-Precisamos tirar isso, se vierem nos procurar, a primeira coisa que eles vão dizer é que estamos de uniforme. -Falei.

Cass riu.

-Acha que alguém vem me procurar? -Perguntou.

Fiquei em silêncio. Cass revirou a bolsa e pegou um maço de cigarros, colocou um entre os dentes e o acendeu.

-Se eles vierem, é por causa de você. -Falou dando um trago.

Fiquei incomodada e notei que Cass estava aborrecida com alguma coisa.

-O que você tem? -Perguntei.

-Estou cansada, Lariesce. De tudo, de todos. Ninguém tá aí pra mim. -Falou com tom de voz alto.

Fiquei em silêncio e fechei a cara.

-Aconteceu aquele monte de merda comigo também e ninguém se quer ligou pra saber se eu estava bem. -Falou.

-Você não pode me culpar por isso. Você acha que meus pais são maravilhosos porque vão a escola decidir minha vida? -Perguntei.

Cass suspirou.

-Eles NUNCA me deram atenção e muito menos se preocuparam com o que eu pensava. Me mudei doze vezes e sempre fui criada por babás. -Gritei.

As pessoas nos encaram e cochichavam entre si.

-Acho que não estamos aqui pra discutir quem tem a pior vida. -Falou.

Ficamos em silêncio por algum tempo.

-Então para de agir como se eu fosse a mimadinha e você fosse uma fodida que ninguém liga. Eu ligo pra você, eu ligo tanto que decidi largar minha vida pra te seguir. -Falei.

Cass apagou o cigarro e levantou.

-Temos que ir. -Falou séria.

Levantei e continuamos a andar.

00

Passaram-se algumas horas e já não sabíamos o que fazer.

-Vamos ter que pedir carona. -Falou. -Não temos dinheiro suficiente pra um ônibus. -Falou.

Amarrei o cabelo e coloquei uma blusa de frio.

-E muito menos grana pra passagem de avião. -Falei.

Cass me olhou aborrecida.

-Então é isso? Vamos ficar presas nessa merda de terminal sujo? -Perguntou.

Fui até a rodovia e fiz sinal para alguns carros. Ninguém parava, estava começando a desistir, até que um carro preto parou. O vidro abaixou lentamente e era uma mulher loira com uma menina, aparentava ter uns doze anos.

-Querem ir pra onde? -Perguntou.

-Pro aeroporto. -Falei.

A mulher pensou e destravou as portas.

-Pode entrar. -Falou.

Ficamos receosas e apertamos a mão uma da outra, porém decidimos entrar.
O carro todo ficou em silêncio, até que a mulher puxou assunto.

-O que duas meninas tão novas fazem a essa hora em um terminal? Estão perdidas? -Perguntou.

Cass cochilava no meu ombro.

-Nos perdemos dos nossos amigos, agora precisamos voltar pra Austin. -Falei.

A filha dela colocou o som no volume máximo.

-Amber que falta de educação. -Falou desligando.

Cass acordou no susto.

-Tá tudo bem? -Falou grogue.

Fiz carinho no cabelo dela e a coloquei pra descansar novamente.

-Se quiserem passar uma noite lá em casa. Moro próximo ao aeroporto. -Falou sorrindo.

-Não, mãe! -Amber gritou.

Fiquei constrangida.

-Não precisa, a gente se vira. Obrigada. -Falei agradecendo.

-Eu insisto! Vamos! -Insistiu.

Pensando bem, era arriscado aceitar algo de uma estranha, porém, estávamos famintas e precisando de um banho. Acordei Cass e expliquei a proposta.

-É muito arriscado. -Sussurrou.

Fomos interrompidas pela mulher.

-Meninas, estamos bem perto da minha casa. Tem certeza que não querem? Eu não vou matar vocês. -Falou rindo.

Nos encaramos e decidimos aceitar, com um pé atrás.

-Meu nome é Carlie. -Falou.

Ela estacionou o carro e saímos. Ela morava num casarão.
Entramos e a primeira coisa que fizemos foi agradecer.

-Meninas, o quarto de visitas é lá em cima. Tem toalhas e algumas coisas pra vocês tomarem banho. -Falou apontando.

A filha dela saiu ás pressas e se jogou no sofá.

Subimos e quase nos perdemos nos corredores daquela casa. Entramos e fechamos a porta. Sentei na cama e fiquei em silêncio, só pensando no que estava acontecendo. Cass sentou do meu lado e arrumou meu cabelo.

Cass levantou e foi pro banheiro, tirei minhas roupas e vesti um roupão que estava atrás da porta.
Decidi ir até ela, o banheiro estava bem quentinho, o espelho todo embaçado. Abri a porta e fiquei observando ela tomar banho. Cada curva, cada movimento.
Cass se virou e se cobriu com as mãos. Abri o vidro e abaixei meu roupão. E novamente estávamos juntas.

00


Olá meus amores eu sei que demorei pra postar a continuação, ando nunca correria e meio perdida pra conciliar o blog e a faculdade, mas como eu sempre disse: eu sempre estou por aqui. E as meninas também estão postando, então acompanhe muito elas, mas se preparam também porque estou organizando uns posts pra essa semana.

Obrigada por todo carinho, pelos acessos, pela paciência comigo, eu sou muito grata a vocês, por tudo.

Beijos da Mila, até a próxima!

Gratidão!

5 Filmes pra assistir na Netflix.

1 – Quem você Levaria para uma Ilha Deserta?

Sinopse

Na última noite juntos, as vidas de quatro colegas de apartamento de longa data mudam repentinamente quando um segredo é revelado durante uma celebração.

Eu adorei esse filme, é uma mistura de comédia e drama, de origem espanhola. Esse filme é um filme que eu não queria que acabasse nunca, queria ficar lá, assistindo mais sobre a vida de cada um dos personagens, o roteirista e o diretor Jota Linares, me surpreendeu pra caralho. O filme ao mesmo tempo entrega muita coisa sobre os personagens e ao mesmo tempo não te entrega nada, você fica lá com teorias sobre as cenas e os personagens.

Conseguiu fazer eu mergulhar na história do filme, durante o longa-metragem tem vários quebras cabeças da história, que você vai descobrindo no decorrer da cena e o final? Puta que pariu… Só lhe deixa com mais curiosidade sobre os personagens.

O filme foi feito pra te deixar curioso e não responder nenhuma resposta sua.

Além da história ser muito boa, os atores estão incríveis. Com participação especial dos nossos queridinhoz Jaime Lorente e María Pedraza, os atores queridos de Elite e Lá Casa de Papel. Eu vou ficar quieta, senão vou entregar todos os detalhes do filme… Só assista, que vale a pena!

(Obs: Irei fazer uma crítica desde filme, me aguardem).


2 – Alguém Especial

Sinopse:
Depois de passar por um término devastador, a jornalista musical Jenny (Gina Rodriguez) resolve fazer uma longa viagem por Nova York com suas melhores amigas. Pretendendo fazer desta uma noite inesquecível, elas acabam aprendendo muito mais do que imaginavam e vivem alguns dos momentos mais importantes de suas vidas.

A Netflix arrasou nesse longa-metragem, sinceramente, é um filme cheio de empoderamento da mulher.

As personagens tem carreiras incríveis, demostram um amor próprio sensacional e ainda mostra o verdadeiro significado da amizade e de como superar um término.

Eu amei os flash back que tinha no decorrer do filme. Eu dei altas risadas e também me emocionei e o principal: eu me indeentifiquei com cada uma das personagens e conseguia lembrar das minhas melhores amigas.

Eu não vou falar muito, senão começo a exagerar e entregar mais sobre o filme.

Obs: Eu também pretendo fazer uma crítica sobre o filme.


3 – Dumplin”

dumplin-3cf1f02355d28301cce9ffa92e0e4759-1200x600

Sinopse

Willowdean Dickson (Danielle Macdonald), é uma jovem acima do peso e bastante confiante com o próprio corpo, apesar de não ter o respeito de sua mãe, uma ex-miss (Jennifer Aniston). Quando se apaixona pelo atleta Bo (Luke Benward) e começa a ter inseguranças. Will decide entrar num concurso de beleza como forma de protesto.

willowdean-dumplin

Eu não sei explicar o quanto esse filme mexeu comigo, estou chorando só de ler a sinopse. Will é uma personagem incrível, empoderada, forte, sensível, o que ela tem sensível, ela tem de durona, cada cena que aparece ela, te transborda.

MV5BMzM2Yzc1ZmQtYzBkYS00NjlkLTliY2MtOTg1ZWZjYjQzNWJmXkEyXkFqcGdeQW1yb3NzZXI@._V1_CR271,0,4652,2617_AL_UY268_CR27,0,477,268_AL_

Não posso deixar de enaltecer a maravilhosa da Jennifer Aniston, ela ficou maravilhosa em cada cena, eu realmente sou muto baba ovo dela, nunca consigo achar ela ruim, não tem um filme que eu não goste, ela é muito deusa mesmo.

dumplin-texas-estados-unidos-filme

Uma cena que mexeu muito comigo, são as amigas que a Will faz no decorrer do filme, cada uma delas deixa uma marca no filme, como se todas as personagens tivessem voz pra quebrar os padrões da sociedade.

dumplin-millie

Eu queria poder falar mais sobre o filme, mas eu não sei falar muito sem entregar muito, então aguardem a crítica.


4 – Como Superar um Fora

maxresdefault-21

Sinopse:

Quando uma solitária publicitária sofre mais uma desilusão amorosa, ela decide que precisa desabafar sobre as coisas que ocorrem em sua vida, por mais que tenha vergonha de mostrar seus sentimentos a outras pessoas. Para driblar esse impedimento, ela cria um blog e escreve lá todos os anseios da vida de uma mulher solteira de meia-idade, mas se surpreende com o sucesso que atinge.

Destacada_comosuperarumfora

Eu não preciso nem dizer, o quanto eu morri de rir com esse filme, o mais incrível é que eu assisti junto com a minha melhor amiga, através de um aplicativo que dá pra assistir a distância, junto com quem você quiser. (eu vou deixar as informações do aplicativo no final do post.

asd

O filme literalmente mostra como é estar na fossa depois de um fora ou de ser rejeitada por alguém, eu me identifiquei com cada cena da personagem, alias, ultimamente eu to bem na fossa mesmo.


5 – O Plano Imperfeito

4928346

Sinopse:

Harper (Zoey Deutch) e Charlie (Glen Powell) trabalham como assistentes para dois executivos em Manhattan. O temperamento e a dinâmica de seus chefes transformam suas vidas em um verdadeiro inferno. Desesperados e exaustos, os dois jovens se juntam para elaborar um plano um tanto quanto ousado: fazer com que os seus superiores se apaixonem e, dessa forma, fiquem mais tranquilos em relação ao trabalho.

o-plano-imperfeito-netflix

Eu me apaixonei por essa dupla, Harper e Charlie, com certeza é meu shipper favorito desde do começo do filme. Eles são engraçados, tem uma ideias malucas e também os altos e baixos entre eles, tudo que amamos em um filme de comédia romântica, e o que mais tem nesse filme é comédia.

ad5fec430737958519bd23e8a0380a7f38df843d

Eu não preciso nem dizer pra vocês o quanto a Lucy Liu, está maravilhosa. Pra quem não lembra dela, ela fez o filme As Panteras e Elementary.
Eu dei risada em todas as cenas, assista que vale a pena.


Minhas Luas, essa semana sai outras lista com + 5 filmes pra vocês assistirem, eu estou lotada de filmes que eu assisti e fique de postar, então eu vou postando as listas na semana e prometo tentar postar uma critica de filme por semana.

Antes de encerrar o post, eu vou deixar aqui em baixo o print do aplicativo, pra vocês assistirem os filmes que querem, mesmo que a pessoa amada ou seu amigo amado, esteja longe.

Rave – Netflix e YouTube com amigos.

2019-04-22-15-51-491788374070.png

Obrigada por estarem acompanhando o blog, eu sou muito grata a cada acesso de vocês. Eu espero que tenham gostado da lista surpresa de filmes.

Beijinhos da Mila!
Gratidão!

Garoto de Olhos Dourados

Uma pirueta, duas piruetas, três piruetas, quatro piruet… girei demais

Texto por Bailarina: https://napontadospes693885424.wordpress.com/

****

Você despretensioso estava sentando, todo de preto com um sorriso de lado em uma van semi vazia.

Mal sabia eu que tinha perdido uma guerra, com seus olhos dourados e boca inteligente me conquistou imediatamente.

E eu como tola cair no encanto do sapo que não virou príncipe que ainda por cima vai levar o que sobrou do meu coração junto.

Ah, Anjo de olhos dourados onde errei contigo? Ainda sinto seu toque em mim, porém, não é mais o mesmo.

Garoto de olhos dourados seja menos traiçoeiro.

Um Nu no Corredor – Capitulo 11 – Série Os Freitas

Capitulo 11

Violeta

Sai as presas daquele apartamento, entrando no meu, Liza estava enrolada na toalha e seu cabelo estava pingando, tinha acabado de sair do banho e me olhou com uma cara estranha, não era para menos eu entrei como um furacão no ap e ainda me encostei na porta de costas para a mesma, Liza então perguntou:

-Menina, o que aconteceu? Tá fugindo do saci? – Disse começando a rir, olhou para minhas mãos e perguntou- Ué? Cadê a sua toalha? Ele não devolveu? -Foi depois disso que olhei para minhas mãos, onde está a toalha que deveria estar aqui? No mesmo momento bateram na porta e eu bati a minha mão na testa e pensei `putz é ele´, bateram de novo e eu sai de trás da porta e abri, lá estava ele, com a toalha nas mãos e ainda com um sorriso sarcástico no rosto, e eu sorri como quem diz `que merda´ e ele disse com ironia:

-Acho que você esqueceu alguma coisa – e levantou a mão mostrando a toalha para mim.

-Ah – sorri sem graça e ele disse ainda sorrindo:

-Pegue. – Peguei a toalha de suas mãos dizendo:

-Muito obrigada, devo ter deixado cair enquanto… conversávamos – sorriu novamente para mim claramente mostrando o quanto eu estou envergonhada e nervosa, ele disse sorrindo de novo:

-Não tem de que moça – ele olhou-me com um olhar penetrante e continuou- Não sei o seu nome. – Ele deu um sorriso lindo e eu disse:

-Meu nome é… Violeta – ele abriu um sorriso maior ainda e disse:

-O meu é Conrado, muito prazer Violeta – estende a mão para mim, e eu a pego, ele vira minha mão e beija as costas da mesma, me deixando corada na mesma hora, sorrio para ele que continua – Tenho que ir agora, não quero atrapalhar as senhoritas, espero te ver novamente Violeta – ouvi-lo dizer meu nome, me fez arrepiar por inteira, assim que disse isso ele se retirou deixando-nos sozinhas, depois que fechei a porta Liza disse:

-Eu vou me trocar e a senhorita vai me contar tintim por tintim – e saiu para o quarto dela, depois que ela voltou contei o que aconteceu no apartamento dele e ela ficou de queixo caído só ouvindo, quando terminei ela disse:

-Ah danada, você já está de olho no vizinho gato? Rápida você em mocinha – e caiu na gargalhada e eu olhei para ela e comecei a rir também dizendo:

-Claro que não sua boba, ele é nosso vizinho.

-Você por acaso viu o sorriso que ele lhe deu? Ele deve estar gamado já. – Eu sorri irônica e disse:

-Quando é com você, você nem nota, mas quando é comigo é a primeira que vê, bonito para a sua cara né? Ele não está não sua boba, ele só foi gentil e grato pela minha ajuda e compreensão por não ter chamado a polícia – disse convencida de que o que a Liza diz não era verdade, não é possível isso acontecer, eu sempre me dou muito mal nesse tipo de coisa, até que chegou o dia que eu parei de ficar correndo atrás e decidi cuidar da minha vida. Mais tarde, depois de tudo que aconteceu, eu e Liza fomos para casa dos pais dela jantar. Já que era aniversário de casamento deles, nós não ficamos lá por muito tempo, por causa do trabalho. Lá pelas 23:40 resolvemos voltar para casa, porque já estava tarde, chegamos e nos arrumamos para deitar.

Apenas Um Jogo

TEXTO POR BAILARINA; https://napontadospes693885424.wordpress.com/

Heu meus Bailarinos de plantão minha sapatilha de ponta disse que tem um texto incrível pra vocês.

****

Deixe de ser babaca

E ficar jogando com duas

Peças ao mesmo tempo, isso

É xadrez.

Evite roubar da vida,

Você é a Rainha, proteja

Seu castelo e descarte

O Rei.

Se for pra lidar com

Babacas, faça isso com seus peões.

Não seja tola e pule fora antes

Que tenha que dá seu coração à

Bruxa Má, que é as inconstâncias da

Vida.

Não se iluda, você é apenas

Mais uma peça no seu próprio jogo,

Garota tola seus medos vai te achar.

Monte guarda, proteja seu

Reino, proteja seu coração, você está a um passo do

Abismo.

Um Nu no Corredor – Capitulo 10 – Série Os Freitas

Capitulo 10

Conrado

Acordei com uma ressaca terrível depois das 11 horas, levantei fiz um café forte para tirar o resto do efeito do álcool da noite anterior, me lembro vagamente do que aconteceu ontem, lembro de uma moça bonita e de eu estar pelado, mais tarde eu ligo para o Rick para ele me explicar o que aconteceu ontem. Depois de preparar algo para comer me sentei no sofá e fiquei assistindo tv, logo o sono me bateu novamente e acabei cochilando no sofá, acordei com alguém batendo na porta, depois de me localizar e sentir uma dor horrível no pescoço, ah! Que beleza! Agora estou com torcicolo por dormir no sofá, levantei e fui atender a porta, pensando em quem poderia ser, assim que abri me deparei com belos olhos violetas, olhei para o resto de seu corpo e que corpo! Para Conrado você nem a conhece, mas quer, para, já deu consciência, quando olhei para ela de novo e me lembrei de tudo, ela me ajudou ontem quando eu estava batendo na porta sem roupas, do lado de fora, bêbado, quando ela viu que eu estava encarando-a começou dizendo:

-Oi… não sei se você se lembra de mim, mas ontem você estava meio bêbado e bem… sem roupa alguma do lado de fora do seu apartamento, então  me pediu uma toalha emprestada e bem… tenho que sair mais tarde e preciso tomar um banho antes e preciso da toalha de volta – ela fez uma cara sem graça e então eu lembrei que fiquei com a toalha dela, quando viu que eu não respondia ela começou a morder seu lábio inferior, o que a deixou tão sexy, lembrei que ainda estava a encarando e voltei para Terra dizendo:

-Ah! Claro, pode entrar vou pegar já – dei passagem para ela, ela entrou e eu fui direto para meu quarto procurar a toalha da moça, quando cheguei lá não lembrava de como era a toalha, voltei para sala e perguntei:

-É… moça – dei um leve sorriso e continuei- Qual é a cor da sua toalha? É que eu não lembro bem – sorri um pouco mais e ela sorriu de volta dizendo:

-Azul – ela diz ainda sorrindo.

-Ah sim, já eu volto, só um minuto – disse voltando para o quarto procurando uma toalha azul, não achei nada, fui até o banheiro, assim que entrei vi uma toalha pendurada, azul com detalhes em prata, peguei-a e voltei para a sala sorrindo, quando entrei na sala ela estava olhando minhas fotos na estante, amo fotografias e faço isso nas minhas horas vagas, e ela parecia encantada e muito distraída, porque nem me viu entrando na sala e quando me viu tomou um susto dizendo:

-Aí me desculpa, não devia mexer nas suas coisas- disse envergonhada, eu apenas sorri e disse:

-Não se preocupe, quase ninguém vem aqui então é bom ver que alguém gostou das minhas fotos – ela arregala os olhos surpresa e pergunta:

-Foi você quem tirou todas elas? -Sorrio alto e concordo com a cabeça, ela fica com uma cara de surpresa e continua –Nossa! São muito lindas, sempre quis aprender, mas nunca tive muito tempo – fala meio triste então ela olha para as minhas mãos, estendi a mão para que ela pudesse pegar a toalha, sorri e comecei a dizer:

-Muito obrigado por emprestar sua toalha, acabei entrando numa saia justa por causa de uns amigos – sorri lembrando deles, e ela me olhou dizendo:

-Não tem de que, bom tenho que ir agora, Liza deve estar me esperando já, bem… obrigada e tchau – quando ela ia andando em direção a porta não sei o que deu em mim, que não queria deixá-la ir, então segurei seu braço fazendo-a voltar para trás e bater contra meu corpo, como ela é bem menor que eu, olhei para baixo, e ela para cima envergonhada, não sabia o que dizer então falei a primeira coisa que veio a minha mente:

-Não tem o que agradecer moça – ela corou na mesma hora e falou rápido tropeçando nas próprias palavras:

-Ah…… me desculpa, tenho que ir, tchau- e saiu as presas, eu apenas sorri bobo ao ver sua reação diante do que eu havia feito, ela não esperava por aquilo. Quando eu já ia me virando vi a toalha jogada no chão, comecei a rir, peguei-a do chão e abri a porta saindo e batendo na porta da minha mais nova vizinha.