Você vem?

No alto daquele prédio eu vi a vida passar, eu vi o por do sol e o nascer dele também, eu tive tanto tempo para pensar no que queria fazer com a minha vida, então eu peguei minhas coisas, era a última vez que iria ver aquela vista, eu me despedi, agradeci por tudo e fui embora, sem olhar para o que deixei, já estava feito e não tinha como mudar.

Eu confesso que senti muito medo de seguir, como ia ser agora sem você aqui? Mas não dava mais, não do jeito que estava, não com toda aquela dor envolvida e era tanta coisa ao mesmo tempo que eu estava ficando atordoada, eu precisava respirar e aprender com aquela dor.

As semanas passaram, a vida foi seguindo e não foi nenhum monstro, então você resolve voltar, bagunçando a casa que eu estava começando a arrumar, nenhuma visita bagunçou, mas você já se sente tão em casa que acha que nada mudou, mas mudou e como mudou, nós não somos mais os mesmo, eu senti o misto de sentimentos com aquele abraço, ele ainda me transmite paz, ainda me confortava, mas também me causa dor, medo e sinto que a qualquer momento pode me dilacerar de novo.

Eu me lembro das outras, todas vazias com seus copos em mãos, sem saber muito bem o que fazer para chamar mais atenção, eu também me lembro de uma delas no seu colo e você quase sem reação com a situação, me lembro de passar e realmente não me importar, aquela noite não passou de mais uma fútil tentativa de fugir do peso da culpa, e não era eu quem sentia.

Então, eu deveria te aceitar? Não, porém aqui estou eu pedindo para ficar só mais um pouco, eu não sei se estou fazendo o certo, eu posso me arrepender por te deixar entrar de novo, e de novo e mais algumas vezes, mas também não vou esperar que fique, talvez eu acordei amanhã e resolva mudar de casa, não vai fazer muita diferença já que tu é meu lar, mas eu preciso aprender que sou meu próprio lar.

Não posso parar minha vida, ficar neste impasse de vai ou fica, eu posso estar aqui amanhã quando você chegar, mas também posso ter ido para outro lugar, o fato é que não estou mais a disposição, eu percebi isso quando sumiu no dia que eu precisava, não tem essa de dois podem jogar esse jogo, eu não faço questão de sumir, nem dar o troco, eu não recebi a mais para devolver algo.

O fato é que o amor ainda existe, mas será mesmo que ele pode superar todas as coisas e dar um jeito? Essa história de se encontrar depois com outra visão nem sempre acontece. Tá na hora de parar, eu tenho tanto para viver e sonhar ainda, se você não vem comigo, eu vou seguir sozinha e ser a minha melhor companhia, minha melhor versão, por mais que eu ainda esteja acreditando em nós e tentando resolver as coisas, também quero me resolver e tudo bem se tiver que ser sem você.

Uma hora ou outra a gente supera tudo, não é fato de tudo ficar mais leve com você que vai me fazer cair, eu posso aprender tanto com essa dor, perder você vai ser como tirar uma boa parte minha, pode levar o tempo que for, mas a parte volta, ninguém fica refém de ninguém para sempre, nenhuma mágoa é eterna, a dor vai embora e às vezes damos a sorte de não sobrar nem saudades.

É só uma questão de saber esperar, eu não estou com pressa e também não estou pedindo para ter, estou seguindo e se quiser, pode me acompanhar.

Manaaaas, que saudades, queria pedir perdão por ter sumido, perdi uma pessoa muito importante, mas ganhei um anjo a mais, por conta dos últimos acontecimentos tive que me afastar, mas espero não precisar mais!

Com amor: Abibi e sua galáxia 💙

Resenha #3 – Livro: Meu Jeito Certo de Fazer Tudo Errado.

Olá minhas Luas, tudo bem com vocês? Mas que saudades de falar sobre livros com vocês, hoje eu trouxe uma resenha, de um livro que me deixou maluca, só de ler o titulo do livro, eu já consigo ver todos os personagens claramente na minha frente, ops cabeça. Eu me apaixonei por esse infanto-juvenil.

Antes de começar a resenha, eu vou deixar o link dos posts de livros, que eu já postei no blog, assim vocês podem dar uma olhadinha.

Post 1: Livros que eu Li em 2018.
Post 2: Livros do mês de Junho (2018)

Resenhas de Livros:

Resenha #1 – LIVRO: TODAS AS COISAS BELAS.
Resenha #2 LIVRO: ONDE MORA O CORAÇÃO.


Título: Meu Jeito Certo de Fazer Tudo Errado
Autor: Klara Castanho e Luiza Trigo
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 384
Ano de Publicação: 2017
Onde comprar: Amazon, AmericanasSaraiva.

Sinopse: 
Em 2014, na Bienal do Livro de São Paulo, Klara Castanho foi pedir um autógrafo para Luiza Trigo, que estava lançando seu novo livro. Desse encontro nasceu uma amizade. Um ano depois, inquieta e cheia de ideias, Klara pediu ajuda de Luiza com o conteúdo de um programa jovem de entrevistas que planejava fazer na internet, baseado no que via no dia a dia. Depois de trabalhar um pouco no que Klara havia escrito, Luiza sugeriu: “Que tal pegarmos esses textos e transformarmos em um livro?”. Klara adorou. Assim surgiu a história de Giovanna, uma garota que acaba de se mudar com a família para São Paulo e que, de quebra, precisa encarar os dilemas da adolescência. Obedecer sempre aos pais controladores ou se aventurar em busca de independência? Ignorar suas convicções para andar com o grupinho popular do colégio, ou isolar-se com a amiga tímida e solitária? Viver um grande amor e perder o amigo, ou contentar-se com a friendzone? O resultado disso tudo são situações e personagens coloridos e autênticos, já que suas dúvidas, erros e acertos foram inspirados nas vivências das próprias autoras. E isso mostra um pouco do motivo pelo qual elas compartilham a paixão pela leitura: com ficção podemos exprimir grandes verdades.

Meu Jeito Certo de Fazer Tudo Errado

O livro é encantador, as paginas são cheias de ilustrações, o livro tem 375 paginas, que eu devorei em uma semana, o livro é cheio de detalhes, tem playlist, tem um look (de Nanna), ilustrado em cada capítulo, alguns capítulos tem uns balões das mensagens trocadas, lista de músicas da personagen
Eu vou deixar aqui em baixo, as imagens do livro, com todos esses detalhes.

Eu amei o começo do livro, logo no inicio da história, já podemos ver a Giovanna, bem irritada com seus pais, já que eles decidiram mudar para São Paulo, ou seja decidiram o rumo da sua vida, sem ao menos querer saber o que ela achava de tudo isso, logo de cara já percebemos que ela gosta de ser chamada de Nanna, que ela é uma garota cheia de sonhos, cheia de medos, descolada, que ama música e louca por moda. Contanto, que no livro tem varias fotos de looks que ela vai usando durante a história.

Ao mesmo tempo que Nanna é uma garota que mostra um pouco de rebeldia, ela também é muito carismática, cheia de empatia e amorosa e se preocupa com todos a sua volta. Ela também tenta não quebrar regras, evita o máximo, pra não ter problemas com o seus pais, mas nem sempre é possível. (Eu vou deixar a primeira pagina do livro).

Nanna, tem todos os conflitos que uma adolescente normal poderia ter, é exatamente por isso que é um livro leve e simples de ler, faz com que muitos adolescentes se identificam, sabemos com essa fase é difícil, cheia de opções, temos uma grande intensidade em descobrir o mundo, assim como Nanna.

Além dela, tem outros personagens, que fazem a história ficar bem interessante, bem clichê, mas interessante. No decorrer da história, Nanna vai pra uma escola nova, ele se esforça em fazer novas amizades e acaba conseguindo, mas como todo clichê, Nanna se apaixonada por Miguel, o garoto mais popular, que faz parte do grupinho mais popular da escola, que são Manu – eu sei que a Nanna é a personagem principal, mas a Manu, é uma garota malvada e sem limites, toda cena que Manu aparece, ela literalmente rouba toda a cena pra ela, tudo que eu adoro, além de Miguel e Manu, o grupo ainda tem a Vitoria, Lia e o Lucas.

Os populares que fazem diversas coisas, que não são consideradas muito legais, ela acaba se influenciando demais pelo grupo dos populares e se tornando algo que ela não é, começa fazer coisas que ela não costuma fazer, como matar aula, mentir para os seus pais ou fumar um cigarro.

Durante a história, ela começa a ter noção das coisas que ela anda fazendo, das decisões que ela toma, começa a querer entender o que é certo ou errado para ela. Nanna, pode ser bem confusa em relação aos sentimentos, ao que ela quer, é uma menina que é influenciada muto fácil, mas no fundo ela sabe exatamente o que ela quer.

Eu vou finalizar a resenha por aqui, pois já estou querendo contar toda a história do livro pra vocês. Eu só queria indicar esse livro, porque achei a história muito importante, assim como Nanna, muitos adolescentes ainda estão procurando entende o que é certo ou errado, procurando entender qual é o seu papel no mundo e o livro mostra basicamente isso, que tem como lidar com os perrengues da vida.


Bom, fazia um tempo que eu não escrevia uma resenha pra vocês, eu fiz de uma forma simples, pra não entregar muito a história, eu estou lendo muitas resenhas pra começar melhorar as minhas, e mas eu sou bem doidinha e acabo quebrando o padrão, sei lá, eu gosto de fazer do meu jeitinho maluquinho, espero que vocês também! 🖤

Eu espero que tenha gostado, semana que vem… vem mais resenhas por aí!

Beijinhos da Mila!
Gratidão!

Um Nu no Corredor – Capitulo 18 – Série Os Freitas

Capitulo 18

Conrado

Realmente não esperava receber visitas, ainda mais os pais da Violeta, quando eles saíram deixando-me a sós com ela não pude evitar e me virei olhando em seus olhos, começando a ficar sem jeito e comecei:

– Sobre ontem – ela me olhou nos olhos logo depois tirou o olhar e virou a cabeça e eu continuei- Desculpe, nós nem nos conhecemos e eu fiz aquilo – ela me interrompeu e disse:

– Não tem por que, nós somos amigos, bom quase isso, mas nós temos uma relação boa, não tem razão de interrompermos essa relação por causa de um beijo.

– É, se você diz – não demorou muito e já estávamos conversando normalmente e seus pais entraram novamente com um menino de cabelos claros e disse:

– Oi, Polly, você não tem que ir trabalhar?

– Tenho sim, mas hoje vou poder ir mais tarde.

– Polly? – Perguntei ainda sem entender.

– É meu apelido, como eu sou baixinha, meus amigos e familiares me chamam de Polly, por causa da boneca Polly.

– Ah sim, entendi, bom meus queridos visitantes, o almoço está pronto.

– Nossa! O cheiro está uma delícia.

– Por favor, sentem-se e fiquem à vontade.

Nós nos sentamos e comemos conversando e rindo, os pais dela são muito gente boa e nos divertimos muito. Quando terminamos eu disse que iria lavar a louça e Violeta fez questão de ajudar, logo depois os pais dela tiveram que ir embora, por que tinham um outro compromisso, eu e ela ficamos sozinhos rindo e conversando:

– Ah!!! Mais é claro que o filme Ela Dança Eu Danço foi um ótimo filme, o problema é que eles foram afastando os personagens originais – Violeta está tão animada e relaxada, que me dá uma vontade louca de agarrá-la e beijá-la muito, mas me seguro, não quero estragar nossa amizade e continuou:

– Sim de fato, mas os outros filmes foram muito bons também – eu já tinha terminado de lavar e ela está secando uma vasilha.

– Sim, sim, nisso eu tenho que concordar, onde vai isso? – Ela perguntou se referindo a vasilha que acabou de secar e eu apontei para uma portinha que é alta e disse:

– Ali – e ela foi até lá e nas pontas dos pés tentou guardar a vasilha e eu rindo da cena me aproximei e fiquei bem perto dela peguei a vasilha de suas mãos e guardei, coloquei a mão em sua cintura, senti que ela arrepiou toda, cheguei perto de seu pescoço e disse baixinho em seu ouvido:

– Você fica linda tentando alcançar algo na pontinha dos pés – Nisso ela se arrepiou mais ainda, não pude me segurar, peguei em sua cintura virando-a de frente para mim e colocando-a no balcão, comecei a beijá-la intensamente e para minha surpresa ela retribuía, enlaçou suas pernas na minha cintura me beijando como se não houvesse amanhã, nós só paramos, por falta de fôlego, olhei nos belos olhos violetas e disse:

– Não sei o que deu em mim, quando você está por perto não sei o que acontece comigo. Desculpa.

– Não precisa se desculpar, não entendo o porquê, mas você não sai da minha mente. Espera! Que horas são? – Olho para o relógio e digo:

– 14:35 – ela arregalou os olhos e foi descendo do balcão e disse:

– Tenho que ir, minha nossa, está muito tarde, Matt vai querer me matar – ela corre, fui atrás dela, pego minha camiseta, visto, pego minhas coisas e a chave do carro e digo:

– Vamos, eu te levo – ela foi até o ap dela, pegou suas coisas e saímos do prédio. Assim que chegamos ao trabalho dela, saiu correndo e disse que me veria. Logo depois fui para o meu trabalho, não dei nem três passos e o Bruno já estava gritando comigo, por eu ter me atrasado, eu apenas disse:

– Calma Bruno, eu já adiantei bem os projetos, só falta você aprovar, depois já podemos começar a comprar os materiais e contratar os operários – disse calmamente, ele então respondeu:

– Está bem, mas avise quando for se atrasar, Isabela está te procurando.

– E o que ela quer?

– Vou saber?

– Ok, onde ela está?

– Na sala dela, onde mais estaria?

Revirei os olhos e não disse nada apenas fui para o andar superior onde fica a sala dela, bati duas vezes na porta e aquela voz macia disse:

– Pode entrar – entrei a vi sentada mexendo em alguns papéis, quando me viu deixou-os sobre a mesa e me olhou nos olhos, achei que iria tremer na base, mas foi como olhar para qualquer outra pessoa. Ela apontou a cadeira a sua frente, sentei e comecei:

– Bruno me disse que estava me procurando, o que deseja?

– Estava sim, só quero saber se você tem uma acompanhante para a festa que estou preparando?

– Sim – “mentira´´ Pensei, mas é claro que eu não ia dizer a verdade, bom é só meia mentira, pois já estou pensando em chamar a Violeta, continuei – E como vai ser a festa?

– Estou pensando em algo mais descontraído, nada muito formal, um coquetel, como o projeto será executado no Brasil pensei em algo mais brasileiro. O que você acha?

– É ótimo, bem se era só isso, tenho que ir agora, com licença.

– Toda – me levanto e saio da sala.

Como vou chamar a Violeta para ir nessa festa? E se ela disser, não? Ferrou para o meu lado. O resto da tarde passou bem calma até, quando deu meu horário fui embora.