Um Nu no Corredor – Capitulo 22 – Série Os Freitas

Capitulo 22

Conrado

Quando vi aquele homem segurando a minha pequena, meu sangue ferveu, tentei manter a calma, falei com ele com educação e quando ele a chamou daquele nome, não pude me conter, depois de toda a confusão fomos comer e ficamos conversando, depois de um tempo voltamos para o trabalho, estava com um sorriso enorme no rosto e quando me sentei à mesa Lilian se aproximou dizendo:

– Parece que alguém está feliz demais para apenas uma semana – Ela me deu aquela olhada de sabida e eu disse:

– Conheci uma moça, ela é linda, incrível, fofa, ela é completa – finalizei com um brilho no olhar e Lilian notou e disse sorridente se sentando na cadeira a minha frente:

– Não acredito que você está apaixonado, qual o nome dela?

– Violeta – disse sorrindo e ela continuou:

– Que lindo nome! Onde a conheceu?

– Ela é minha nova vizinha.

– Ah sim, agora entendo o porquê de tanta felicidade, você vai trazê-la à festa, não vai?

– Sim, já a convidei e ela aceitou – sorri bobo e continuei – Vai ser na semana que vem, ela contou que quer fazer um coquetel? Não é má ideia de fato, vão vir outros brasileiros com eles, acredito que irão gostar.

– Sim também acho, bem eu vou indo, Freitas, se sua acompanhante precisar de qualquer coisa, me chame, sabe que eu gosto de ajudar – ela deu uma piscadela e saiu. A tarde foi bem calma, quando deu minha hora peguei minhas coisas e sai, cheguei no estacionamento e vi Isabela escorada no meu carro com seu vestido vermelho, muito colado e me olhava com um olhar de predadora, parecia que estar preste a pular na caça, que no caso era eu, apenas peguei as chaves do bolso para abrir o carro e ir embora, mas ela entrou na frente e colocou a mão sobre meu peito dizendo:

– Por que tanta pressa, coisa gostosa? – Me olhava de cima a baixo, ela se aproximou e tentou me beijar, mas virei o rosto e ela me olhou indignada.

– Com licença? Estou cansado e preciso ir para casa – ela me olhou maliciosamente e foi logo se impondo.

– Deixa que eu te relaxo – disse ficando atrás de mim e beijando meu pescoço, afastei-a de mim e abri a porta do carro, entrei, fechei, liguei o motor e saí dali deixando-a sozinha, cheguei em casa e depositei os objetos em cima do balcão e me sentei no sofá tentando relaxar um pouco, peguei o controle do rádio e liguei , assim que os primeiros acordes de Hotel Califórnia entrou pelos meus ouvidos, uma paz se apossou do meu ser, com o rádio ligado mesmo fui para o banheiro tomar um banho, quando voltei estava tocando Torneró, fui até a geladeira, peguei um suco de manga com laranja, parece estranho, mas por incrível que pareça é muito bom, voltei ao sofá, depois de um tempo ouvindo música, sinto o celular vibrar, verifico assustado a quantidade absurda de mensagens, penso, como não ouvi o celular vibrar tanto? Pois bem, desbloqueei o aparelho e fui lendo, havia mensagens da Tatá, do Rick, do Caleb, do trabalho, da Lilian dizendo que comprou um vestido que faria Marcos pirar e finalmente da Isabela dizendo que está com saudades, respondi a todos e quando chegou na de Caleb me surpreendi com que estava escrito, li e reli seu texto.

Conrado on

Caleb – Conrado, acho q to apaixonado.

Conrado – Nossa, mano. Quem é a deusa grega? Pq para vc se apaixonar não pode ser humana kkkkkk.

Caleb – Ela é linda, morena e muito engraçada.

Conrado – Que bom, mano. Espero que dessa vez você não machuque essa moça.

Caleb – Não, não, ela é diferente, dessa vez acho que é sério, ela é incrível.

Conrado – Espero que sim, estou torcendo por vc.

Caleb – Vlw, irmão.

Depois mais um tempo conversando fui descansar, apaguei. A semana passou rápido e já era sexta feira,  Isabela estava insuportável, não largou do meu pé um só minuto, contei para minha pequena como Isabela não me deixou em paz e ela disse que não seguraria a língua se fosse agredida verbalmente por ela, eu e ela não nos desgrudamos a semana toda, nós estamos bem próximos, mas depois do nosso último beijo, não tocamos mais no assunto e nem nos beijamos mais, tenho feito o possível para me segurar, agora mesmo ela está tagarelando sobre alguma coisa, sentada ao meu lado no sofá dela e Liza saiu com um cara misterioso, ela não quer nos dizer quem é, mas disse que iria nos apresentar logo e que era um cara que conheceu no trabalho. Violeta me cutucou, eu levei um susto e ela aproveitou para brincar:

– Oi? Tem alguém aí? Terra chamando Conrado – começou a rir de mim, eu também ri, segurei suas mãos e comecei a fazer cosquinha nela que começou a gargalhar e perdeu um pouco o ar.

– Aí – risos – Para Conrado – mais risos – Por favor – e risos, ela não parava de rir e eu parei de fazer cócegas nela que tentou se recompor ainda rindo, olhou-me com os olhos cheio de lágrimas de tanto rir, comecei a rir do seu rosto e cabelo.