Conto Erótico: Me descobri Bissexual.(Part.6)

Olá minhas Luas, como vocês estão? Eu vi que amaram a Part. 5 do conto.
E finalmente, já saiu outra continuação do Conto Erótico: Me descobri Bissexual.

Pra quem ainda não leu o conto, eu vou deixar aqui em baixo a parte até a Part. 5, é só clicar no nome e abre direto pra uma nova guia.

Part. 1:Conto Erótico: Me descobri Bissexual.
Part. 2:Conto Erótico: Me descobri Bissexual.
Part. 3:Conto Erótico: Me descobri Bissexual.
Part. 4:Conto Erótico: Me descobri Bissexual.
Part. 5:Conto Erótico: Me descobri Bissexual.

Isso é um conto fictício, lésbico e erótico! Então não é aconselhável para menores de 16 anos.

Boa Leitura!

CONTO ERÓTICO: ME DESCOBRI BISSEXUAL
PART. 6

A Júlia ficou nos encarando.

_Então, quer dizer que vocês começaram a brincadeira sem mim? Eu espero que tenha espaço pra mais uma… Hora da diversão!

Quando ela disse essas palavras, o meu corpo inteiro ficou arrepiado, pra ajudar veio um vento forte da porta do corredor, que ainda estava aberta.

Eu não sabia se ficava mais nervosa por ela ter chegando logo depois que eu e o Lorenzo transamos ou se era porque eu ia fazer um menage. (sexo a três).

Ela continuava me encarado, ela sorria pra mim e mordia os lábios, ela estava me desejando e me provocando ao mesmo tempo.

O Lorenzo só nos observava, sem dizer nenhuma palavra, mas o silêncio não durou por muito tempo, a Julia resolveu fechar a porta e começou a falar. – Preciso nem dizer que meu coração saiu pela boca, só de ouvir a voz dela.

_Eu já disse, vamos começar a diversão? – Ela dizia sem parar de olhar pra nos dois.

_Que tipo de diversão você tem em mente? – Eu disse mordendo os meus lábios. O Lorenzo, só ficava nos olhando.

_Primeiro, eu vou acender o meu cigarro, segundo, vamos colocar uma música. Depois, eu vou bolar um baseado. Vocês já fumaram, não é? – Ela ficou nos olhando, esperando uma resposta.

_Nem olha pra mim, nunca nem cheguei perto disso, mas confesso que tenho uma curiosidade. – A Júlia nem disfarçou o seu sorriso quando eu disse que tinha uma certa curiosidade.

_Eu já fumei algumas vezes por aí… – Eu nem sabia que o Lorenzo já tinha fumado, ele nem gostava do cheiro do cigarro da Júlia.

Ela ficou nos olhando, deu um sorriso, tirou a mochila das costas, colocou em cima da mesa, que exatamente a mesa que eu tinha acabado de transar com o Lorenzo.

Ela abriu a mochila e começou a tirar umas roupas da mochila, tirou um treco comprimido e transparente, parecida de vidro, que com certeza devia ser pra fumar maconha, ela tirou um estojo da bolsa, era todo preto e cheio de caveiras.

_Júlia, o que é esse treco comprido, azul e transparente? – Eu estava curiosa e queria que ela falasse comigo.

_Eu não acredito que você não sabe o que é isto… Lorenzo, você pelo menos sabe o que é?

_Claro que eu sei, isso é um Bong. Antes que você me pergunte, eu já dei umas bongadas com uns amigos meus. – O Lorenzo, só tem cara de bobo, porque de bobo não tem nada.

_Hmmm… E você sabe bolar? – A Julia, não tirava os olhos do Lorenzo, enquanto falava com ele, ela sempre mordia os lábios, isso me deixava mais louca ainda, pra ficar com os dois.

_Obvio que eu sei! – O Lorenzo, sempre tem que sorrir com esse sorrisinho de lado…

_Pra quem fumou só com os amigos, ta sabendo muito… Você não acha Júlia? – Lorenzo acha que me engana, eu sei que ele fuma maconha, tenho certeza!

A Júlia ficava nos encarando, ficava olhando especialmente pra mim, deve ser porque eu ainda estou de toalha.

_Lorenzo, enquanto eu vou tomar um banho, junto com a Bruna, você bola três baseados, coloca uma música maneira, que já voltamos. Eu preciso tirar esse suor do meu corpo e você já brincou um pouco com a Bruna, agora é a minha vez.

Eu fiquei vermelha, o Lorenzo deu um sorriso de lado e mordeu os lábios e logo depois a Júlia me puxou pro banheiro. Eu não acredito que estava indo tomar outro banho e muito menos que ia ser junto com a Júlia.

_ Liga o chuveiro, enquanto eu tiro a minha roupa. – A Júlia me deixou mais vermelha do que eu estava.

Eu abri o box do banheiro, estiquei a mão e liguei o chuveiro e já entrei pra de baixo da água.

Enquanto a água escorria pelo meu corpo, eu observava a Júlia terminando de tirar o tênis. Ela estava de lingerie preta, estava sexy.

O problema é que ela acabou percebendo que eu estava olhando pra ela e mandou um beijo e piscou e já começou a mover os lábios para falar.

_Então, você gosta de me observar? – Eu fiquei vermelha na hora.

_Eu não gosto. Eu amo. – Eu dei um sorrisinho de lado.

_Interessante. – Ela se abaixou, pegou a calça no chão e pegou seu celular no bolso da sua calça jeans preta.

Ela virou pra mim, deu um sorriso e começou a procurar uma música no seu celular.

Ela colocou a música e fechou a tampa do vaso e colocou o celular em cima e começou a dançar.

Eu estava olhando pra ela, tentando reconhecer a música, que tinha um ritmo envolvente, foi quando percebi que era a música Shakira com a Rihanna.

Ela jogou o quadril levemente para o lado enquanto movia os braços e os lábios no mesmo ritmo, e como se não se contenta-se desceu o corpo quicando e fiquei hipnotizada, principalmente quando seus seios balançaram a alguns metros de mim, minha vontade era de colocar um na boca e sugar enquanto sentia o calor dela em mim.

_ Gosta do que vê?

_ Muito.

E subiu e empinou o corpo enquanto passava as mãos por entre suas coxas e subia em direção ao seios.

_ Então vem aqui me ajudar a tirar o que sobrou da roupa?

_ Ajudar?

_ Ou prefere que eu chame o Lorenzo.

A maldita da Júlia mordeu os lábios e fez menção de ir em direção a porta e em questão de segundos eu estava atrás dela com uma das mãos na calcinha preta rendada enquanto a outra parou no meio das suas costas.

_Parece que alguém não está sendo sincera.

_ Quieta Júlia.

_ Achei que nós três íamos brincar juntos…

_Mas é claro que vamos, mas por enquanto, podia ser apenas você e eu, não é?

Ela nem me respondeu, só mordeu os lábios e me empurrou pra de baixo do chuveiro, eu sentia água molhar os nossos corpos, eu fiquei tão nervosa.
Eu queria ela só pra mim, pelo menos naquele momento eu a queria só pra mim.

Começamos as e beijar loucamente, ela começou a passar a mão pelo meu corpo, os toques das suas mãos me deixou arrepiada, eu coloquei a mão em seus cabelos molhados da água do chuveiro, ela me empurrou no box do banheiro, o vidro fez um barulho enorme, o Lorenzo deve ter escutado.

Ela beijava a minha boca, depois começou a beijar o meu pescoço e começou a descer para os meus peitos, o vapor da água combinava com o calor dos nossos corpos, combinava com o fogo que sentíamos uma pela outra, eu não queria sair dos seus braços nunca mais.

A Júlia foi se abaixando mais e mais e sempre beijando o meu corpo, até chegar a minha vagina. Ela parou e começou a me olhar.

_Hmm… é isso que você quer, não é? Shiiu! Diz nada, tá na sua cara…

Ela me deixa louca, ela parou de falar, subiu até a minha boca e começou a me beijar e pegar nos meus seios, me empurrou para a parede e desceu novamente para a minha vagina, ela abriu as minhas pernas e começou a me chupar.

Eu fui nas alturas, ela me deixa maluca e agora estava bem de baixo de mim, me deixando mais louca do que deixava no corredores do nosso curso.

Alias, eu não sei quem me deixa mais maluca… a Júlia ou o Lorenzo, fiquei pensando nos dois e acabei gozando, mais rápido do que eu imaginava.

A Júlia parou e subiu beijando meu corpo, até chegar na minha boca…

_Acho que já podemos ir… O Lorenzo, deve estar doido, do outro lado da porta, tentando escutar o que estamos fazendo… Por mas que eu ache, que ele mereça passar vontade, já que ele provou você, por muito mais tempo que eu. – A Júlia me deixa confusa quando fala desse jeito, será que ela tem ciumes do Lorenzo? Cê bem, que eu teria, já que o meu rolo com o Lorenzo é bem, antigo.

_Hora, hora, hora.. Temos alguém com ciumes?

_Hora, hora, hora… Temos alguém viajando na maionese. É obvio que eu não tenho ciumes, eu tenho inveja do quanto ele te tem. Afinal, a história de vocês é bem longa… – É, ELA TEM CIUMES!

_Pode chamar de inveja, eu deixo. –

Eu disse isso e comecei a dar uma gargalhada, provavelmente o Lorenzo escutou. Júlia ficou irritadinha e me encheu de cocegas, o que fez eu dar mais risada ainda.

Eu comecei a beija-lá mais ainda, eu não resisto aos lábios rosados, definidos e carnudos da Júlia.

_Bruna, Bruna… Eu sei, você está tentando me distrair pra gente não sair daqui.

Pelo visto funcionou, ela começou a me beija loucamente e desligou o chuveiro.

Eu olhei pra ela com uma cara fechada.

_Olha, essa carinha linda, dessa vez não vai me comprar. O Lorenzo ta esperando a gente e tem mais diversão por hoje…

_Eu sei, mas que eu estava com tanta saudade de você… Ainda estou!

_Eu também, mas o Lorenzo, vai acabar indo embora se a gente não sair.

_Ok, você está certa…

Eu abri o box do banheiro, peguei a minha toalha e me enrolei. Abri o armário da pia e peguei uma toalha branca pra Júlia. Ela se enrolou na toalha e me deu um beijo, depois foi abrir a porta. Demos de cara com o Lorenzo na porta, pelo que eu entendi tava com o ouvido tentando escutar.

_Desde quando você ta grudado na porta? – A Júlia arqueou as sombram celhas, esperando uma resposta.

_O que você acha? Desde da hora que vocês entraram, acha que eu sou besta? – O melhor de tudo, foi ver ele se explicando, com esse sorriso travesso que acaba comigo.

_Não te acho besta, se eu estivesse no seu lugar eu faria o mesmo. – E os dois cairão na gargalhada, pelo visto estão se dando bem.

_Eu sei que vocês estão morrendo de rir, mas eu estou com fome. – A Júlia me tirou o folego, que me deixou morrendo de fome.

_E eu quero fumar um cigarro e um baseado.

O Lorenzo ficou nos encarando…

_Eu imaginei que vocês fossem dizer isso. Além de ter ficado na porta e escutando vocês se comerem no banheiro. Eu pedi duas pizza e bolei três baseados, assim como a Dona Júlia pediu. Espero que agrade vocês duas.

_Depende, você pediu pizza do que? – Eu estava morrendo de medo, dele ter pedido pizza de palmito, porque eu odeio e ele ama.

_Pizza de Milho e pizza de Bacon. Eu sei que você odeia pizza de Palmito. Isso lhe agrada, Dona Bruna?

_Isso me agrada muito, como você me conhece bem.

_Chega de melação. Deixa ver como você bolou os baseado, se ficou pastel vai ter que fazer de novo, até acertar.

_Me respeita, acha que eu aprendi bolar ontem. Veja você mesma, melhor do que ficar falando.

O Lorenzo estendeu a mão com os dois baseado, a Júlia pegou, ficou olhando pro baseado e pro Lorenzo, ela deu um cheiro no baseado, acho que deve ser mania de maconheiro, não é possível. Depois, ela abriu um sorriso enorme e deu um selinho, com uma leve mordida na boca do Lorenzo.

Eu fiquei com muito tesão, só com esse pequeno contato dos dois, pra variar o Lorenzo, ficou com cara de bobo, quando a Júlia deu um selinho nela, imagina quando ela ficar nua na frente dele.

Á Júlia, ficou encarando o Lorenzo, pegou o esqueiro na sua bolsa, que estava sem cima da mesa e deu o baseado e o esqueiro pro Lorenzo, fazendo o sinal pra ele acender.

_Anda, acende logo. Todo mundo sabe, que não se pode quebrar a regra do Duende. Você bolou, você que acende.

O Lorenzo, fez o que ela disse acendeu o baseado, pude sentir o cheiro forte da maconha, pelo visto Dona Júlia, não comprou qualquer maconha.
Os dois não paravam de se olhar, pelo visto esse baseado ajudou acender uma faísca nesses dois, tudo que eu precisava pra um menage acontecer.

_Lorenzo, você esqueceu da música. – Júlia passou o baseado pro Lorenzo e ficou o encarando.


Minhas Luas, eu sei que vocês estão aguardando a muuuuuito tempo, então, por isso eu vou fazer de tudo para a continuação desse capítulo, sair na sexta-feira.

Eu espero que tenham gostado da continuação.
Obrigada por todo o carinho, toda paciência, por sempre estarem curtindo o posts, comentando, eu sou muito grata a cada um de vocês que segue o blog.

Beijinhos da Mila! Gratidão!

Um Nu no Corredor – Capitulo 24 – Série Os Freitas

Capitulo 24

Conrado  

Assim que chegamos fomos cumprimentar algumas pessoas, logo Bruno me chamou para conversar com o investidor do projeto, tive que deixar a Violeta com Lilian para não deixá-la sozinha, enquanto conversava com Lucas, nosso investidor, de longe observava Violeta conversando com Lilian e Marcos, que estavam rindo muito discretamente observo o sorriso dela e me pergunto o que aquela pequena mulher fez comigo, após alguns minutos falando sobre o meu projeto, pedi licença e me retirei me aproximando novamente de Violeta e os companheiros. Quando cheguei mais perto ouvi Violeta negar algo veementemente e ao me ver, mudaram de assunto.

– O que estavam falando?

– Nada de mais – respondeu Violeta tranquilamente, mas senti que estava ruborizada – Coisas da faculdade.

– Ah sim, claro – Respondi com um ar de desconfiança e estreitei os olhos para Violeta, ela apenas riu. A festa foi bastante agradável, rimos muito e conversamos sobre tudo, quando já estava tarde, Marcos e Lilian estavam um pouco altos na bebida, olhei para Violeta e disse:

– É melhor levá-los para casa.

– É, concordo com você – ela riu e falou – Eu vou ao banheiro e depois nós vamos – concordei com a cabeça e ela se aproximou da Lilian puxando-a junto, não demorou muito elas estavam de voltam me despedi das pessoas mais importantes e na saída por impulso abracei a cintura de Violeta, e olhei para trás foi quando vi Isabela olhando com ódio para nós, virei para frente e continuei andando abraçado com Violeta.