5 séries que eu devorei na Netflix.

Olá minhas Luas, que saudades de vocês. Eu sei, andei bem sumida, a faculdade ocupou todo o meu tempo, depois eu acabei tendo uns problemas de saúde e não tinha como me dedicar ao blog, tive que ficar em repouso total, acabei ficando com uma pneumonia, mas já estou bem melhor, só lidando com a tossi, mas bem melhor do que eu estava, eu fiquei só pó, mas agora eu to melhor e voltei com tudo, to cheia de novidades que ainda não posso contar pra vocês! Me aguardem!

Mas nesse tempo, eu fui assistindo diversas séries, filmes, li muitos livros, comprei livros novos, eu estou com uma bomba de posts pra vocês!

Então, chega de enrolação e vamos pra lista de séries dessa semana!


Coisa Mais Linda

Série: Coisa Mais Linda

Sinopse:
Na São Paulo do final da década de 50 está Maria Luiza, uma moça conservadora e completamente dependente de dois homens: seu pai, Ademar, e o marido dela, Pedro. No entanto, sua vida toma um rumo completamente diferente quando Pedro desaparece ao viajar para o Rio de Janeiro a fim de montar um restaurante. Maria Luiza, é claro, segue os rastros do marido, mas acaba transformando o sofisticado restaurante em uma casa noturna. Em terras cariocas, essa jovem passa então a descobrir um novo mundo na companhia de mulheres feministas e liberais e ao som da Bossa Nova.

Série: Coisa Mais Linda

Eu sempre quis contar pra vocês, o quanto eu sou apaixonada pela atriz Maria Casadevall, desde do dia que eu vi ela atuando na Globo, eu me apaixonei, sempre estou acompanhando os trabalhos dela.

Dessa vez, não foi diferente, Maria arrasou no seu papel como Maria Luiza, ela faz uma personagem forte, cheia de personalidade, ainda mais por ser na década de 50, ela acabou sendo uma grande demostração de femininismo, de como as mulheres tiveram que lutar pelos seus direitos naquela época.

Não posso esquecer de enaltecer a Pathy Dejesus, ela ficou deslumbrante no papel Adélia, a história de uma mulher forte, que acaba se tornando a melhor amiga de Maria Luiza e que lhe ensina muitas verdades sobre a vida, eu me apaixonei pelas duas, é impressionante o quanto a história delas são parecidas e totalmente diferente e ainda assim complementam uma a outra. Claro, que tem outras personagens mulheres, que são sensacionais e essencial pra história que também são cheia de garra.
Além da história ser incrível, aborda o machismo, a agressão contra mulher e diversos outros assuntos que ainda são considerados TABU.


Amizade Dolorida

Série: Amizade Dolorida

Sinopse:
Pete (Brendan Scannell), um jovem homossexual, e Tiff (Zoe Levin), uma dominatrix, eram melhores amigos nos tempos de colégio, mas os dois foram perdendo o contato com o passar do tempo. Anos depois, eles se reencontram inesperadamente na agitada Nova York. Agora, uma amizade de longa data está prestes a se fortalecer.

Série: Amizade Dolorida

Sinceramente, essa série é um mistura de comédia e abordando temas importantes, como: o fetiche sexual, psicologia, a responsabilidade afetiva com as pessoas, amizade, preconceitos, abordando assuntos muito complexos de uma maneira simples e leve, chega a ser até uma distração.

Série: Amizade Dolorida

Tiff e Pete se reencontram e juntos começam a se descobrir como pessoas, a cenas dos dois juntos são hilarias, especialmente quando Pete começa entrar nas maluquices de Tiff. Além deles dois, tem outro personagens com desejos sexuais, são considerados bizarros, o que deixa a história muito mais interessante. Vele a pena assistir!


Disque Amiga para Matar

Série: Disque Amiga para Matar

Sinopse:
A história da grande amizade que surge entre Jen (Christina Applegate), que ficou viúva depois da morte do marido em um acidente de carro, e Judy (Linda Cardellini), uma mulher moderna e de mente aberta que esconde um grande segredo.

Série: Disque Amiga para Matar

A Netflix arrasou nessa produção, eu dei muito risada, também chorei, fiquei surpresa, já que tem cena de suspense e assassinato, digamos que essa comédia tem toque de humor ácido, foi o que mais me atraiu, a forma como foi criada a comédia. Essa série é uma ótima recomendação, pra quem está tentando lidar com o luto.

Série: Disque Amiga para Matar

As minhas cenas favoritas são de Jean e Judy, pois a cada cena, cada capitulo das duas juntas, ela criam um laço de amizade, lindo e único, da pra sentir a conexão das duas, mas entre ás duas a minha favorita é a Jean, pois é ela que dá esse toque de humor ácido, a atriz Christina Applegate me surpreendeu com a sua interpretação no papel de Jean.

Série: Disque Amiga para Matar

O assuntos que são abordados na série, não são abordados com cautela e sim de uma forma agressiva e direta, deve ser por isso que causa o humor ácido, que eu adorei.

Série: Disque Amiga para Matar

Eu super recomendo essa série, eu devorei ela em dois dias e depois fiquei sofrendo, mas pra minha alegria a Netflix já confirmou que a segunda temporada já está em gravações, então em breve vai estar na Netflix! Aproveitem pra assistir, vão adorar.


Baby

Série: Baby

Sinopse:
Em Roma, Itália, um grupo de adolescentes desafia a sociedade em busca de independência e da própria identidade de modo radical, como duas meninas de 14 e 15 anos que se prostituem em troca de roupas de grife e celulares caros.

Série: Baby

Eu não sei explicar o meu amor por essa série, eu não sei se gosto mais das personagens principais, Lodovica e Chiara, não sei nem dizer qual das duas sé a minha favorita, fora os outros personagens que eu também adorei. Não posso esquecer de elogiar o figurino e os cenários, que me deixou encantada.

Série: Baby

Mas nem tudo são flores, já que a série aborda um assunto que é considerado polêmico: a prostituição e drogas. Netflix chegou até a ser acusada de glamorizar a prostituição, mas se olharmos por outro lado, a Netflix quis mostrar o que leve garotas lindas e ricas a recorrer a prostituição, as drogas, festas, etc. Sem contar, que a narrativa o tempo todo mostra adolescentes ricos, super mimados pelos pais, que fazem o que bem entendem da sua vida, sem ter certos limites.

Além de abordar a prostituição e as drogas de uma maneira bem complexa e divertida, também aborda a dificuldade dos pais de se relacionar com os seus filhos, mostra o quanto a relações que os filhos tem com seus pais, pode afetar a vida de seus filhos, é um assunto bem importante pra ser abordado.

Eu super recomendo essa série pra ser interativa e ainda receber informações! Assistem e me diga o que acharam!


One Day Time

Série: One Day Time

Sinopse:
Uma família americana com raízes próximas em Cuba, composta por uma mãe recém-divorciada e ex-militar que precisa criar sua filha adolescente e o filho mais jovem, com a ajuda de sua mãe, uma cubana conservadora, e seu amigo Schneider.

Série: One Day Time

Eu não sei explicar o meu amor por esse série, eu assisti junto com meu namorado, é a nossa série favorita, todo mundo do planeta tem que assistir essa série, não sei dizer qual das 3 temporadas são as minhas favoritas, não sei dizer qual episodio eu gosto mais e muito menos dizer qual personagem é meu favorito, essa série é daquelas que você quer assistir de novo, mesmo depois de já ter assistido tudo e mesmo assim você adora cada episodio que assistiu pela milésima vez!

Série: One Day Time

Os personagens, cada um deles, são muito bem construídos, muito bem interpretados, são bem encaixados na história, sem contar que a narrativa inteira aborda assunto de extrema importância, como: LGBTFOBIA, machismo, feminismo, religião, politica, drogas, a importância do relacionamento dos pais e avós com os adolescentes, fala sobre a importância de cuidar da sua saúde mental, tem até um episodio que mostra exatamente qual a sensação de ter ansiedade e depressão, mostra a importância da psicologia e dos remédios de um paciente com problemas de saúde metal, fala sobre a responsabilidade afetiva, fala muito sobre a história de Cuba, entre diversos assuntos que são considerados tabus pra sociedade, essa série o tempo todo está quebrando padrões e tabus.

Série: One Day Time

O que me deixou mais impressionada foi a Netflix colocar uma comédia + assuntos que precisam ser discutidos, que o mundo precisar saber, a série ensina a respeitar uns aos outros, mesmo que sejam diferentes, a respeitar a si mesmo e próximo. Com certeza é uma mistura de informações valiosas e com muitas risadas, já que é uma série de comedia.

Série: One Day Time

Eu preciso nem dizer a vocês que dessa lista de filmes, essa série é a minha favorita. É uma tristeza que a Netflix cancelou a continuação da quarta temporada, tudo porque não tinha uma certa audiência pelos assinantes da Netflix, alias a produção da série está atras de uma nova produtora pra continuar a temporada, mas quem sabe vocês assistem e divulguem para os amigos e Netflix não muda de ideia? Não custa nada sonhar, não é? Não deixem de assistir, prometo que vale a pena!

Obs: enquanto eu escrevia esse post, saiu informações que a 4° temporada de One Day Time foi resgatada e confirmada pela Netflix, então, não tem mais desculpas pra não assistir. Espero que seja verdade, sonhei alto e acho que a Netflix sensata realizou.


Minhas Luas, essa foi a lista de hoje, eu espero que gostem e devorem essas séries assim como eu devorei!

Obrigada por tudo, pelo carinho de sempre e por sempre estarem acompanhando, sou grata a vocês!

Fiquem Ligadas, vem muita novidade por ai!

Beijinhos da Mila!
Até a próxima lista de filmes!
Gratidão!

Um Nu no Corredor – Capitulo 37 – Série Os Freitas

Capitulo 37

Conrado

Estava quase dormindo quando o celular de Anastácia toca ao meu lado, eu me estiquei e atendi, eu pergunto quem é,  quando aquela voz me atinge sinto algo estranho e subitamente ouço, em minha mente, essa mesma voz dizendo bem baixinho “ eu te amo´´ aquilo me arrepiou inteiro e fiquei tenso, continuei conversando com aquela moça, a Polly, lembro-me dela no hospital, ela estava de óculos escuros, e uma roupa larga, mas vi que está grávida e a barriga estava grande demais para ser apenas um bebê,  ela é tão linda, mas ainda sinto falta da Isabela, aproveitando que Tatá deixou o celular comigo aqui, assim que termino a ligação com a Polly procuro nos contatos o número dela e não encontro, estranho, bem, o lado bom é que tenho uma boa memória e lembro bem o número dela, disquei e esperei que ela atendesse, não demora muito ela atende e eu falo sem demora:

*Ligação*

– Oi meu amor, por que não foi me ver no hospital? – Ela fica em silêncio e eu continuo – Isabela?

– Conrado? – Ela pergunta desacreditando e eu respondi:

– Sim, pensou que era quem? – Sorrio e então ela fala:

– Não, meu amor, eu estava muito ocupada e não me avisaram. Perdoa-me?

– Claro meu anjo – falo calmo.

– E como você está, meu amor?

-Estou bem, tenho que fazer fisioterapia para retomar meus movimentos do lado direito.

– Ah claro. Meu amor, tenho que desligar. Beijos.

– Espera…. – Ela desligou na minha cara, mas por quê? O que será que aconteceu? Bom, melhor eu tentar dormir, tenho que voltar ao hospital para a fisioterapia, não posso esperar muito para começar, é muito importante que eu tente, não posso ficar assim, não quero ser um peso para eles. Não sei bem em que momento eu apaguei, apenas A vejo a mesma da última vez, mas dessa vez ela está chorando encolhida de costas…me sinto despedaçar, tento me aproximar dela, para poder abraçá-la, mas não consigo me mover, o que está havendo? Vejo a se afastando cada vez mais e mais, então ouço o um barulho estridente e acordo completamente suado e sem rumo, não consigo me mover, isso me deixa louco; por que ela estaria chorando? E por que aquilo me afetou tanto? Ouço alguém bater na porta delicadamente e vejo os cabelos ruivos de minha irmã que diz:

– Ah! Já está acordado, que bom, vim te acordar e te ajudar a se vestir, para irmos ao hospital.

– Ta…tudo bem… – eu estava suando então disse – vou tomar um banho primeiro – ela apenas acena, com certa dificuldade tomei um banho e logo estávamos a caminho do hospital.

1 mês depois

A fisioterapia está ajudando muito, já consigo andar sozinho e me cuidar, então decidi que hoje vou voltar para meu apartamento, minha casinha, meu lugar. Rick e Caleb vieram me ajudar, Anastácia teimou para que eu não fosse, mas não dá para continuar aqui, eu sei que destruí a intimidade deles nesse último mês, melhor eu ir. Assim que cheguei no meu apartamento, pensei que iria me sentir em casa, mas estranhamente, não me sinto em casa. Entrei, andei por ele todo, procurando inconscientemente algo, quando chego no quarto, sinto um cheiro diferente e pelo canto do olho vejo uma toalha azul jogada em um canto, me aproximo e pego a do chão, vejo que tem alguns detalhes em dourado, do nada ouço em minha mente uma voz “eu te emprestei uma toalha ontem…preciso dela de volta”, essa voz, de quem é?

Um Café E Meio

Imagem relacionada

TEXTO POR BAILARINA;  https://napontadospes693885424.wordpress.com/

“Sempre temos planos de começar tudo de um jeito que nunca havíamos pensado antes mais perdemos o foco no meio do caminho, não que realmente queremos perder o foco mais algo em algum momento perde o sentido de uma forma que não podemos explicar, e , então caímos de um penhasco, que não tínhamos nos atentado a sua mera existência até está de fato dentro dele.

 Como um café que nos dar energia de sobra para nos mantermos acordado é assim como o penhasco é, algo que nos alucina  e nos mantêm afastados da razão por tempo demais,  temos uma infinidade de penhasco, e simplesmente nunca percebemos porque no fim nós somos o nosso próprio penhasco, algumas vezes ele pode ser fundo demais mais talvez o que tem no fim pode te surpreender, depende de até onde você está capaz de arriscar, porque isso tudo é apenas uma pequena parte do que nós mesmo estamos dispostos a mostrar, afinal a vida é um grande jogo da velha, depende de como você joga pra ganhar ou simplesmente dar velha, somos um grande imprevisto nas nossas próprias histórias e não sabemos realmente até onde podemos até chegar lá.

 O que é meio louco é que nunca estamos tão ligados como agora, ligados a nossos sentimentos que nos une como um fio longo e vermelho e ele é a única cor que conseguimos distinguir nesse mundo tão preto e  branco, ele está nos ligando a tudo que podemos encontrar pelo caminho, o que não faz sentido nenhum porque em algum momento ele pode arrebentar e simplesmente sumir mais eu não estou disposta a deixá-lo se arrebentar mais também não estou disposta a ficar preso a ele.

 Só quero ser um pouco da loucura que realmente sou,  sem ter que me preocupar com coisas banais e sem nexo nenhum porque a minha existência em si já é uma grande loucura, acho que nem esse texto tem nexo mais sinceramente to amando quem to me tornando e quem já fui, estou orgulhosa com meus próprios fracassos, não me confunda com escritores que realmente perderam sua razão, porque a razão é sentir tudo e nada ao mesmo tempo e ser feliz dessa maneira.

 Sou apenas uma imagem translúcida diante de uma lente qualquer de uma camêra, e isso me torna um objeto de mim mesma só que com proporções menores, de um modo único e  libertador, porque esse texto é como um desabafo mais sem realmente ser, ele é só um pensamento louco que apareceu e resolvir escrever e não posso dizer que você chegará ao final e terá uma resposta por que nem eu tenho uma.

 Mudando de um extremo ao outro, já pensei que sentir tudo era um grande defeito mais descobrir que na verdade é uma vantagem porque com o tempo você acaba por descobrir como lidar com tanta decepção junta sem nunca perder o sorriso do rosto, o que já em si uma grande conquista, talvez não tanto pra você quanto pra mim mais ainda sim, uma conquista. Talvez não seja um troféu com os dizes ‘ Honra ao Mérito ‘, porque dessa vez o mérito não foi meu, foi do planeta, do espaço, porque somos só poeira côsmica e sem ele eu não seria nada.

 Também não vou dizer que foi simplesmente fases, porque sabemos que não são fases, são peças de um mesmo quebra cabeça mais visto de óticas diferentes, é como criar expectativas demais sobre um livro e talvez nunca o vê com o valor que ele tem, não vou ser presunçosa e dizer que esse é meu sonho porque seria revelar muito mas, tenho uma única pergunta a você:

-Um café e meio? “

Não Apague as Luzes

Imagem relacionada

-Cuidado!

-Não apague as luzes!

É o que sempre diziam, não ter medo do escuro. Mas, esqueceram de avisar que o escuro nasce de dentro da gente e não de fora, que uma simples lâmpada  não fará diferença.

Esqueceram de falar, que os monstros não estão lá fora no desconhecido e sim dentro das pessoas que chamamos de amigos. Não falaram que os espinhos das flores é só proteção e como as flores deveríamos ter espinhos, isso evitaria muita dor.

– Não apague as luzes!

Não engula palavras que deveriam ser ditas, simplesmente grite para as paredes, dance, escute uma música, chore mais não guarde para si. A pior morte é a do seu interior.

– Não apague as luzes!

Um Nu no Corredor – Capitulo 36 – Série Os Freitas


Capitulo 36

Violeta

Assim que sai daquele quarto fui à procura da Liza, quando a encontrei conversando com Caleb a chamo em um canto e falo:

– Liza, será que tem como eu voltar para o nosso apartamento? Sei que está morando lá com Caleb, mas eu não posso voltar para casa dos meus pais, quero estar perto dele, mesmo que ele não se lembre de mim.

– Claro Polly, mas você não contou a ele que você é noiva dele? Não contou a verdade? – Ela me olha com certa expectativa e decepção no olhar, não posso contar nada a ele, o médico disse que é arriscado, que ele deve se lembrar sozinho. Como resposta abaixei a cabeça, respirei fundo, balancei negativamente e falei:

– Você pode me acompanhar e ajudar a pegar minhas coisas do apartamento dele?

– Sim, vamos – ela passa por Caleb e avisa onde vamos, logo depois encontramos meus pais que fazem questão de ir junto, Anastácia diz que irá conosco para separar algumas roupas dele, ela acha melhor que ele deve ir com ela, isso me dá tempo para poder tirar minhas coisas de lá.

Estamos na frente do prédio, Vicente abre o portão e vem até nós quando estacionamos, ele começa a falar:

– Boa tarde senhorita Violeta, como está o senhor Conrado?

– Ele está melhor, teve algumas sequelas, mas está melhor.

– Fico muito feliz e aliviado, bom, tenha uma boa tarde senhorita.

Ele se afasta e subimos para nosso andar, abro a porta e começo a recolher tudo o que é meu colocar em uma caixa e levar ao lado, na casa da Liza, logo me canso pela gravidez, elas continuam por mim enquanto tomo um banho, logo depois de colocar uma roupa confortável, volto a ajudá-las, depois de tirar minhas coisas do banheiro, me aproximo do armário e retiro uma camiseta dele, trago para perto do nariz e inspiro fundo, sentindo seu cheiro tão bom e reconfortante.

– Violeta? Já acabou aqui? Temos que organizar tudo lá – Liza aparece do nada falando, que por impulso coloco a camiseta em minhas mãos no monte de outras roupas minhas e falo:

– Sim, sim, vamos. Pegou as coisas dos bebes também? – É melhor que não tenha nada aqui.

– Sim, está tudo lá já – saímos de lá e trancamos tudo, assim que entro no meu velho apartamento e penso em tudo que se passou desde que pisei aqui pela primeira vez, é o tempo passa, sinto uma sensação estranha de estar esquecendo algo, mas deve ser a preocupação, a final, faltam dois meses para os meninos nascerem. Depois que me alojei novamente no meu primeiro apartamento eu resolvo ligar para Anastácia para saber como o Conrado está, no quarto toque alguém atende o celular:

*Ligação*

– Alo? – A voz de Conrado está meio sonolenta e calma como de costume – Quem é? – Ele pergunta depois de um tempo de silêncio da minha parte.

– É.… uma amiga da Anastácia, ela não está? – tenho uma leve impressão de que ele ficou tenso, logo ele responde:

– Ela está ocupada e o celular dela estava perto de mim, sou irmão dela, é algo importante?

– Não… diga que a Polly ligou. Grata.

– Polly…? Por que Polly?

– Eu sou baixinha, no ensino médio me apelidaram de Polly.

– Entendo – ele sorri baixo e continua – Qual a sua altura?

– Jura? – Dou risada e continuo – 1,60 m, feliz? – ele dá uma gargalhada do outro lado – Tenho que ir. Até.

– Até.

Assim que desligo vou tomar um banho, pego um roupão que compramos no mês passado, entro no box e ligo o chuveiro, aquela água toda descendo pelo meu corpo me fez relaxar e instintivamente passei a mão pela minha barriga e pensei ´´ papai vai voltar para nós amores“ então sinto um chute e sorrio, termino meu banho e enrolo os cabelo na toalha, sentei no sofá e liguei a tv, Liza e Caleb  haviam se deitado, quando foi ficando tarde desliguei tudo e fui para a cama, dei uma olhada no monte de rouba que eu havia pegado do apartamento,  vejo a camiseta que tinha colocado no monte de roupa, quando a Liza entrou no quarto, me aproximo e pego a camiseta, coloco sobre a cama, tiro a minha e coloco a dele, deito de lado sentindo o cheiro dele e adormeço.

Um Nu no Corredor – Capitulo 35 – Série Os Freitas

Capitulo 35

Conrado

Depois que acordei tive que fazer muitos exames, quando cheguei no quarto Caleb e Rick estavam lá, mas saíram quando uma moça, pequena e grávida, entrou no quarto e perguntou como eu estava, achei curioso ela ter vindo aqui ver como eu estava. Ela disse que era minha vizinha, estranho, quem morava perto de mim é a Lola, talvez ela tenha se mudado, não faz sentido, nada disso faz.  Estou muito perdido, estou no hospital, não entendo por que a Isa ainda não apareceu para me ver, ela deveria estar aqui comigo nesse momento.

Nesse momento ouço alguém bater na porta e vejo Rick abrir e entrar, logo atrás dele vem Caleb, eles sorriem e se sentam perto de mim, Caleb fala:

– Nossa em, que susto que você deu na gente, estávamos todos preocupados, principalmente a Polly.

– Polly? – Pergunto confuso – A moça grávida?

– Ela estava aqui agora mesmo, ela não se apresentou? – Rick fala.

– Bem, ela disse que é minha vizinha, mas não me lembro dela.

– Ela disse que é só sua vizinha?

– Sim, mas por quê? – Todas essas perguntas estão me deixando ainda mais confuso.

– Não nada, ela é só uma amiga…

– Ah sim… onde está a Isabela? Vocês sabem porque ela não veio me ver? – Eles se entre olharam e ficaram sérios de repente, achei que eles gostassem dela.

– Irmão, a Isabela…  Ainda não ficou sabendo – Rick explica e Caleb o olha como se ele não estivesse contado tudo, mas não fala nada.

– Vocês não a avisaram? Por quê?

– Não conseguimos falar com ela.

– Ah claro.

Eles logo mudam de assunto e tagarelam sobre muitas coisas, eu me distraí bastante, logo depois eles saíram e me deixaram sozinho, não demorou adormeci, por causa dos remédios.

Vejo uma moça… ela está deitada ao meu lado, na cama, suando e com a respiração acelerada, sinto uma felicidade imensa de estar ali com ela, mas está escuro demais para reconhecer quem ela é, mas… por um relance, vejo seus olhos violetas…

Nesse instante eu acordo, suando e desorientado. Quem era ela? Como é possível alguém ter olhos daquela cor? Me estremeço só de lembrar daquela moça, mas foi só um sonho, tem que ser. Um enfermeiro aparece para dizer que tenho que fazer mais alguns exames e que depois dos resultados eu poderia ir embora, estou louco para voltar para minha casa, saudade de cozinhar e principalmente de Isabela. Quando já passavam das 21 horas o médico disse que eu estava liberado e que haviam trazido roupas limpas e que eu deveria me trocar. Agora estou no carro do Rick voltando para casa, mas ele desvia e vai na direção da casa dele, Anastácia e Caleb estão juntos, então eu perguntei:

– Vocês vão me levar para a casa de vocês?

– Claro que sim, pensou que iriamos deixar você dormir sozinho naquele apartamento enorme? – Anastácia fala calmamente olhando para a rua.

– Mas eu posso me cuidar – falo determinado.

– Irmão, você não pode ficar sozinho, você precisa de cuidados agora, então, até você ficar melhor, você ficara conosco.

Odeio admitir, mas é verdade, com meu lado direito paralisado não tenho como me cuidar mesmo, também me desagrada ter que dar trabalho a eles, mas como eu só tenho a eles não perderei tempo, assim que melhorar irei voltar a minha rotina normal. Assim que chegamos, notei que eles haviam plantado rosas na frente da casa, quando entramos a casa estava diferente, móveis e com as paredes de outra cor, que estranho, vim aqui semana passada, como pode haver tantas mudanças em tão pouco tempo? Preferi não comentar, eles me ajudaram a entrar e me levaram, tomei um banho, eles já haviam trazido roupas minhas para cá, troquei e voltei a dormir, desejando inconscientemente sonhar novamente com aquela moça, que me despertou tamanha curiosidade.  

Um Nu no Corredor – Capitulo 34 – Série Os Freitas

Capitulo 34

Violeta

Ele tinha um olhar baixo, ele respirou fundo, olhou para mim e começou a relatar:

– Deu tudo certo na cirurgia, no entanto, pode haver sequelas.

– Que tipo de sequelas? – Pergunto aflita.

– Perda de memória, de visão, dos movimentos. Mas antes de constatar isso, devemos esperar que ele acorde.

Começo a chorar e me sentir mais fraca, por que logo com ele? Estávamos tão bem e agora isso, como vou conseguir agora? Falta pouco para os meninos nascerem e eu preciso do apoio dele.

Tento me recompor e pergunto:

– Posso vê-lo? – Ele assente, conduz-me ao quarto me deixando sozinha.

Vejo-o ali, deitado, dormindo tão calmo que parece que nada aconteceu, isso dói, observar ele ali, ele está ali e ao mesmo tempo tão longe, não podia ouvir sua voz nem ver aquele sorriso que me ilumina todos os dias. Aproximo da cama e puxo uma poltrona para sentar próximo a ele, não sei quanto tempo se passou, apenas me dei conta do tempo passado quando Liza bate na porta, entra se aproxima, pousa a mão sobre meu ombro e diz:

– Amiga… você está aqui há três horas. Precisa ir para casa descansar.

– Não, eu preciso ficar ao lado dele, ele precisa de mim.

– Violeta, pense nos bebes, eles precisam de você, e vamos todos ficar aqui, qualquer novidade te avisamos.

– Ok, eu vou, mas vou voltar logo, não posso deixa-lo sozinho muito tempo. 

Ela assente, saio do quarto e logo estou no térreo, peguei um táxi, pouco tempo depois estou em casa. Abro a porta e vejo tudo escuro, passava das 2 da manhã, estava exausta, vou para o banheiro e tomo um banho demorado, saí do banho, coloquei uma roupa bem confortável, me deitei na nossa cama, o cheiro dele estava impregnado nos lençóis e no travesseiro, uma dor profunda me atinge, começo a chorar, não sei quanto tempo demorei para adormecer, quando despertei o sol iluminava minha cama, ele está radiante, diferente de mim neste momento.  Passavam das 11:20 h e comecei me arrumar para ir ver como está Conrado.

Quando chego lá vejo meus pais no café junto com os outros e me pergunto quem está com Conrado? Vou em direção ao quarto, quando abro, meus olhos não podem acreditar no que veem, lá está Isabela, inclinada sobre ele dando um beijo em seus lábios, entro, bato a porta atrás de mim furiosa.

– Desculpe, atrapalho? O que faz aqui Isabela? – Ela estava com um curativo na testa e a bochecha arranhada.

– O que você faz aqui?

– Você não tem direito de estar aqui, vá embora – falo tentando manter a calma.

– Você não pode me tirar daqui sua pirralha. Não tem esse poder.

– Quer ver? – Me aproximo da cama e aperto o botão vermelho chamando o enfermeiro que logo aparece, olho para ele e digo – Poderia acompanhar essa senhora até a saída? Ela não é da família muito menos é amiga do paciente.

Ele assente e aponta a direção para que ela pudesse passar, ela me fuzila com os olhos e diz:

– Você verá, ele irá voltar para mim, você não poderá fazer nada para impedir, sua pirralha.

Sai do quarto batendo o pé mostrando toda sua irá, como se eu tivesse medo dela, ela não é a única pessoa que não gosta de mim. Liza entra no quarto e se aproxima.

– Eu não a vi entrando. Desculpe.

– Por que ele estava sozinho aqui?

– Tio Lucca fez todo mundo ir para o café comer alguma coisa.

Não digo nada, afinal conheço meu pai, sei que ele faria isso e não aceitaria um não como resposta. Olho para ele, está calmo, me sinto tonta e quase vou ao chão, Liza me segura, e me abraça afagando meu cabelo, comecei a chorar, falando entre soluços:

– Por que Liza? Por que com ele? Eu não aguento vê-lo aí, sem saber o que vai acontecer daqui para frente, preciso dele aqui comigo e bem. – Liza não fala nada apenas me abraça. Eu estava com os óculos escuros na cabeça, me afasto um pouco dela e eles escorregam pairando em meus olhos.

– Por que está chorando? – Parei de chorar subitamente e me virei olhando para Conrado, através dos óculos, que me olha curioso, com os olhos pesados e escuros. Eu mal acreditava no que via, ele está bem ali olhando para mim fixamente, pareceu-me que ele não fazia ideia de onde estava e perguntou – Quem são vocês? Por que está chorando moça?

Nesse momento meu coração se despedaçou, Liza que estava em silêncio apertou meus ombros, ela se afastou e rapidamente chamou o médico que logo entrou, juntamente com meus pais, Anastácia, Rick e Caleb, o médico se aproxima e diz:

– Como você está?

– Estou bem, sinto uma dor forte na cabeça e não sinto meu lado direito. O que aconteceu?

– Alguém bateu o carro no seu ontem à noite quando estava voltando do trabalho, você ficou desacordado.

– Ontem? Eu estava em casa ontem. Foi sábado, não trabalhei ontem.

– Que dia pensa que é hoje?

– Hoje é dia nove de setembro de 2016, por que?

Nesse momento tudo se escurece, ouvi ruídos e me senti sendo levantada e colocada numa maca. Quando acordei vi minha mãe ao meu lado, perguntei:

– Mãe, como ele está?

– Ele está fazendo alguns exames.

– E os meninos? – Perguntei passando a mão sobre a barriga.

– Eles estão bem, sua queda poderia tê-los prejudicado, mas os enfermeiros vieram rápido e estabilizaram sua situação.

– Mãe… ele não se lembra de mim, não se lembra de nós – falei com a voz embargada, ela se levantou pegou minha mão e diz:

– Filha, ele não se lembra dos últimos dois anos, o médico disse que ele pode se lembrar a qualquer momento, o médico não contou a ele ainda que ele perdeu parcialmente os movimentos do lado direito, com a fisioterapia que irá fazer aqui mesmo no hospital ele poderá recuperá-los, nem tudo está perdido, filha. O amor de vocês é mais forte do que tudo isso e vocês irão superar essa fase, você terá o apoio de todos.

Respiro fundo e tento me acalmar, sim, vai dar tudo certo; fico horas conversando com minha mãe e quando me dou conta o médico aparece e diz que posso ir, minha mãe me ajudou a levantar e me troquei no banheiro, fui em direção ao quarto de Conrado que já havia voltado dos exames, abri a porta e vejo Caleb e Rick conversando com ele, assim que me veem eles se retiram nos deixando a sós me aproximo, começo a falar calmamente:

– Oi, como você está se sentindo?

– Estou bem, quem é você?

– Meu nome é Polly… – ele me olha atentamente e observa cada reação minha, como eu usava os óculos escuros, ele não me olhou diretamente nos olhos – Eu sou.… eu sou.… sua vizinha. Vim ver como você está.

– Ah sim, eu estou bem. Desculpe, mas não me lembro da senhorita.

– Eu sei… bem…fico feliz que esteja bem. Com licença – dou meia volta e saio do quarto, assim que fecho a porta, começo a chorar novamente, meu coração está despedaçado, eu não sei o que fazer.

Um Nu no Corredor – Capitulo 33 – Série Os Freitas

Capitulo 33

Violeta

Eu estava sentada com as pernas cruzadas comendo pipoca com melancia, enquanto assistia A Noiva Cadáver, e do nada senti uma dor forte no peito e um pressentimento ruim, Conrado estava demorando para chegar do trabalho então eu peguei meu celular e vi as horas, já passavam das 18:50, ele está atrasado, disquei seu número com certo receio, tocou algumas vezes até que alguém atende e eu falo:

– Amor? Está tudo bem? – No fundo escuto alvoroço e então uma sirene, começo a entrar em pânico, meu coração acelera e alguém responde:

– Oi, você é alguma coisa do senhor Conrado Freitas? – Aquilo apertou meu coração na hora.

– Sim, ele é meu noivo, o que aconteceu?

– Ele sofreu um acidente e estão levando-o para o hospital central.

– Ele está muito ferido?

– Não sabemos, mas ele está desacordado e o carro destruído. Senhora, tenho que desligar.

– Ok, eu vou direto para lá agora mesmo, muito obrigada por avisar.

Desliguei o celular aflita, levantei o mais rápido que podia, troquei de roupa, ligando para Liza lhe contei tudo e disse para avisar os outros e disse que já estava indo na frente do prédio o táxi que havia chamado já estava lá, entrei em desespero e passei o endereço do hospital. Chegando lá perguntei a recepcionista:

– Por favor, meu noivo, Conrado Freitas, deu entrada no hospital. Preciso saber como ele está.

– Sim, chegou tem meia hora, nesse momento está na sala de cirurgia, ele sofreu uma lesão na região esquerda da cabeça.

– Mas ele vai ficar bem? Quanto tempo ainda vai durar a cirurgia?

– Senhora, se acalme, talvez mais algumas horas.

Agradeci, sentei na sala de espera, não demorou muito Liza, Caleb, meus pais, Anastácia e Rick chegaram, ficamos todos esperando notícias. Haviam se passado três horas, eu muito aflita, foi quando o médico se aproximou e perguntou:

– Vocês são parentes do paciente Conrado Freitas?

– Sim! Sou a noiva dele. Como ele está?

O médico ficou em silêncio.

Em um relacionamento sério, comigo!

Todos os dias eu acordo leve, eu não tenho que me justificar por aí, muito menos implorar por amor, não tenho que pensar em agradar, é tudo voltado as minhas vontades, não tenho hora para sair e muito menos para voltar, a vida é minha, a meu bem, eu não sou o amor da sua, sou o amor da minha, só demorei um pouco para perceber.

Eu me senti insuficiente por tanto tempo, eu me culpei por ter sido traída, eu procurei o erro em mim, quando eu só estava sendo demais para alguém, quando só estava vivendo por uma pessoa e não por mim. Tentava agradar sempre de todas as formas, o problema não era eu, a meu bem, você tinha tanta razão quando falava que não me merecia e que eu era maravilhosa, eu só demorei para perceber o quanto era verdade, eu deveria te agradecer? Não, não é mais sobre você, é sobre como eu vim parar aqui, como estou me encontrando.
Eu precisei deixar de amar ele, tive que desagradar muita gente para entender o quanto eu valia, o quanto merecia, tive que me sentir sozinha, fui até o fundo do poço, passei dias tendo uma crise atrás da outra, provei da solidão e de primeira não sabia o que fazer com ela, demorei um pouco para começar a gostar dela, a entender ela, para ver que a solidão não é ruim, ela fez eu me reencontrar para reconhecer que sou a minha melhor companhia, eu fui ao cinema sozinha, fui jantar, aceitei meu corpo, minha forma de pensar e de querer, eu não tô aqui para ser tua e nem de ninguém, eu sou minha, enfrento meus medos sozinha, comemoro minhas conquistas e me autorizo a viver minha vida, eu me viro, sozinha.

A vida é tão linda, agora eu me guio, encaro minhas crises de frente e as supero sem ninguém, eu sou livre, não preciso mais de alguém aqui, a sensação de liberdade vai além de poder fazer o que quiser, é sobre ser, ser eu mesma e se quiser, posso me reinventar a qualquer momento.

Não sinto falta de amar alguém, estou muito ocupada me amando cada vez mais, tão clichê, não estou dizendo que amar foi um erro, mas deixar de amar foi libertador, me fez ver que aquela não era eu, não era o que eu merecia, eu quero mais, não quero pouco.

Achava que o amor de alguém ia me transbordar, porém me deixou mais vazia, estou me transbordando agora, me vejo cumprindo minhas metas, seguindo os meus sonhos, sem ser atrapalhada, sem ser sufocada, sinto vontade de viver, vontade de viajar sozinha, sinto coisas que nunca tinha sido capaz de sentir, que nunca ninguém me fez.

Eu percebi que alguns ciclos servem para nos mostrar o que deveremos ser nos próximos dias que irão vir, que não devemos nos envergonhar por ser quem somos.

Eu tô pronta, estou me aceitando de corpo e alma, me olhando todos os dias no espelho e vendo meu potencial, estou desejando sorte para quem me perdeu, porque eu sou incrível e é assim que me sentirei todos os dias, porque sou capaz de tudo aquilo que quero, porque sei que vou me formar na faculdade, sei que meus planos vão dar certo e que esse amor que sinto é o que preciso, é o que não pode faltar.

Não estou nem aí para o que vão falar, pensar ou julgar, eu não preciso que me aceitem, não tenho que ser a recatada, se eu quiser passar um batom vermelho e entrar em um bar, quem é alguém para me julgar? Eu também não preciso provar que estou bem, não tenho que sair todo final de semana, agora eu respeito meu tempo, sei apreciar um final de semana todo sozinha, fazendo tudo que eu goste, tudo que me agrade, a sensação é tão única, eu não podia guardar ela só para mim.

A garotas, se vocês soubessem o quanto são lindas por serem vocês, seus corpos são únicos, nenhum nunca é igual, suas personalidades também, a sensação de se libertar do “padrão” é foda, poder se reinventar quantas vezes quiser, mudar o cabelo, mudar o estilo, mudar o que quiser e fazer o que bem entender, agradar a si mesma. Nós somos livres, não tem nada e nem ninguém que possa nos definir, nos limitar, nos moldar, ou seja lá o que tentem fazer para que sejamos “perfeitas”.

Eu ainda não me encontrei completamente, ainda estou explorando esse universo de aceitação, ainda acordo alguns dias me sentindo insuficiente, mas são apenas dias ruins que passam, que eu prendo meu cabelo e deixou para lavar e soltar no outro, que eu deito na minha cama e permito que ela me abrace, acabo fazendo novos planos, querendo mais coisas, os dias seguintes vão me motivando ainda mais. Isso me obrigou a sair da minha zona de conforto, me obrigou a sair do lugar que eu tinha medo, me mostrou que não devemos ficar e nem voltar para o que nos fere, que a única pessoa capaz de nos agradar, somos nós e eu aposto que já ouviram ou leram isso em algum lugar, é verdade, ter alguém é bom, é confortável e tudo mais, porém, antes disso precisamos nos ter para saber o que realmente queremos. Se arrisquem a se amar, seja o amor da sua vida.

Com amor, Abibi e sua galáxia incrível! 🔥❤️

Um Nu no Corredor – Capitulo 32 – Série Os Freitas

Capitulo 32

Conrado

Apesar de já desconfiar que ela estava grávida, ouvir de sua boca que eu vou ser pai, me deixou totalmente sem reação e ao mesmo tempo cheio de alegria. Assim que terminamos de almoçar fomos para um hospital aqui perto, depois de um longo tempo esperando o resultado, finalmente chegou e sim, ela está mesmo grávida, fizemos mais alguns exames e descobrimos que ela está de três meses e pensando bem, até demorou para descobrirmos, mas o mais importante é que ela está muito feliz e eu também. No caminho de volta ela veio meio calada e pensativa, olhei-lhe indagador:

– O que está lhe perturbando amor? – Ela parecia muito perdida em seus pensamentos e olhou para mim pensativa.

– Como será daqui para frente?

– Como assim?

– A nossa vida, nossa relação, a casa. Tudo.

– Eu não posso dizer que nada vai mudar, porque vai, mas para muito melhor, esse filho vai mudar nossas vidas para sempre. Seremos uma família e nada nem ninguém vai mudar isso. Eu já era um homem feliz por ter você em minha vida, no entanto, descobri que aquela felicidade nem se compara com a de agora. Eu te amo e sempre vou amar.

 No final de semana fomos almoçar com os pais de Violeta, resolvemos chamar todas as pessoas importantes, após o almoço estávamos todos sentados na área do lado de fora da casa e Violeta chama atenção de todos e diz:

– Gente, nós temos uma notícia para dar a vocês – ela pega minha mão e continua – nossa família vai crescer, mais duas vidas estão a caminho.

Todos aplaudiram e se aproximaram e nos parabenizaram, eu pedi silêncio novamente e me ajoelhei em frente da Violeta e disse:

– Eu não sei mais viver sem você em minha vida e agora não há mais motivos para não ficarmos juntos para sempre. Você aceita ser minha esposa? – Ela sorri e chora ao mesmo tempo, apenas balança a cabeça positivamente, eu coloco o anel em seu dedo, levanto-me e a beijo. O resto da tarde passou tranquilamente.

4 meses depois

 Violeta está maravilhosa com aquela linda barriga, descobrimos mês passado que ela está gravida de gêmeos, dois!!! Nossa felicidade foi a mil, teremos dois bebes, duas lindas crianças, dois meninos, Violeta quis que eles se chamem Santiago e Arthur, eu achei lindos, estou muito feliz com tudo isso, no entanto, por causa da gravidez Violeta teve que trancar a faculdade, apesar dela amar o que faz, sua saúde e a dos nossos filhos são muito importantes e também ela poderá voltar depois de algum tempo após o nascimento dos nossos filhos. Nesse momento estou voltando para casa depois de um dia cansativo e levando flores e abacaxi com chocolate para ela, mais um de seus desejos estranhos, estava chovendo muito e eu estava dirigindo calmamente e com muita atenção, olho mais uma vez para as flores no banco ao meu lado e sorrio com uma felicidade imensa, quando volto a olhar para rua vejo luzes e então tudo se apagou.