Um Nu no Corredor – Capitulo 27 – Série Os Freitas

Capitulo 27

Violeta

Depois que ele saiu, tranquei a porta e ia voltando para a sala sorrateiramente, Liza escorou na parede e estreitou os olhos em mim, eu olhei-lhe como se nada tivesse acontecido. Ela estava com um pote de sorvete na mão e com a colher na boca resmungou:

-Deixe-me adivinhar? Vocês ficaram juntos.

– Sim, e foi muito bom.

– Da para ver pela sua cara que foi ótimo.

Sorri timidamente e perguntei:

– E você? Como foi seu dia?

– Foi ótimo, passei com meu amorzinho.

– Quando você vai me contar quem é esse cara?

– Semana que vem, ele virá almoçar com a gente, no sábado.

– Hmmmm, finalmente vamos conhecer o tal homem gato – depois de mais um tempo conversando sobre tudo, fomos dormir.

A semana passou voando, Conrado e eu estamos mais próximos do que nunca, passamos quase todas as noites juntos e fica cada vez melhor a cada noite que se passa. Quando o sábado chegou, nós nos reunimos em casa e quando a Liza chegou com um homem chamado Caleb, que por acaso é o melhor amigo do Conrado, almoçamos, conversamos muito sobre muita coisa e deu para ver como eles estão apaixonados. Depois de uns quatro meses eu mudei para o apartamento do Conrado e Caleb se mudou para o apartamento que era meu e da Liza, eles têm estado tão próximos quanto eu e Conrado, fico muito feliz por eles, ela nunca de fato se apaixonou, a chegada dele mudou muita coisa, assim como o Conrado na minha vida.

Hoje é sábado, Conrado saiu para ir ao mercado, ele me chamou, mas resolvi ficar e organizar a casa. Liguei uma música, comecei a recolher a louça espalhada pela casa e estranhamente me senti tonta, tudo girava, senti-me tão mal que tive que apoiar no balcão da cozinha, logo a tontura passou me recompus e continuei a arrumar a casa, logo depois que limpei os outros cômodos, fui lavar a louça, Conrado entra então falando:

– Oi meu amor, eu trouxe para você aquelas uvas que você tinha me pedido e também a pizza de calabresa – fala todo sorridente me dá um beijo calmo e continua – O que você acha de irmos na casa dos seus pais amanhã? Tem um tempo que não almoçamos com eles – fala tirando as compras das sacolas e olha para mim.

– Acho ótimo, amor, eles vão adorar nossa visita, aliás vou ligar para eles agora mesmo – assim que me afastei da pia secando as mãos senti aquela tontura novamente, só que dessa vez foi mais forte e eu quase caí se Conrado não tivesse me segurado e falou muito preocupado:

– Violeta, você está bem? O que você tem? – Ele me pegou no colo e me levou até a cama, me deitando com delicadeza e falou – Vou pegar um copo de água para você.

Saiu e logo voltou com a água e eu finalmente falei:

– Já estou melhor…