O Dia do Amanhã – Capítulo 2

Ola bom dia, Boa tarde, noite ou madrugada ❤❤

Sejam todos muito bem vindos a mais um capitulo, eu espero muito que vocês gostem.
Teremos capítulos aos sábados e eu espero ver vocês por aqui.

Antes de começarem a leitura, eu vou deixar o link com a capa do livro e a sinopse, pra quem quiser da uma olhadinha antes de começar ler o livro.

LINK: O novo Livro do Blog – O Dia do Amanhã.

Eu também vou deixar o link dos capítulos que já foram postados!

LINK 1: O Dia do Amanhã – (Capitulo 1)

Espero que gostem, tenham todos uma boa leitura.


O Dia do Amanhã

Capítulo II


O Encontro

A frase fez a mesma parar, ela não ousou mover um músculo, sua vida era preciosa de mais para acabar dessa maneira, com os cantos dos olhos ela viu o homem parado ao seu lado esquerdo, bem mais alto que ela coisa de uns quinze centímetros, branco com os cabelos negros, fazendo um contraste perfeito, o corpo pelo que pode perceber era forte, ombros largos e maxilar marcado, nariz fino e boca levemente carnuda com um leve tom de rosa, havia um corte no canto da mesma lhe mostrando que ele passou apuros ante de estar ali, só então olhou nos seus olhos ônix, parecia duas pedras de tão frio que eram.

Segurava a arma com força e de modo correto, ele com toda a certeza sabia o que estava fazendo, o cano frio em sua cabeça lhe deixava nervosa, não havia morrido para aquelas coisas que estava lá fora, mais acabaria morrendo ali, por uma pessoa que tinha plena consciência do que fazia. Ele afasta o cano de sua cabeça e seguiu para frente da mesma, em nenhum segundo tirou os olhos dos dela, assim que estava a sua frente começou a se aproximar.

O medo começou a consumi-la, querendo ou não ela ainda era uma mulher e ele um homem com uma arma apontada para sua cabeça, podia fazer o que bem entendesse com ela, se assim deseja-se. Ela estava ofegante e a cada centímetro que ele se aproximava a deixava ainda mais aterrorizada, as lágrimas queriam cair, mas ela não passaria esse vexame na frente de um estranho, não mostraria o medo que ela estava sentindo, não deixaria que ele a viesse assim tão fragilizada.

– Coloque a faca em cima da mesa – Sua frase assim como a outra soava fria, mostrava que era ele que estava no controle. Andou lentamente até a mesa fazendo o que ele havia mandado – Encosta na parede – Curto e grosso, isso estava a deixando irritada, se ele ia a matar fizesse logo, ela queria conversa com ele, negociar sua vida.

Assim que encostou na parede sentiu a mão dele em seu corpo, fechou olhos e esperava pelo que vinha a seguir. Mais para sua surpresa o toque do mesmo não era nem um pouco indecente ou com segundas intenção, estava mais para bruto, e foi então que entendeu, ele estava a revistando. Passou a mão por seus braços, pernas e troco para só então a virar.

– Qual o seu nome – Ele havia se afastado e baixado a arma, ela já não era mais uma ameaça não daquele modo, sem armas ou facas.

Quando a mesma iria responder a porta da casa foi aberta e por ela passou um homem loiro aparentava ter seus vintes anos, assim como o moreno ele era alto com porte atlético, os olhos azuis pareciam duas safiras e faziam um ótimo conjunto junto com os lábios finos e o nariz aristocrático, as bochechas rosadas mostravam que ele havia corrido a poucos minutos atrás, mas o sorriso abeto exalava uma felicidade contagiante. Em sua mão estava Mid, a provável causa das bochechas rosadas, que tentava a todo o custo se livrar do aperto que o loiro o dava, mas assim que a viu parou de tentar se livrar e começou a chorar, fazendo o coração da mesma aperta.

  – Por favor solta ele – A mesma pediu olhando no fundo dos olhos azul piscina do loiro, seu tom era brando e agonizante, os olhos estavam com lágrimas, seus dentes mordiam o lábio inferior com tanta força que já começava a sentir o gosto de sangue, o loiro apenas a encarava como se estivesse lembrando de algo, o bichano fazia cada vez um som mais alto, ela estava preste a implorar novamente, quando o loiro colocou o felino com todo o cuidado no chão, o mesmo assim que sentiu suas patas tocar o assoalho saiu em seu encontro a si, se enroscando em suas pernas. Antes mesmo que ela pode-se agradecer o moreno voltou a perguntar

– Qual o seu nome? – Ao voltar a sua tenção para o moreno, ela viu seu rosto sério e frio, ele lhe deva medo, ele andou calmamente até o loiro que estava do outro lado do cômodo, assim que estavam um do lado do outro ela pode ver a diferença dos dois. O moreno era um pouco mais alto que o loiro e seu rosto estava sempre sério, ele a olhava como se ela fosse uma ameaça e que a qualquer minuto iria retirar uma arma e matá-lo. Já o loiro estava com um sorriso de canto e um olhar amoroso e reconfortante, provavelmente ele não a via como uma ameaça, apenas como a menina assustada.

– Cherry – Sua voz saiu baixa e trêmula mostrando quanto medo ela estava, sua vida estava em jogo e ela não estava disposta a morrer pra nada que não fosse aquelas coisas lá fora, os dois se entreolharam e o loiro deu um passo à frente para poder interagir com ela, mas antes mesmo que ele abrisse a boca ela resolveu intervir – Eu só quero ir embora, prometo que saio pela aquela porta e vocês nunca mais vão me ver, só por favor não me machuque – A última frase fez os dois se espantarem.

Não tinha medo dos zumbis lá fora, já havia matados tantos deles que se não fosse uma horda não tinha motivo para tal ato, porém conhecia a crueldade dos humanos, quando tudo aconteceu fez o lado mais perverso dos humanos serem aflorados, tinha plena noção disso, o loiro chegou até a mesa onde estava a faca e a pegou, o coração da jovem parou e sua vida passou diante de seus olhos, se ela iria morrer ali e ela não queria ver.

Começou a lembrar de todos que morreram, seus amigos, sua família, e Caleb… Haviam sacrificado tudo por si, deram sua vida por ela, seu coração sangrou só de pensa como ele estaria agora, ela iria morrer e se juntaria e a todos que mais amava e esperava do fundo do seu coração que eles não ficassem bravos com ela por estar sendo fraca.

– Meu nome é Brian e aquele é o Trevor – Ele parou poucos centímetros de si, sentia o calor de seu corpo, de olhos fechados, sentiu ele pegar sua mão direita, ele realmente era quente muito quente – E ninguém vai te machuca – Sua frase tirou um peso enorme de seus ombros, as esmeraldinos abriram focando suas mãos juntas, ele abriu sua mão e colocou a faca na mesma antes de fecha-la novamente – Me conte sua história pequena.

Continua…


TAARAAMMMMMM
Esse foi o capitulo dessa semana, eu espero que vocês tenham conseguido idealizar como são os meninos, eles são fisicamente.
qualquer duvida é só falar, lembrando que criticas construtivas são sempre muito bem vindas.

Kiss de Cereja, vejo vocês na próxima.

Eu não sei o que eu sinto, só estou incômodada, com a nossa história inacabada.


Você me magoou, ao ponto de eu não conseguir escrever nada sobre você, muito menos, escrever algo sobre nós. 

Todos me dizem, que eu devo lhe esquecer.  
Dizem, que a minha vida eu devo seguir.  
Alguns, dizem que eu devo deixar você amadurecer.  
Já me disseram, que uma hora você iria perceber, até mesmo se arrepender.  
Todos esses conselhos, um dia vão me fazer enlouquecer, porque quando se trata de você, eu não sei o que fazer. 

Andávamos juntas e de mãos dadas, pra lá e pra cá.  
Eu lhe me mandava mensagem, dizendo: vem cá.  
Éramos grudadas, feito cola.
Eu ia na sua casa e você na minha, nos tratavamos feito namoradas.  
Você era o meu Pudimzinho e eu a sua Maluquinha.
A nossa loucura combinava.  
A lembrança do seu sorriso, até hoje ilumina o meu dia.  
Eu te chamava de melhor amiga, aliás o que você fez com ela? 

Íamos no shopping, entravamos em diversas lojas, não saiamos sem comprar blusinhas iguais, também comprávamos coxinha e Coca-Cola.  
Assistíamos um filme de terror no cinema ou debaixo das cobertas, sempre deitadas na minha cama.  
Juntas, voávamos alto, feito duas gaivotas.  
Vivemos, choramos, nos abraçamos, riamos até o amanhecer, 
demos os melhores roles.  
Madrugada de Void, muita cachaça, eu te passava o baseado, soltavamos fumaça pra todo lado.
Gritavamos alto, pro mundo inteiro saber:  
Somos Best Friends Forever.  
De novo, o que você fez com a minha melhor amiga? 

Eu não sabia descrever o que sentia por você e muito menos você por mim.
E agora, eu não sei a razão de estar escrevendo tudo isso. 

Me vem na memória, todas às lembranças mais aleatórias sobre nós duas.  
Lembranças, que eu nunca vou poder rimar.  
Um resumo sobre nós: uma declaração de amor, um selinho, estação de trem e metrô, nós duas andando pelos corredores da estação, muita troca de olhares e sorrisos envergonhados, um Uber e verdades foram ditas.  
Depois, muita cachaça e maconha, um beijo triplo, o nosso primeiro beijo com direito a plateia e mais e mais declarações…  
Tudo isso pra quê? Pra te ver partir? 

Naquela merda de mensagem, você me disse: “eu também gosto de você, se eu pudesse em jogaria tudo pro alto e ficava com você, eu nunca vou te deixar, você não vai me perder.”  
No final, eu perdi.  
Você não disse, mas a sua ação disse por você:  
“Eu não vou poder te escolher.”  
Com seu ex, você voltou.  
Você errou.  
Porque, eu nunca precisei que me escolhesse, precisava que fosse a minha melhor amiga. Mas que merda, o que você fez com ela? 

Não tomávamos Red Bull, mas nossas asas voavam alto, sem parar.  
Me diz: você parou de me amar? Senão, porque me deixou sozinha, voando até agora. 

Eu pensei que escrever sobre você, fosse ajudar aliviar a falta que eu sinto. 
Escrevo, escrevo e as palavras nunca bastam 
Eu não sei o que eu sinto, só estou incomodada, com a nossa história inacabada. 
Essa dor, só vai diminuir, na hora que eu te encontrar 
E dizer tudo que está entalado na garganta. 
Mas a vida anda e talvez eu nunca diga nada. 

Eu fico pra lá e pra cá, na minha vida eu tento me concentrar. 
Já procurei motivos pra essa história toda acabar. 
Eu não sei a razão, pra ainda querer uma solução. 
Eu não consigo acreditar… 
Talvez eu queira, uma simples resposta pro meu coração. 
Eu ficava assustada e sem chão, você sempre estava lá.
Guiava o meu caminho com a sua luz, sempre me salvando da escuridão 
Eu me lembro de sermos luz uma pra outra. 
Você era o meu abrigo nos dias de tempestade, você nunca me deixava sozinha e muito menos na mão. 

Como eu queria te dizer tudo o que eu sinto. 
Quando se trata de nós duas, eu entro em um abismo de sentimentos. 
Eu sinto a sua falta, você deixou a sua marca na minha alma. 
Eu imagino como você está, se se sente sozinha. 
Eu sempre lhe desejo, dias de alegria. 
Detesto saber que está triste. 
Odeio mais ainda, ler que está se despedindo aos poucos. 
Já estou na décima estrofe e não escrevi suficiente. 
Eu preciso encerrar essa escrita, mas antes eu preciso te lembrar de uma coisa: 

Todas as vezes que se sentir sozinha e insuficiente. 
Se lembre: pra mim, você sempre foi mais que suficiente. 
Se você se sentir, perdida, confusa, pedindo socorro, com o coração sangrando. 
Não se esqueça, que eu também sei como é sentir tudo se desmoronando. 
Então, nunca se esqueça, você sempre pode vim pegar na minha mão. 
Não importa como as coisas acabaram, 
eu sempre vou te levar no meu coração. 
Quando se sentir destruída, sozinha, com frio, sem saber pra onde ir 
se afogado no mar, sem ninguém pra te abraçar.
Você sabe onde me encontrar, nos meus braços você pode se abrigar 
Pode ter certeza, que em mim você pode confiar.
Nunca lhe dei motivos pra desconfiar, eu nunca vou te decepcionar, 
Se lembra quando eu lhe disse: “para sempre.” 
Eu nunca brinquei, eu quis dizer para sempre de verdade, pra toda eternidade. 
Eu sempre vou estar por aqui, você sabe onde me encontrar. 
Não desista, me leve no seu coração. 
Eu sempre vou poder ser encontrada por você. 
Eu sempre vou te puxar do fundo do mar. 
Eu nunca vou te deixar partir. 
Eu vou te iluminar na escuridão.
Porque eu sou uma guerreira, já me despedacei antes, 
estou sempre em prontidão, com minha espada e escudo na mão .
Eu sempre vou lhe estender a mão. 
Não desista, me leve no seu coração. 
Pois, sempre será o seu coração, que vai te guiar de volta pra mim. 
Quando precisar, eu estarei aqui 
Não hesite em me procurar, sempre estarei esperando. 
Você, sempre saberá o caminho pra me encontrar. 
Sempre será a minha Pudim. 

Se precisar, não ouse esquecer 
Você sempre saberá onde me encontrar. 

Autora: Milena Alves (Mila)


Normalmente, quando eu escrevo meus rabiscos, poesias, textos, como vocês estão cansados de saber, eu não dou rotulo para os meus textos, mas continuando o que eu quero falar…

Escrever esse texto, foi muito difícil, foi o texto mais doloroso que eu já escrevi, nunca imaginei que eu fosse postar esse texto, mas sabia que um dia iria postar pra você e por vocês, pois esse texto é sobre amizade, sobre coisas que dão certo e que dão errado, coisas que começam e acabam, sobre sentimentos sinceros e inacabados, sobre coisas que não tem o nosso controle, é um texto sobre amor, pode ter certeza, que tem muito amor, mas também um texto de auto conhecimento, um texto sobre a liberdade de perder… Tipo um adeus, mas sem dizer adeus, entende? Sabe quando seus pais resolvem se mudar de casa, bairro ou cidade e você não quer ir de jeito nenhum? Você chega a dar adeus aos seus amigos, mas dizendo que não vai embora pra sempre e que em breve vai voltar? Eu não sei se vocês já tiveram essa experiência, mas eu já e muitas vezes, eu sempre me mudei de casa, cidade ou bairro, meus pais sempre se mudaram e olha que eles não são ciganos, eles realmente gostam dessa vida de mudança. Mas, assim como eu mudei de casa varias vezes, em uma dessas mudanças eu cheguei a morar em bairros ou casas que já havia morado antes, não era igual antes, mas era melhor, que aquecia o meu coraçãozinho… Eu sei que viajei nessa história e exemplo… Mas o que eu quero dizer, é que pessoas chegam na nossa vida e marcam pra sempre e quando vão embora, marcam mais ainda, não importa o motivo, se aquela pessoa era importante, se ela foi embora, sendo que o seu desejo era que ela ficasse, realmente vai doer, mas não vai doer pra sempre, vai ter altos e baixos, não reprima seus sentimentos, se quer chorar? chore, se sente falta? Então, sinta, se puder dizer que sente falta, então diga, não tenha medo de sofrer e de sentir o que está sentindo, não esconda seus sentimentos, só porque fulano não sabe assumir o que sente e fica pagando de superado, fazendo aquele jogo: “eu me importo menos que você.” Fala sério, isso é ridículo! Seja sincero com você e com seus sentimentos, sinta tudo que tiver que sentir, não tenha medo porque só assim você encontrar formas de superar, eu sei, estou dizendo muitas coisas, pois eu sou uma dessas pessoas, que está dando tempo ao tempo, e realmente, as coisas estão melhorando, cheia dos altos e baixos, mas bem. Mas sendo mais direta, o que realmente quero dizer, não guarde rancor de pessoas que te magoaram, de pessoas que fizeram você rir muitas vezes e que secou a suas lagrimas e te aqueceu quando mais precisou, seja grato, seja aberto, não se culpe e perdoe você e aquela pessoa que se foi, porque a certeza que eu tenho é que algumas pessoas são como pássaros, você deixa voar, voar bem alto e pra bem longe e talvez, mas só talvez ela não se esqueça o caminho de volta pra casa e saiba onde te encontrar, mas se caso o pássaro não voltar? Bom, eu ainda não sei essa resposta, mas acredito que se caso o pássaro não volte, você já nem esteja mais esperando ou nem morando no mesmo endereço… Ou um novo pássaro, chega cantando em sua porta.

Eu nunca deixo uma nota em baixo dos meus textos, muito menos explicando o porque desses sentimentos, mas esse texto é importante pra mim, porque eu quero que ele seja luz, pra todas vocês que lerem esse texto, pra que saibam que nunca estão sozinhas, para que envie esse texto pra aquela pessoa amada que está sempre com você, para que esse texto te lembre que quando se sentir só e que tudo está perdido, vocês sabem onde me encontrar, sabem que do outro lado da tela eu mesma, a famosa Mila, vai estar esperando por vocês e no mesmo endereço.

Se cuidem e não desistam nunca! Você não está sozinho!
Beijos da Mila!
Gratidão!