FANFIC: COLEGA DE QUARTO. (PART.13)

Olá minhas Luas, como prometido, o capitulo da semana, eu espero que vocês gostem!

Pra quem ainda não leu o Capítulo 1 e os outros capítulos, vou deixar o link aqui em baixo:
Capítulo 1: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 2: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 3: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 4: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 5: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 6: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 7: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 8: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 9: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 10: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capítulo 11: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.
Capitulo 12: Fanfic: Colega de Quarto – Rommate.

Boa Leitura!


Reviravoltas.

19:10 PM

Estava muito magoada, eu nem ao menos sei porque a Nancy tem tudo aquilo comigo, eu só precisava de alguém pra conversar, nunca pensei que fosse odiar tanto ficar sozinha. Não aguentava mais ler e contemplar os arredores, nem a vista da janela é tão bonita. Só conseguia pensar na Cassie e pior ainda era saber que as duas no final do dia iriam se encontrar no mesmo quarto. Estava prestes à surtar. Faltavam três dias pra semana com os pais, o internato inteiro espera por isso, e acredite, eu também. Preciso rever meus colegas e sentir o que é dormir novamente na minha cama.
Decidi ir jantar, estava sem fome no momento, porém, aqui tem horário pra tudo. Coloquei meus sapatos e fui em direção ao refeitório. A sensação que tenho é que todos me devoram com os olhos, estava de saco cheio, tudo estava me irritando. O cardápio era macarrão com queijo, pra variar um pouco. Não queria nem ter contato visual com ela. Fui sentar e August já estava lá.

-Lari! Pensei que não iria comer! -Falou rindo.

August tem um senso de humor admirável.

-Eu não ia. -Falei. -Estou sem fome… -Falei.

August deu uma garfada e me olhou estranho.

-Sua falta de apetite me cheira a uma garota de cabelos curtos. -Falou.

Estava com muita raiva da Nancy e um pouco magoada com a Cass… Eu só queria um tempo pra refletir.

-Ai… Eu não quero nem saber de ninguém. -Falei.

-A Nancy tem te irritado demais, né? -Perguntou.

Fiquei em silêncio.

-Eu também surtaria no seu lugar. -Falou. -Mas… você precisa confiar nela. -Falou me encarando.

Eu sou um mix de insegurança e ansiedade…

-A Nancy me provoca demais, Gus. -Falei coçando a cabeça. -Eu fui no vestiário conversar com a Cass… Sei que é errado e não era o momento… Ai ela chegou e disse várias coisas pra Cass, na frente de um monte de meninas. -Falei num fôlego só.

August arregalou os olhos.

-De fato, essa piranha passou dos limites. -Falou enfurecido.

Pelo menos ele concordou comigo, sinal que eu estou surtando com razão.

-Mas… O que a Cass tem com isso? -Perguntou.

Fiquei em silêncio.

-É o que eu sempre falo, se uma pessoa escolheu estar com você, ela vai estar. Independente de tudo. Não vai ser uma ex que vai mudar tudo. -Falou segurando uma das minhas mãos.

August sempre tem as melhores palavras, tento não concordar, mas é quase impossível… Talvez eu tenha sido dura demais com a Cass.

00

Voltei pro quarto e fiquei de olho no horário, precisava ir até ela. Fui pelos cantos do corredor e finalmente cheguei no banheiro. Ouvi uns ruídos e encontrei Cass dentro do quartinho, bebendo todas com a Nancy.
Meu coração estava saindo pela boca.

-É sério? -Perguntei com os olhos cheios de lágrimas.

Cass saiu às pressas e tentou me puxar.

-Espera, por favor, eu não fiz nada. -Falou segurando meu braço.

Nancy estava completamente alterada.

-Não vou discutir com ninguém fora de si. -Falei puxando meu braço.

Cass me segurou novamente e me jogou contra a parede.

-Lariesce, pelo amor de Deus, eu não estou fora de mim. Eu não fiz nada, só precisava relaxar… Estávamos brigadas e eu estava mal demais. -Falou.

-O que quer que eu pense? Você e sua ex enchendo a cara em um quartinho, o nosso lugar… -Falei chorando. -Eu não estou exagerando, caralho. -Gritei.

Cass tapou minha boca com uma das mãos.

-Você quer foder com tudo? -Sussurrou.

Nancy levantou e ficou escorada na parede.

-Você é desequilibrada, Lariesce. Não estávamos fazendo nada demais. -Falou grogue.

Eu só queria ir embora, deixar tudo pra trás e fingir que nada disso aconteceu.

-Cassie, dá pra parar de esconder isso dela? -Falou.

Cass me encarou e abaixou a cabeça.

-Esconder o que Cassie? -Falei a empurrando.

Estava em prantos, meu coração estava acelerado e minhas mãos geladas.

-Esconder que ela ainda gosta de mim, Lariesce! Que ela nunca me esqueceu. -Falou rindo.

Tudo ficou em silêncio. Olhei pra Cassie e sai correndo até o meu quarto. Não estava nem aí pra mais nada. Pude ouvir seus gritos do banheiro enquanto corria, estava totalmente despedaçada. Só queria chorar e chorar, o quarto vazio me permitiu revirar tudo. Sentei na janela do quarto e fiquei horas pensando em tudo. Vi o dia clarear pouco a pouco e eu nem tinha dormido. Não sei dizer em palavras o que estava sentindo… Não acredito que isso aconteceu.

00

             •CASSIE MIGDTON•
                        18:48 PM 

Após o ocorrido do vestiário, voltei pro quarto e fiquei deitada, pensando em tudo… A Lari está estranha demais, mas… Eu entendo que tem muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo. Nossa separação de dormitório, os problemas com os pais e ainda pra piorar a nova colega de quarto dela aparece abortando de madrugada. Ela é forte demais… Isso é uma das coisas que mais me encantam nela. Ela só parece ser insegura, mas sempre topa fazer todas as loucuras que eu proponho, muitas vezes sem cogitar antes.
Eu odeio ciúme, pois com eles vem cobranças e tudo acaba ficando uma merda. Namorei com a Nancy quase sete meses, nosso relacionamento nunca foi saudável, ela é muito manipuladora. Pensei que seria um inferno dividir o quarto com ela, mas… Ela até que amadureceu bastante. Sempre soube que a Lariesce iria ficar muito aborrecida, por isso nem quis dizer que ela era minha ex,
porém… notícias correm rápido por aqui.
Ouvi um tranco e era Nancy, andando feito um pato.

-O que houve? -Perguntei.

Ela riu e tirou uma bebida do meio das pernas.

-Meu Deus, onde você arrumou isso? -Perguntei.

Nancy se jogou em cima da minha cama.

-Isso é a felicidade em forma de líquido! Vodka! -Falou rindo.

Levantei e acendi um cigarro.

-Entendi… Isso pode dar um problemão. -Falei dando um trago.

Nancy me olhou surpresa.

-E fumar também não dá problema? -Perguntou.

Fiquei em silêncio e apaguei o cigarro.

-Você já foi mais aventureira. -Falou.

-Fumar não embriaga ninguém. -Falei. -Pessoas mudam, Nancy. -Falei sentando.

-Eu sei… Isso tudo é por causa da briga de vocês? -Perguntou colocando uma dose em um copinho descartável.

Fiquei cabisbaixa.

-Isso não te interessa, assim como você não devia ter se intrometido na nossa conversa. -Falei.

Nancy levantou e ficou me encarando com um olhar debochado.

-Me desculpa, eu sou muito impulsiva, você sabe… Eu não fazia idéia que ela ia surtar daquele jeito. -Falou.

Fiquei em silêncio.

-Me desculpa, vamos ficar bem, por favor? -Falou sentando-se ao meu lado.

Fiz que sim com a cabeça.

-Vamos beber, vai… Eu sei que já tem muitos meses que você não bebe. -Falou me oferecendo uma dose.

Eu sei que não era pra ter aceito… Estava muito estressada e precisava relaxar um pouco.
O problema é que… Eu não parei na primeira.
Quando me dei conta estávamos no quartinho que eu me encontro com a Lari, não sei como ela descobriu e eu não sei como me permiti fazer isso tudo.

-Nancy, preciso dormir. -Falei grogue.

Ela ria sem parar, estava totalmente fora de si. Ela começou a tentar a tirar minha blusa, eu não tinha nem forças pra impedir. Até que a Lari abriu a portinha e eu nem tinha ouvido ela chegar. Estava bêbada, mas estava muito ciente dos meus atos, sabia que isso iria causar o maior alvoroço.
Tudo aconteceu e eu não consegui nem me explicar, ela estava enfurecida. Ela foi correndo de volta pro dormitório e eu não fiz absolutamente nada.

-Qual é o seu problema? -Gritei.

Nancy sentou-se no chão.

-Eu só disse a verdade… -Falou grogue.

Por que eu não consegui me defender?!

-Que verdade, Nancy? Não existe essa merda de verdade que você criou nessa sua cabeça. -Gritei.

-Se não fosse verdade você teria desmentido, Cassie. -Falou. -Eu faço isso tudo, porque eu detesto te ver com a Lariesce. Eu sempre amei você. -Falou levantando.

Fiquei perplexa, não sabia o que dizer. Estava confusa demais. Eu não tinha dúvidas do meu sentimento pela Lariesce… Mas de algum jeito a Nancy mexia comigo. Eu preciso me resolver…

-Por que não desmentiu? -Gritou.

Fiquei em silêncio e corri em disparada pro pátio. Minha maior vontade era ir até a Lariesce, mas… não sei se era o certo.

00
LARIESCE GRACE
06:12 AM

O alarme tocou e eu já estava pronta, vesti a roupa de qualquer jeito e fui pra aula. Pra variar, eu tinha teste de matemática e acredite, eu fui descobrir bem no dia. As coisas estavam indo muito bem por aqui.
Me sentei e vi Cassie no fundo da sala dormindo, pelo jeito não era só eu que não havia dormido. Acho que chorar tanto me fez perder totalmente o sono. Não vejo a hora de ir embora.

00

Terminei a prova em menos de vinte minutos, estava decepcionada comigo. Estava com muitas faltas e minhas notas estavam baixíssimas, estava a beira da reprovação. Acho que alguns males vem para bem, vou focar mais nas aulas e estudar redobrado, deixar o relacionamento um pouco de lado.
Fui direto pra biblioteca e fiquei estudando horas pra recuperação que tenho quase certeza que irei ficar.
Uma menina sentou-se na mesma mesa que eu. Tentei não encara-la, mas confesso que seu jeito me deixou curiosa. Ela era morena, cabelo cacheado e usava óculos. Era extremamente focada e não parava de escrever. Não deixei de observar os livros que ela carregava, dois eram de ficção e outro de romance.

-Que vergonha… -Falou escondendo os livros.

Fiquei totalmente vermelha… Droga!

-A-h, me desculpa! Eu estava viajando… -Gaguejei.

Ela riu.

-Romance não é muito a minha praia, prefiro ficção… Decidi ler esse só por curiosidade. -Falou.

Ela tinha a voz forte e suas pupilas ficavam dilatadas quando ela falava.

-Ah… Sempre bom mudar, né? -Falei.

Ela fez que sim com a cabeça.

-Você lê? -Perguntou.

Sinceramente gostaria de dizer que sim, mas… Desde que cheguei aqui eu não peguei em um livro… Quando eu me deixei de fazer o que sempre gostei?

-Não… É… Eu lia muito antes de entrar aqui. -Falei.

Tudo ficou em silêncio.

-Me chamo Anne! -Falou.

Ela realmente tinha cara de Anne.

-Ah… Me chamo Lariesce. -Falei. -Mas pode me chamar de Lari, é bem cansativo pronunciar ele todo. -Falei rindo.

Ela riu. Notei que ela estava tentando ver o que eu estava fazendo.

-Eu adoro essa matéria, se quiser ajuda… -Falou.

Fiz que sim com a cabeça.
Era tudo o que eu precisava… Por um momento esqueci de tudo e consegui me sentir bem.

00

Fui almoçar, estava faminta. A Anne nunca comia no refeitório, queria me juntar à ela, só que ainda estava cedo demais pra isso.
No caminho passei pelo meu antigo quarto, não vou mentir que estava sentindo muita falta. Parece que nada é bem resolvido aqui, eles acobertam tudo e a Chloe e seu “bebê” vão ser os próximos.
Senti uma presença nas minhas costas e um perfume que eu conhecia bem. Era Cass… E eu estou me sentindo uma completa idiota por estar parada na frente da porta dela.

-Ei, Lari. -Falou.

Sai da frente da porta e continuei a andar.

-Vem aqui, por favor. -Suplicou.

Fiquei em silêncio.

-Eu preciso te explicar tudo. Eu te imploro… -Falou.

Explicar o que está óbvio… Tudo me dizia pra não ir, mas eu fui. Entrei e notei que a Nancy era pior do que a Cassie.

-Senta aqui. -Falou.

Fiz que não com a cabeça. Seus olhos estavam fundos, seu olhar de preocupação me consumia.

-Eu vou ser totalmente sincera com você, como eu sempre fui. -Falou me encarando. -Antes de qualquer coisa… Eu amo você. -Falou com os olhos brilhando.

Meu coração estava em pedacinhos, ouvir que ela me amava só me fez sentir vontade de chorar.

-Eu namorei a Nancy sete meses antes de você chegar… E eu estou com você á cinco meses e nunca senti isso por ninguém antes. -Falou.

Fiquei inquieta, precisava chorar e não queria fazer isso na frente dela.

-Mas eu não posso mentir que estou confusa quanto ao meu sentimento… Eu tenho total certeza do que sinto por você, mas não tenho certeza do que eu sinto pela Nancy. Eu acho que é loucura, mas conviver com ela me fez lembrar de muita coisa, inclusive das coisas ruins que passei com ela. -Falou chorando.

Desabei, não conseguia olhar no rosto dela. Cass se levantou e tentou me abraçar.

-Eu não quero perder você, eu acho que estou pirando. -Falou.

Minha visão estava turva de tanto chorar.

-Me deixa, me solta. -Falei a empurrando.

Cass desabou. Nunca tinha visto ela daquele jeito. Eu amo essa garota, mas é tão difícil ouvir isso tudo e tentar entende-la.

-Lariesce… Me perdoa. -Falou.

Respirei fundo e sequei meus olhos.

-O que quer que eu faça? Que eu te espere decidir com quem fica? -Perguntei.

Cassie levantou e trancou a porta.

-Eu não quero que me espere, eu não vou ficar com ninguém. Eu só preciso de um tempo… Só um tempo. -Falou.

Engoli seco. Minha cabeça estava estourando.

-E você realmente acha que tudo vai ser como antes quando você se “decidir”?! -Perguntei. -Pelo amor de Deus, Cassie… Você dorme do lado da sua ex namorada todos os dias e ela mesmo já deixou claro que ainda gosta de você. -Gritei.

Estava totalmente fora de mim. A dor que estava sentindo me corroía, me deixava sem ar.

-Eu nem sei o que ainda sinto por ela e eu tenho certeza que isso é uma confusão da minha cabeça. -Falou.

Respirei fundo e fiquei esperando ela terminar pra ir embora. Não aguentava nem olhar pra ela.

-Eu preciso saber o que sinto. -Falou.

Cass se aproximou e me encarou. Seus olhos de alguma forma me tiravam de órbita, eu me rendia à ela… Mesmo tendo todos os motivos pra acabar com tudo. Quando me dei conta estávamos nos beijando. Me afastei rapidamente e limpei os lábios.
Estava me sentindo um lixo.

-Eu amo você… -Falou.

Fiquei em silêncio e fui embora. Eu só socar algo, estava me odiando, me sentindo usada… No mesmo lugar que demos o nosso primeiro beijo, em circunstâncias diferentes e dentro de sentimentos totalmente ao contrário, tudo parecia ter sido encerrado ali.

00

[…] Dois dias depois.

Era dia de visitar meus pais, estava destruída, porém, conformada. Não via a hora de entrar no carro e sumir desse lugar. Talvez eu nem volte…
Arrumei minhas coisas e fui pro portão principal. Vi pessoas que eu nunca havia visto antes, esse lugar é de fato muito grande.
August veio correndo me dar um abraço, uma das poucas pessoas que estavam me mantendo ali ainda.

-Meu Deus… Você está acabada. -Falou rindo.

August era bem direto, não sentia nem medo de me machucar.

-Eu sei… Muitos problemas. -Falei.

August me olhou preocupado.

-O que aconteceu? E por que você não me contou nada ainda? -Perguntou.

Não queria falar mais nada sobre isso… Mas sinto que eu devia.

-Gus… Eu não posso te contar isso aqui. Vai lá em casa essa semana. Eu te mando uma mensagem e te passo o endereço. -Falei.

August ficou pensativo.

-Eu estou morrendo de curiosidade e preocupação. -Falou.

Notei que Gus estava encarando demais um grupo de meninos.

-Por que você tanto olha pra lá? -Perguntei.

August ficou sem graça e mudou de assunto.

Eu não sei se estou pirando, mas… Será que August é gay?

-Nada, é que tem um babaca do futebol ali que vive falando mal de mim. -Falou.

Dei risada.

-Sei… -Falei.

August ficou em silêncio. Logo um carro chegou e ele saiu em disparada. Me deu um abraço que fez com que seu cheiro ficasse em mim durante horas.
Não vi Cass e nem tive notícias desde aquele dia. Acho que ela realmente deve estar pensando… E eu… Estou quase me decidindo.
Meus pais chegaram e eu fui sem pressa… Dei uma última olhada pra trás e vi Cass sentada em um banco sozinha. Sem malas e ainda com o uniforme.
Ela olhou pra mim justamente no momento que olhei pra ela. Meu coração apertou e meus olhos encheram de lágrimas… Eu não sei se vou superar isso tão rápido.

-Lariesce? Vamos? -Falou.

Entrei no carro e fiquei olhando pra trás, pra aquele lugar e pra tudo o que aconteceu em tão pouco tempo… Em como minha vida mudou e em como eu mudei. Acho que é tudo um ciclo e no final voltamos sempre pro mesmo lugar… o exterior permanece intacto, porém, com um pouquinho de nós.

000


Eu espero que tenham gostado capitulo de hoje! Semana que vem, tem mais!

Beijos da Mila!
Gratidão!