Não é só sobre Setembro Amarelo!

Eu não sei bem como começar, faz muito tempo que não venho conversar com vocês, mas eu queria dizer que estou bem, acho que nunca me senti tão bem e que para estar me sentindo assim, eu tive que superar situações que nunca achei que ia passar, ou pelo menos que não ia ser tão já.

Esse ano começou me surpreendendo muito, eu saí de um relacionamento, não foi fácil, mas eu não estava feliz e nem estava sendo eu mesma, o amor se perde e quando você vê, já não existe mais, acontece que eu não tive tempo para raciocinar direito sobre o que eu ia fazer em seguida, eu mal voltei para casa e já tive que sair.

Eu acabei tendo uma perda muito grande, minha avó, com quem eu morava desde os meus 14/15 anos, ela que me dava muitas broncas por andar sem os chinelos, ou não estar muito agasalhada, que me acordava em algumas coisas, me deu conselhos que vou levar para o resto da vida, foi uma dor indescritível ver ela partindo aos poucos, a maneira como ela agradecia todo o cuidado que estava recebendo, eu cheguei a mencionar sobre no texto “Você vem?”. Sobre estar no alto daquele prédio vendo a vida passar, sobre ter que ir embora sem olhar para o que deixei, foram semanas, semanas que fizeram eu mudar completamente a minha maneira de pensar. A gente nunca está preparado para dizer adeus, nem mesmo quando a gente já sabe que a pessoa precisa partir, que sua missão aqui já foi cumprida.

Eu não estava pronta ainda para ver a casa vazia, para não ver ela no sofá, não sentir o cheiro do café de tarde, não ouvir ela andando pela casa de madrugada e abrindo as coisas para comer, nem para não ouvir mais a broncas por estar descalça, eu não fazia ideia da enorme saudades que sentiria e de como demoraria para a dor ir embora, mas eu sempre estive pronta para ser grata por tudo que ela fez, por ser Ela.

Eu estava exausta, sem saber o que fazer e como sair dessa, cansada de carregar todo esse peso nas minhas costas, essa fase como falam nunca passa, não são semanas ruins e nem meses, são anos, consecutivos anos de tormenta, de agonia e cansaço.

Uma boa parte minha já não está mais aqui a um bom tempo, eu me vi apenas acordando no dia seguinte e cumprindo minhas obrigações, eu deitava e me perguntava até quando isso? Até quando essa dor vai pulsar aqui? A depressão é uma tortura.

As coisas simplesmente não mudava, a rotina me sufocava e quando eu pensava que algo ia dar certo, que podia ter esperança, a vida me dava um soco, nada acontecia, eu posso até falar que piorava.

Teve um certo momento em que as coisas começaram a entrar nos trilhos, eu perdoei quem foi tóxico na minha vida, para poder me libertar do peso da mágoa que só estava me fazendo mal, também me livrei das pessoas que não acrescentavam em nada, eu me aproximei das que me fazem bem, pessoas que nunca tinha achado que voltaria para a minha vida, eu mudei meus hábitos e parei um pouco de me julgar tanto, fiz muitas coisas por mim, funcionou por um bom tempo.

É que são tantos problemas, é o fato de ainda não ter superado as perdas, é minha autoestima sempre baixa, eu não me sinto suficiente, é os problemas pessoais, são as metas que eu nunca consigo cumprir, o cara que eu gosto estar presente na minha vida, mas eu não ter coragem de falar vamos? Sabe, para ver o que acontece, se não estou perdendo tempo, é o fato de só me sentir bem quando estou com meus amigos, bebendo alguma coisa forte, não deveria ser assim.

O rolê acaba, cada um vai para sua casa, vai viver a sua vida, tem sua rotina, mas eu tô sempre aqui a deriva, sem saber ao certo o que sinto, vazio, medo, são tanta coisas misturadas que eu me pergunto como alguém que só tem 1,63 de altura consegue sentir tanto, eu tô fazendo uma pequena piada sem graça para a situação não ficar tão deprimente.

A questão é que só esse ano meu coração se quebrou inúmeras vezes, eu me vi no fundo do poço sem saber como voltar, eu pensei tantas vezes em desistir, em como seria mais fácil se eu simplesmente não respirasse mais esse ar pesado, eu pensei em tantas maneiras de fazer a dor parar, tentei de várias formas e quase consegui um dia, eu estava perdida, ainda estou um pouco.

As vezes somos tóxicos para nós mesmo, eu estava sendo e muito. É normal se perder no meio do caminho, sentir que tudo está acabado e não tem mais solução, as pessoas acabam não ajudando com suas críticas cruéis, faz parece que estamos sozinhos nessa vida.

Eu não sei dizer exatamente quando foi que comecei a me levantar, mas eu vi que me entregar a minha dor não era a única alternativa, eu aprendi muito com ela, mas não me acomodei, não fiz dela a minha dependência, tinha que criar coragem e encarar os problemas de frente, mesmo quebrada, se não quem iria fazer isso por mim? Ninguém.

Eu eliminei todos os pensamento ruim, eu chorei tudo que tinha para chorar, procurei fazer o bem, mesmo que para isso eu tivesse que me forçar a levantar da cama, as crises foram parando e quando eu vi já tinha resolvido algumas situações.

Tudo que vivemos são ciclos, alguns são mais complicados, eles machucam, dão medo, faz parecer impossível de lidar, e eu sei que você pode estar passando por um assim, respira fundo, não tenha pressa e muito menos entre de cabeça, vai aos poucos, um passo de cada vez, a gente tem mania de achar que temos que resolver tudo na hora, não temos, por mais que te cobrem e fiquem esperando de você, não é sua obrigação fazer no tempo deles, nem agradar, a sua obrigação é respeitar o seu tempo, seus limites, suas dores e seus medos, tem certas escolhas que podem levar tanto tempo para ser tomadas e tá tudo bem.

Eu mesma vivo me perdendo e me reencontrando, saio de um ciclo e entro em outro completamente diferente, porque a vida é para ser assim, se não mudar fica chata, a gente toma umas decisões erradas, eu no caso tomo várias, não aguento mais, realmente não tem como defender as vezes, mas tá tudo bem também, se tudo sempre for dar certo perde a graça e a gente não leva nada e nem vai ter histórias para contar.

Então manas, tava com saudades de bater um papo com vocês, seguinte, setembro amarelo chegou, esse mês é muito importante para todas nós do blog, então já sabem que vai ter muito conteúdo voltado sobre esse assunto, sem falar que vocês podem sempre ver os do ano passado, eu não sei como tá o coração de vocês, as vezes pode estar confuso, apertado, machucado, mas eu e as meninas estamos aqui sempre tentando fazer com que vocês se sintam melhores, a força que temos dentro de nós as vezes pode acabar nos surpreendendo, não tenha medo de usar ela, não tenha medo dos seus problemas, elas podem parecer maior que você, mas não são, não se acomode no lugar que está te impedindo de voar, saia de relações tóxicas, se afasta de quem tenta cortar suas asas, eu desejo do fundo do meu coração que vocês vejam o quanto a vida pode ser boa, quanta coisa ainda podem fazer e conquistar.
*Não tenha medo de precisar de ajuda durante uma crise, disque: 188 ( Centro de valorização a vida).
Com amor, Abibi. 💛