Conto – Com As Mãos no Volante – Parte 1

Ele faz as malas, pega sua mochila com todos os documentos e dinheiro, entra em seu carro e começa a dirigir, sua primeira parada é em um posto de gasolina, cinco horas depois de sua partida, ele se aproxima do frentista e pergunta: 

“Bom dia, sabe se tem um abrigo para idosos aqui por perto?”  

“Olha chefia, tem sim, você vai pela aquela estrada e vira à direita, vai ter uma placa lá” 

“Perfeito, agradeço, e um bom trabalho” 

Se despedindo ele segue até o abrigo, como indicado, havia uma placa, quando ele entra na casa é recebido por uma enfermeira que o leva até a chefe, pelo caminho ele viu muitos olhares caídos e solitários, sem contar o cheiro que não estava muito bom. Ao adentrar a sala da diretora do lugar ela se levanta e o cumprimenta com um sorriso amarelo, ela se apresenta e pergunta: 

“Meu nome é Clotilde, comando esse lugar, e você quem é?” 

“Meu nome é Ricardo e quero comprar esse lugar” 

Sua expressão de espanto mostrou o quanto aquilo foi inesperado, mas em seguida seu sorriso interesseiro apareceu, como o de todos com quem convivi por muito tempo, via em seus olhos o quanto odiava aquele lugar e o quanto ela não cuidava dos seus hóspedes e isso precisa ser mudado, continuou dizendo: 

“Lhe faço um cheque agora mesmo, mas terá que se retirar até o fim dessa semana, preciso de uma planta do lugar, com um anexo falando sobre todos os cômodos e funcionários e todos que moram nesse lugar, uma ficha bem detalhada sobre todos, mandarei alguém de minha confiança para cuidar desse assunto” 

“Como achar melhor” 

Ela pareceu surpresa e muito contente com o valor que eu lhe ofereci, saio do lugar já pegando meu celular e ligando para Henrique, ele atende prontamente dizendo: 

“Pois não senhor?” 

“Preciso que envie o Carlos para a localização que irei enviar, preciso que ele seja o novo diretor de um asilo, deixarei uma lista com tudo que eu quero que ele faça, ele deverá começar na segunda…” 

“Mas senhor, será a semana do Natal”  

“Sim, eu estou ciente, ele será bem remunerado, enviarei um presente e uma explicação a família” 

“Certo, falarei com ele agora mesmo” 

Ele desliga o celular e entra na cidade mais próxima, já está na hora do almoço e passa em um restaurante, almoça e passeia pela cidade, vai até a prefeitura da cidade e pergunta para uma mulher o que se pode fazer na cidade e ela indicou alguns lugares. Ele vai até o bosque e um lago, muito bonitos, mas não passou muito tempo lá, pegou o carro e prosseguiu seu caminho. 


Notas da autora:

Olá moradores do meu mundo de maquetes, esse é um conto especial, dividido em três partes uma hoje, o próximo no Natal e o último no ano novo, espero que gostem. Boa leitura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s