Recados importantes

Primeiro quero pedir desculpas pelo atraso de postes e não ter vindo dar explicações, vamos lá.

Primeiro quero explicar o motivo que não tenho postado nada, bem eu não tenho por onde postar, tive problemas e não tenho como editar os capítulos e publica-los, por isso não sei dizer exatamente quando vou voltar a postar.

Também quero dizer que essas últimas semanas de quarentena tem sido bem complicado, também é umas das razões do meu atraso.

Outro detalhe é que pensei em reescrever o primeiro livro, de moto que vai acabar influenciando nos outros três livros. Ainda estou chegando a um acordo sobre como vou fazer tudo, mas é isso.

Espero de verdade que estejam bem, e que permaneçam em casa quem pode, e quem não pode peço que siga as instruções de segurança, nesse momento precisamos ser todos cautelosos.

Aqui quem fala é a Porteira de Maquete beijos e arrivederci.

Acidente de Amor – Capítulo 26 – Série Os Freitas – Volume 2

Capítulo 26

Leticia

Depois que a Polly me convidou para o churrasco na casa dela, me senti um pouco acolhida por ela, apesar do que eu fiz. Pouco tempo depois fui embora, assim que cheguei no apartamento, me senti mais sozinha do que nunca, não esperava me sentir tão só assim, tomei um banho quente, fiz um chocolate quente e ainda me enrolei em uma manta. Horas depois eu acordo no sofá deitada completamente desajeitada e com dores no corpo todo, ainda era madrugada, levantei cambaleando e fui para a cama, quando ouso meu despertador tocando, eu levanto e tomo um banho, me visto e vou para a cozinha tomar um café, logo depois vou para a cafeteria, assim que chego vejo Polly com um sorriso encantador no rosto, é incrível como ela sempre está feliz, me aproximo e a cumprimento ela com seu típico sorriso fala:

– Bom dia, Leth – eu sorrio e começo a trabalhar, estou limpando uma mesa quando ela se aproxima e fala – Leticia, já vou fechar, você quer uma carona para minha casa? – Eu dou uma olhada para meu uniforme lambuzado de calda de panqueca e minha blusa com uma mancha de café e respondo:

– Eu realmente adoraria, mas eu tenho que trocar de roupa antes – ela olha para minha roupa e responde:

– Se quiser eu posso leva-la até sua casa, então você se arruma e depois vamos para a minha casa, o que acha? – Eu sorria e respondo em seguida:

– Perfeito – Ela assente e continua:

– Eu só vou trancar tudo e ligar o alarme – Ela se afasta e vai até uma salinha no fundo do café, logo em seguida nós saímos em direção a minha casa.

Assim que chegamos eu subo as escadas e a convido para entrar, ela dá uma boa olhada no meu apartamento e comenta:

– Bela casa, você morava aqui com o rapaz que morreu? – Ela faz a pergunta com certo receio, esperando minha reação, eu apenas digo:

– O apartamento era dele, mas eu pagava as contas na maioria das vezes, então acabou sendo meu – Ela concorda com a cabeça e eu comento – Se me der licença, eu já volto, vou tomar um banho rápido – Ela assente e eu vou para o quarto em seguida para o banho, não demoro muito e logo saímos. Polly estaciona seu carro em frente a uma casa de madeira com uma varanda e duas arvores na frente, é uma casa muito bonita, nós entramos e por dentro a casa é ainda mais bonita, era bem simples, mas encantadora, uma poltrona e um sofá no canto, um tapete felpudo e uma escada que leva para o andar de cima, chegando na cozinha vejo um homem grisalho e alto, temperando a carne e uma moça ao lado fazendo cortando alguns tomates, Polly então fala:

– Olá querido, oi filha, essa é a Leticia, ela é garçonete lá no café e amiga do Arth – eles olham para mim e a filha dela fala:

– Olá Leticia, prazer, Christina, mas pode me chamar de Chris. Foi você que bateu no carro do meu irmão? – Fico um pouco sem graça apenas balanço a cabeça e ela continua – Ah sim, não precisa se preocupar, nós não estamos bravos ou algo do tipo, isso serviu para

fazer ele prestar mais atenção – Eu sorrio e o marido da Polly pergunta:

– Mas então, a senhorita está com fome? – Ele abre um sorriso amigável e eu respondo rindo:

– Estou faminta – Nós continuamos conversando e rindo muito, e mais pessoas foram chegando e acabei fazendo amizade com todos, a melhor amiga da Polly, Liza, é uma mulher adorável, seu marido, Caleb, que por coincidência é melhor amigo de Conrado, marido da Polly, é bastante carismático, conheci também a irmã de Conrado e seu cunhado, são todas pessoas felizes e unidas, por um momento me senti triste, por não ter tido essa união na minha família, conheci o outro irmão do Arthur, Santiago, ele é bem sério, mas bastante educado, todos são, conheci também o tio do Arthur, irmão da Polly, um rapaz alto e loiro, Henry é seu nome, horas depois Arthur chega junto com Emmy e Vanellope e eu estou rindo conversando com sua mãe no quintal do fundo, onde todos estamos, enquanto Conrado está na churrasqueira, ele olha para mim um pouco atônito e eu fico sem reação.

Acidente de Amor – Capítulo 25 – Série Os Freitas – Volume 2

Capítulo 25

Arthur

Acordo cedo e vou ao hospital falar com o médico, assim que chego vou direto ao consultório dele, vejo ele anotando algo em um papel, bato na porta e ele responde:

– Entra. Ah! Olá Sr. Freitas, como vai o braço? – Eu me sento a sua frente e respondo:

– É por isso que vim, gostaria de saber se já podemos tirar o gesso e a tipoia? Já me sinto bem melhor – Ele levanta e dá a volta na mesa, segura meu braço olha com atenção e diz:

– Me acompanhe, vamos tirar o gesso e depois vamos bater um raio x e ver como ele está, tudo bem? – Eu concordo com a cabeça, em seguida vamos para uma sala, onde uma enfermeira tira com cuidado o gesso em meu braço, limpa-o com um lenço úmido e me leva para fazer o raio x, depois mais algumas horas o médico aparece novamente em seu consultório, onde eu o aguardava, ele está com os resultados do raio x em suas mãos, ele coloca em um quadro na parede e acende uma luz para ver melhor, ele começa:

– Vejamos, está vendo aqui? – Ele aposta para uma parte no raio x e continua – Foi aqui a sua fratura, você conseguiu se recuperar bem, vou deixar você sem o gesso, mas vai ter que usar a tipoia por mais alguns dias e tomar muito cuidado, pois se acontecer de você acabar fraturando novamente no mesmo lugar, poderá ficar mais tempo com o braço engessado. Caso sinta dor, um remédio para dor pode resolver, o mesmo que eu já tinha lhe prescrito, tudo bem? Qualquer coisa venha de imediato.

Eu concordo e em seguida vou embora, chego em casa e vejo que Emmy não está em casa de novo, daqui a pouco vou voltar para casa dos meus pais e deixar ela morar com a Lope, ela sempre está com ela e a nossa regra é clara, não é fácil para mim morar com uma lésbica, ela sempre está com alguém e olha que ela consegue as moças mais bonitas, mas bem, a escolha de não namorar mais foi minha, no entanto, é melhor mantermos essa regra básica, para não haver conflitos futuros. Tomo um banho tão relaxante e é um alivia sem aquele gesso, que já estava se desmanchando, saio do banho enrolado na toalha e vou para o quarto, assim que coloco uma calça a campainha toca, pego a camiseta e vou levando na mão e abro a porta, e vejo meu irmão, Santiago, com sua costumeira postura ereta e séria, ele começa:

– Olá, precisamos conversar – Eu abro caminho para ele entrar, coloco a camisa e pergunto:

– Quer alguma coisa para beber, café, água… – Ele me interrompe dizendo:

– Por acaso, você está dando informações pessoais minhas para a Molly? – Eu fico parado apenas pensando e respondo:

– Molly? Não a vejo desde o aniversário dos nossos avós, e porque eu passaria informações suas a ela, se nem eu sei muita coisa do que você faz? – Ele parece pensar e continua sério, ele muda de assunto:

– Como está o braço? Não nos vemos desde que você sofreu o acidente – Eu me sento a frente dele, que havia se sentado na poltrona e respondo:

– Já está bem melhor, hoje eu fui tirar o gesso e tenho que ficar mais alguns dias com a tipoia, mas está bom, mas e você? Vai fazer o curso de direito e ir para a área de investigador mesmo? – Ele se acomoda mais na poltrona e responde:

– Vou fazer o curso de direito, talvez eu vá para a área de investigador, mas talvez vou entrar para a área de delegado civil ainda não decidi – Eu olho para ele e respondo:

– Isso é muito bom, acho que eu sou a ovelha negra da família – Ele olha curioso para mim e pergunta:

– Por que diz isso? – Eu rio e respondo:

– Ora! Você vai ser delegado, Chris entrou para a aeronáutica e eu, bem, eu vou ser arquiteto – Gargalho e ele também, ele responde ainda rindo:

– Foi a sua escolha, nossos pais vão se sentir orgulhosos de nós, e outra, papai adorou que você escolheu a mesma profissão que ele – continuamos conversando por mais algumas horas depois ele foi embora e eu fui na casa dos meus pais.

Acidente de Amor – Capítulo 24 – Série Os Freitas – Volume 2

Capítulo 24

Leticia

Depois que eu cheguei do trabalho eu apaguei na minha cama, nem tomei banho, apenas dormi.

3 meses depois

Quando vejo o sol iluminar minha janela despertei, logo em seguida o celular toca o despertador e eu levo minha mão até o aparelho e desligo, ainda sonolenta, já faz três meses que trabalho no café da mãe de Arthur, consegui pagar toda a multa e o trabalho comunitário. Me levanto, tomo um banho e troco de roupa, pego um táxi e vou para o café da mãe do Arthur, chego lá e vejo ela sentada atrás do balcão e falo:

– Bom dia, senhora Freitas – Ela de imediato olhou para mim e sorriu dizendo:

– A não querida, pode me chamar de Polly, todos me chamam assim, afinal, não sou tão velha assim.

Eu concordo com a cabeça e começo a servir os clientes, limpo algumas mesas e entrego pedidos, o dia passa tranquilo e rápido, estava tão distraída que não notei que já eram quase seis horas. Polly me chama até o balcão da recepção e fala:

– Amanhã vamos abrir só até as onze horas, meu marido e eu estamos organizando um churrasco e não pretendo deixar aberto até mais tarde. Você é amiga do meu filho Arthur, certo? – Fiquei um pouco sem graça nesse momento e respondi um pouco envergonhada:

– Bem, eu acho que estamos ficando mais próximos depois que eu bati o carro no dele…

– Ah sim, entendo – Ela não parecia com raiva de mim, então não pude evitar a pergunta:

– A senhora não está chateada comigo por ter batido no carro do seu filho e quebrado o braço dele? – Nada em seu olhar havia mudado e ela simplesmente respondeu:

– Vou ficar se você continuar a me chamar de senhora – Ela sorri e continua – Olha, vou ser bem sincera com você, eu fiquei sim um pouco irada com você, mas a culpa não foi só sua, meu filho foi avisado diversas vezes a não mexer no celular, enquanto dirige e outra, ele está bem, não é a primeira vez que ele se machuca. Tive uma ideia, você gostaria de ir no nosso churrasco? Seria bem descontraído – Eu não sei o que dizer, eu olho para ela, sorrio e respondo:

– Eu adoraria…

Acidente de Amor – Capítulo 23 – Série Os Freitas – Volume 2

Capítulo 23

Arthur

Depois que ela foi embora, Emmy me olhou com um olhar malicioso e diz: – Leticia? Por um acaso, não é a mesma moça que bateu no seu carro? – Eu olho para o lado e coço a nuca, olha para ela novamente e respondo:

– É, é ela, mas não é nada do que você imagina, nada aconteceu, eu fui ver ela correr ontem e quando eu voltei para cá, você não estava aqui, então ela me deixou ficar na casa dela ontem – Ela me olha meio desconfiada e diz:

– Venha, vamos entrar, você tem que se trocar, você está horrível.

Nós entramos e vou direto para o banho, enquanto a água desce sobre meu corpo, penso novamente nela correndo, depois ela de pijama, apesar de estar desarrumada, estava muito linda. Sai do banho, um pouco atrasado, me troquei o mais rápido que eu pude, chamei um táxi e fui para a firma, assim que cheguei Raphael já aparece bufando e fala com um tom muito sério:

– Para a sala de reuniões, agora! – Eu não digo nada, apenas vou em direção a sala, assim que entro na sala, noto que a outras pessoas na sala, fora os que já trabalham comigo, que eu nunca havia visto, todos de terno e bem vestidos, logo que me sento, Raphael entra com uma pasta e se senta na ponta da mesa e diz:

– Podemos começar essa reunião – Depois de horas lá sentado, vendo eles debaterem e discutirem um tanto quanto alterados, por fim, concluíram que houve um erro do próprio Raphael em um dos

projetos e terá que ser interditado e refeito o projeto e fazer alterações. Já dá para imaginar como Raphael está com raiva, mas bem, ele errou. O resto do dia passou lento e tedioso. Em alguns momentos sonhei acordado com ela, no fim da tarde, depois de sair do trabalho vou para casa muito cansado.

3 meses depois

É uma sexta, acabo de sair do trabalho e decido passar na casa dos meus pais antes de ir para a minha, assim que eu bato na porta vejo um sorriso através da porta de tela e a de vidro, ela abre a porta de vidro e em seguida a de tela, ela me abraça firme diz:

– Achei que já tinha se esquecido de nós – Ela abre um sorriso largo e seus belos olhos violetas estão brilhando, eu sorrio alegremente e digo:

– Eu? Esquecer das pessoas mais incríveis do mundo? Nunca! Onde está o papai? – Ela me chama para dentro, enquanto fala já de costas indo para a cozinha:

– Seu pai foi buscar ovos e leite e ver o preço de algumas coisas para comemorar. Venha, estou fazendo alguns biscoitos – Fico um pouco confuso e pergunto:

– Comemorar o que? – Nós entramos na cozinha e o cheiro de biscoitos está impregnado no lugar, ela para na frente do fogão e pergunta:

– Você não falou com a Chris? Bom ela entrou para a aeronáutica, disse que adorou a visita que fez junto com os alunos do cursinho, então seu pai quer fazer um churrasco no domingo para

comemorarmos, disse que irá chamar todos nossos amigos, disse que se quiser pode chamar a Emmy – Eu olho para ela e falo:

– Vou chamar, ela está namorando uma moça, que é bem legal, posso chamar ela também? – Minha mãe pega luvas e tira a forma de biscoitos e coloca sobre a mesa e fala:

– Claro, meu amor, Emmy já faz parte de nossas vidas e será ótimo ver ela feliz – Ficamos conversando por muito tempo, meu pai não demorou a chegar e ficamos todos conversando por horas e horas, quando vi já era bem tarde e acabei ficando por aqui, Raphael disse que não teria que ir amanhã, ele iria fechar a firma e viajar para resolver alguns negócios, dormi no quarto de visitas.

Acidente de Amor – Capítulo 22 – Série Os Freitas – Volume 2

Capítulo 22

Leticia

Depois que tomamos café fui para meu quarto mudar de roupa, enquanto ele falava ao telefone, depois que sai ele disse que iria para casa dele, chegamos junto com duas moças, uma tinha o cabelo curto e ondulado, alta e não muito magra, a outra, uma moça bem branquinha com cabelos colorido e lisos, alta também e com belas curvas, a moça com cabelos curtos se aproxima e fala:

– Nossa, você está horrível, Arth – Ela sorri para mim e fala- Prazer, meu nome é Emmy, essa é a minha namorada, Vanellope – Ela estica a mão afim de cumprimentar-me, eu retribuo o gesto e respondo:

– Meu nome é Leticia, muito prazer – Eu sorrio para a Vanellope, eu continuo falando – Bom, agora tenho que ir, está entregue – Me refiro a Arthur que sorri e fala:

– Obrigado pela sua ajuda, até – Eu aceno com a cabeça e dou tchau para as meninas, entro novamente no carro e vou para casa do Max devolver seu carro, depois de lá vou para o colégio cumprir mais um dia de trabalho comunitário.

Estaciono na frente do portão da casa do Max e buzino, ele sai na varanda vestindo um calção e uma regata e está com uma xícara na mão, eu desço do carro e vou até ele e falo:

– Bom dia, Grandão, vim devolver seu carro adorável, e agradecer muito pelo favor – Ele me dá um abraço e responde sorrindo:

– Tudo pela minha princesa, mas não foi nada, sei que ama a velocidade, assim como meu sobrinho amava – Eu pergunto ainda hesitante:

– Como está Helena? Ainda me culpando pela morte de Philip? – Ele se senta em uma cadeira de balanço e aponta para a outa a sua frente, eu me sento e ele fala:

– Ela ainda está mal, perder um filho é uma dor que não passa, mas culpar você pelos erros dele, não está certo, eu conhecia o sobrinho que eu tinha e de santo ele não tinha nada. Eu sei tudo que você fez para que ele mudasse, e ele mudou para muito melhor, só que nos últimos dias ele estava muito estranho – Nesse momento Kelly aparece e se senta conosco e eu respondo:

– Eu notei que ele estava muito estranho, evasivo e misterioso, não gostei e no dia da morte dele nós ainda discutimos, justamente por isso, ele estava falando com o Greg, e isso me preocupou muito – Ele faz uma careta e responde:

– Com o Greg, o que será que eles estavam conversando? – Eu respiro fundo e falo:

– Eu não sei, o celular dele ficou totalmente destruído depois do acidente, pelo menos o Greg não irá mais causar problemas – Ele concorda com a cabeça, ficamos conversando mais alguns minutos e depois eu fui de táxi até o colégio, passei o dia todo lá, trabalhando.

Acidente de Amor – Capítulo 21 – Série Os Freitas – Volume 2

Capítulo 21

Arthur

Quando chegamos na casa dela e ela foi buscar a coberta e um travesseiro eu me sentei no sofá e sem perceber acabei dormindo, quando acordei vi que estava coberto e deitado meio sem jeito, estava muito escuro acabei dormindo novamente e dormi muito bem aliás. No dia seguinte acordei desorientado, e sem saber onde estava, olhei ao redor e vi ela em pé com um short curto verde, mas largo e uma regata verde e larga também, ela estava sem sutiã, ela então fala:

– Bom dia – Fica olhando para mim, enquanto eu tento me lembrar do que houve, eu respondo:

– Bom dia, como você está? – Levanto do sofá e me alongo, vou em direção, sento em uma cadeira na frente dela e continuou – Eu acho que desmaiei no seu sofá ontem, estava muito cansado, desculpe – Ela olha para um bule no fogo e depois olha para mim novamente e diz:

– Não tem problema, deve ter trabalhado o dia todo, eu também estava muito cansada, mas tomei um banho antes, para relaxar um pouco – Ela pega o bule e coa o café, que está com um cheiro muito bom, ela pega duas xícaras e coloca em cima da mesa, pega a garrafa de café e coloca sobre a mesa, põe café nas duas xícaras e depois deposita a garrafa novamente sobre a mesa, ela pega a xícara e toma um gole, eu pego a minha e tomo um gole também, apesar de estar muito quente está delicioso, ela fala:

– Quer que eu leve você para a sua casa ou para seu trabalho? – Penso um pouco e falo:

– Vou ligar para a Emmy e ver se ela está em casa, se não for incomodo você me levar eu agradeceria muito – Ela concorda com a cabeça e continua bebendo seu café, volto para o sofá, pego meu celular e disco o número da Emmy, em pouco tempo ela atende, ainda com a voz rouca e sonolenta – Emmy, você está em casa? – Ela demora um pouco, ainda raciocinando e responde:

– Não, estou com a Loppe, eu achei que não iria voltar para casa e levei a chave, você não pegou a sua chave? – Ouso um barulho do outro lado, ela estava se levantando e eu respondo:

– Achei que não iria sair, por isso não peguei a chave, e também esqueci de perguntar se iria sair, você pode voltar para casa? Eu preciso me trocar e tomar um banho antes de ir para o trabalho, hoje eu tenho que ir para a firma, Raphael disse que teria uma reunião com um cliente e não posso me atrasar – Ela dá um bocejo e responde:

– Já estou indo, em quinze minutos estarei em casa.

– Perfeito, vou pegar uma carona com a Leticia e logo estarei lá também, tchau, até – Desligo o telefone e vejo que Leticia não está mais na cozinha, vejo ela voltar do quarto já pronta para sair, ela se aproxima do sofá e começa a dobrar a coberta, que eu havia deixado desarrumado, ela pergunta:

– Para sua casa então? – Eu aceno com a cabeça e ela leva a coberta e o travesseiro para o quarto dela e logo volta pegando as chaves do carro e sua bolsa, dizendo – Vamos – Ela não estava perguntando,

estava mandando, nós vamos até o carro e logo em seguida nós saímos, não demora muito e chegamos no meu apartamento, chegamos junto com a Emmy, que veio com a Lope, elas se aproximam de mãos dadas e Emmy fala:

– Nossa, você está horrível, Arth.

Acidente de Amor – Capítulo 20 – Série Os Freitas – Volume 2

Capítulo 20

Leticia

Ele dizer sobre correr profissionalmente, não sei se seria uma boa ideia. Depois que saímos de lá, eu estacionei na frente da casa dele e perguntei:

– Vai me deixar em paz agora? – Ele parece pensar e responde meio sério:

– Você quer que eu suma da sua vida? – Aquela pergunta me calou, a profundidade com que ele disse aquilo me deixou sem palavras, ele estava muito próximo e eu fiquei sem reação, antes de descer do carro ele continua – Até logo – saiu em direção ao pequeno prédio quando ele chega, não entra, tocou o interfone e continuou ali parado, perguntei se estava para fora da própria casa e ele disse que sim, uma ideia me surgiu e mandei ele entrar no carro, levei-o para minha casa, uma noite não faz mal a ninguém e também tem o sofá, onde ele pode dormir sossegado, assim que chegamos, disse que ia buscar uma coberta e um travesseiro, fui em direção ao meu quarto abri o armário e peguei a coberta e um travesseiro, voltei à sala e ele estava dormindo já, dormiu sentado de qualquer jeito no sofá, acho que estava muito cansado, aproximo dele e tiro seus sapatos, endireito ele no sofá, coloco o travesseiro de baixo de sua cabeça e estico a coberta sobre ele, volto para o quarto e pego uma toalha e vou tomar outro banho, logo depois eu coloco um pijama e vou me deitar. Acordo com o despertador tocando, a mesma música enjoada de sempre, levanto e vou em direção ao banheiro de pijama e totalmente descabelada, e muito sonolenta, vou

cambaleando até o banheiro, depois de pentear o cabelo, escovar os dentes e lavar o rosto vou até a cozinha e coloco água para fazer café, vi Arthur no sofá acordar um pouco desorientado e assustado, ele olha ao redor e me vê, eu sorrio e disse:

– Bom dia – Ele ainda parece um pouco confuso, mas logo consegue se localizar e diz:

– Bom dia, como você está? – Ele se levanta, se alonga um pouco e vem em minha direção, ele senta na cadeira a minha frente e fala- Eu acho que desmaiei no seu sofá ontem, estava muito cansado, desculpe – Eu olho para a água no fogo e depois para ele e respondo:

– Não tem problema, deve ter trabalhado o dia todo, eu também estava cansada, mas tomei um banho antes, para relaxar um pouco.

Acidente de Amor – Capítulo 19 – Série Os Freitas – Volume 2

Capítulo 19

Arthur

Depois que sai do café fui para a residência do Sr. Smith, onde estão fazendo as reformas do projeto que fiz, passei o dia todo lá, vendo como anda as reformas e estava tudo nos conformes, fui para casa e tomei um banho e tirei toda a sujeira do dia, quando sai do banho resolvo fazer um café, vejo a Emmy senta conversando com a Vanellope, ficamos conversando um tempo e disse que iria na corrida da Leticia, confesso que estou um pouco ansioso, apesar de sempre ter morado aqui, nunca presenciei uma corrida, não faço ideia onde ela vai conseguir um carro, mas sei que irá dar um jeito, ela também está sem a carteira de motorista, então, é melhor ela evitar as vias expressas e os centros. Dou tchau para as meninas e digo que não sei que horas irei voltar, pego um táxi e vou no endereço que ela havia me passado, já havia ido naquele posto antes, quando ia viajar, então sei bem onde é, assim que chego vejo um certo aglomerado de pessoas e alguns carros na rua, dou uma circulada e procuro encontrar ela, mas pelo que vejo ela ainda não chegou, alguns minutos depois vejo um corcel vermelho e preto chegando e se posicionando para a corrida, vejo ela atrás do volante, eu sorrio, mas ela apenas acena com a cabeça, a corrida começa e logo os carros desaparecem e vejo toda a corrida por câmeras espalhadas pelo caminho da corrida, ela pilota muito bem, vejo os carros voltando e ela acaba em segundo lugar, não é tão ruim, ela estaciona e eu me aproximo, pergunto a ela se ela nunca pensou em correr profissionalmente e aparentemente ela não gosta muito da ideia, então eu disse:

– Bom, eu só acho que correr nessas condições, onde você pode ser presa e multada, ou pior, tirar a vida de outra pessoa e até mesmo a sua, não seja o que você realmente gosta de fazer – Depois que disse isso ela pareceu estar pensativa, mas antes de dizer algo um homem falou alto para todos ouvirem:

– A polícia está fazendo ronda – Logo depois disso todos começaram a se afastar e irem embora, só sinto a mão da Leticia me puxando para dentro do carro e se afastar rapidamente dali, depois de alguns quarteirões ela fala:

– Onde que deixo você? – Penso um pouco e digo:

– Rua das flores, número 27 – Ela vai em segue, ficamos em silencio, mas não era um silencio ruim, chegamos no endereço e ela fala:

– Vai me deixar em paz agora? – Eu penso um pouco e respondo:

– Você quer que eu suma da sua vida? – Eu já tinha tirado o cinto e estava próximo dela, ela ainda estava em silencio, eu continuo – Até logo – Desço do carro e dou a volta no mesmo e vou em direção ao pequeno prédio, ela ainda não tinha ido embora com o carro, ela estava lá parada, toco o interfone e ninguém atende, eu tinha deixado a chave lá, ela grita do carro:

– Ficou para fora? – Ouso ela gargalhar e respondo:

– Parece que sim, acho que a Emmy saiu com a Lope – Ela fez uma careta e eu respondo- Sim, eu divido um apartamento com uma amiga.

– Ah sim, mas você vai para onde agora? – Ela pergunta, eu penso por um tempo e digo:

– Eu não sei na verdade, meus pais já devem ter dormido e meus avós estão de férias ainda – Ela pensa um pouco e diz:

– Entra no carro, vamos- eu entro e ela começa a dirigir e eu pergunto:

– Onde vamos? Algum hotel? – Ela responde logo em seguida: – Nós vamos para minha casa, eu tenho um sofá bem aconchegante, você pode ficar lá hoje, mas só hoje e não se acostume.

Eu permaneci calado até chegar ao seu apartamento, nós subimos, ela destrancou a porta e entramos, seu apartamento é grande, a sala e a cozinha são juntos, mas são bem grandes, ela fala:

– Pode ficar no sofá, eu vou buscar um cobertor e um travesseiro para você, eu já volto.

Acidente de Amor – Capítulo 18 – Série Os Freitas – Volume 2

Capítulo 18

Leticia

Na quarta-feira o dia foi muito exaustivo, fui bem cedo no café e consegui falar com a mãe do Arthur, uma mulher baixa e muito bonita, ela foi muito educada, disse que eu poderia trabalhar lá nos finais de semana, pois sábado e domingo são os dias que eu não estou trabalhando com o serviço comunitário, pensei que não iria me contratar depois do ocorrido com o filho dela, mas foi como se ela não soubesse quem eu era, mas ela sabia, porem ela soube entender. Hoje, quinta-feira, passei o dia na escola pintando as paredes pichadas, choveu o dia todo, mas agora não chove mais, estou jogada no sofá, acabei de sair do banho e estou aqui esperando dar hora de ir buscar o carro, ainda são 18:00 horas, vou esperar mais uma hora, fico pensando se ele realmente vai, não foi tão difícil conseguir essa corrida, mas se eu for pega ou vista correndo serei presa por um bom tempo e vou perder a casa, isso não é bom, não é nada bom; e eu ainda tenho um prazo para pagar a multa não posso atrasar.

Estou tão entretida com meus pensamentos que quando olho para o relógio levo um susto ao ver que horas são, estava atrasada, saio e pego um táxi. Chego na casa do Max e vejo Kelly sentada na varanda com uma garrafa de cerveja, olho-a e vou em sua direção e falo:

– Oi Kelly, Max disse para eu vir buscar o carro, vou correr – Ela sorri e diz:

– Eu sei, ele disse que você pode pegar o vermelho, a chave está aqui – Ela me entrega as chaves e eu dou tchau para ela, vou em direção a garagem e vejo um belo corcel vermelho e preto, já tinha corrido com ele é um belo carro, Max tem outros parecidos, mas esse é meu favorito. Chego no posto de gasolina quase 20:00 horas, posiciono o carro e olho ao redor, ao longe vejo ele no meio de algumas pessoas, impossível não reconhecer com aquele gesso, ele está olhando para os outros carros, quando para o olhar em mim, ele sorri e eu apenas aceno com a cabeça, vejo Cindy se posicionando e começando a contagem, a corrida começa e como sempre eu foco na corrida e esqueço tudo ao meu redor, quando vejo já estou nas últimas voltas e fico em segundo lugar, nem sempre se ganha. Depois que estaciono o carro e desço, dou de cara com ele, que me dá seu sorriso típico, ele fala:

– Bela corrida, você dirige muito bem, já pensou em correr profissionalmente? – Faço uma careta e respondo:

– Não, acho que não é muito a minha praia, isso- dou uma pequena volta em sua frente e continuo- Isso sim é, esse sentimento nasceu aqui, desse jeito, não acho que correr para um bando de mauricinhos seja a minha praia, prefiro as ruas, que me dão mais liberdade e rebeldia.

– Bom, eu só acho que correr nessas condições, onde você pode ser presa e multada, ou pior, tirar a vida de outra pessoa e até mesmo a sua, não seja o que você realmente gosta de fazer.