Quem sou eu.

Boa madrugada pessoal.

Hoje venho me despedir, deixo o blog Adolescência de Lua com muita dor, mas entendo que meu tempo aqui foi fundamental para o meu crescimento, espero ter ajudado quem por aqui buscou ajuda, da mesma forma que espero ter entretido quem queria entretenimento. Sigo aberta para novas oportunidades e não saio de portas fechadas, pois tenho no meu coração a dona desse blog e sei que parcerias serão sempre bem vindas.

Me despeço em estilo.

Quem sou eu?

Um pouco puta
Puta da vida e de alma
Uma despida
Que anda na rua sem nenhuma calma

Uma cabeça louca
Que apronta e noia
Num dia calmo de horário de verão
Ela apavora

A que clama
Mesmo sem acreditar em alguém lá em cima
E zela
Coloca todos os importantes a cima

Tem ansiedade
Exagera em partes
Anseia na carreira, vida e em ir pra Marte
Geralmente surta em silêncio
Fica feliz toda vez que não passa um dia em ouro lamento

Meio desnecessária
Fala demais e se estressa muito
Mas aliviada
Toda vez que fala muito e explode com descuido

Ama demais tudo que tiver chance
E cobra demais tudo que sentir pouco
Acha o pouco muito louco

Dá o seu melhor e sempre alcança
Vê felicidade nos atos bons aos outros
Criou amigos de verdade assim
Uns bem loucos

Vem só privilégio
Tenta entender a maior parte
Zela pelo lugar de fala
Mas as vezes falha
Segue aprendendo, eu juro

Direitos humanos é quase um sobrenome
Vive em balança contra a sociedade
Família e conhecidos
Geralmente opina só quando tem profundidade

Já foi mordida por um macaco
Boatos dizem que ele que pegou raiva
E assim como essa
Tem histórias fenomenais para contar
Mesmo duvidando constantemente das suas habilidades

Sua autoestima vive em contraste
As vezes quer amar as estrias
As vezes odiar todas as partes
Um alarde

Tem o sonho de fazer a diferença por aqui
E não pensa muito em viajar pra fora
Entende a dificuldade de alguns em aceitarem isso
Quem sabe um dia tenha um museu falando disso

Entende a importância da amizade verdadeira
Hoje mais do que nunca
Quando se vê desamparada para correr as lutas

Mas mais que isso
Já teve que passar por muita coisa
Com 18 anos, já doeu, amou, sentiu, se doou
E principalmente
Com 18 anos, finalmente
Foi capaz de sentir orgulho de si mesma
Sem necessitar ouvir de outros
E se apaixonar por si mesma
Amando até mesmo seu próprio corpo

– TRACA.

Blog pessoal:

http://www.oqueabiafala.blogspot.com

Facebook: Bianca Tracanella

Instagram: tiatraca

Ora do parabéns

O amor passa, o carinho não
A vontade de abraçar e manter por perto
A vontade de fazer o bem e de querer bem
Se mantém

Apertando as bochechas
O desejo de passar a mão no cabelo
O desejo de rever e contar as pintinhas
Ô gracinha

Pensando entre os sonhos
O gosto de abraçar e apertar
O gosto do sempre quero mais
Não passa, jamais

Tá tudo bem relembrar
O empenho para agradar
O seu empenho é admirável
É mesmo, palpável

São sinônimos de superação
De parabéns a si mesmo por superar.

Até a próxima escrita!

-TRACA.

Você é sempre novidade

É difícil aceitar
Que tá tudo bem
E que não vai passar

É bom demais quando dá certo
Mas a ansiedade, apavorada
Soma infelicidade, desgaste

É estranho imaginar
Que você está aqui
E que vai ficar

É melhor ainda te ver sorrir
Não te prendo aqui, insisto
Penso em fugir, persisto

É gostoso o seu carinho
Tão lindo
O seu paraíso

É fácil ficar feliz
Insegura as vezes, quieta
Não estragar, é a meta

É bom demais te ter aqui
Espero que aceite a confusão
Admito que você é dono do meu coração

É importante entender
Que me aflijo, sozinha
Solitária, só minha

Mas eu amo você
Eu amo te ter
Eu amo te ver

Apenas entenda que o problema é a mente
Que machuca, ela prende
E faz de tudo pra evitar, ela mente

Mas por você eu resisto
Tento manter junto
Meu pedacinho de gente

Voltei 💕

Até a próxima escrita!

-TRACA.

Sinto tanto, mas não sinto muito

Te vejo passear pelo próprio corpo
Cada curva é um caminho que eu quero passear
Sem carro, sem pressa
Pra saborear
Cada gosto e essência que você traz
Me dão a sensação de paz
Vejo como as pintas formam uma constelação
E entendo, finalmente, a minha paixão por esse mundo todo que habita seu coração
Me vejo perdida em tanta vastidão
E acho lindo
Como cada sorriso seu tem uma explicação
Mas nada supera a sensação de ter descoberto
Que o amor da minha vida me acolhia perto
Que não me enche, pois já sou cheia
E sim me transborda
Mas nunca me afoga

Até a próxima escrita!

-TIATRACA.

A autoestima negra vem com dor.

Meu nombre é italiano, jo soy branca e vim aqui pra aprender. Já vejo daqui a cor da resistência que em ti habita. Lindo de ver e apreciar, beleza incomum de cada um, mas que deveria ser comum no nosso país.

Não acredite neles, o seu sorriso é aclamado pelo público, querido e adorado, mas poucos vão te dizer, alguns vão ter medo, porque vivem uns vários anos atrasados, onde negro não sorria, só obedecia. Eles vão demorar a entender.

Teus olhos fundos, jabuticabas de outro mundo, parecem mostrar realmente outro mundo: a ancestralidade que habita em você, querendo sair, então deixe sair.

Tua alma dolorida, às vezes tende a mostrar os espinhos, mas eu vejo o broto lá de longe, florescendo e te colorindo, com tanta melanina, cada vez mais bonito de se ver.

Esse teu cabelo tão alto que parece chegar aos céus, tão lindos cachos, invejo os, pois num passe de mágica, estão brilhando, reluzentes a cada virada que você dá. Não desçam do pedestal que vós ireis colocar.

Anos de luta e tem gente que diz que acabou, cegos sem ver o tanto de sangue que ainda corre. Na favela ou no centro, o corpo no chão é sempre mais escuro, como o racismo que habita em vários.

E quem sou eu pra falar disso? Branca, privilegiada e no bairro “rico”, mas consciente o suficiente pra dizer que apoio os meus semelhantes em qualquer parada, qualquer quebrada, zona ou cidade afastada. Não entendo a dor, mas estou aprendendo a história e vendo de que lado ela foi contada.

Até a próxima escrita!

-TIATRACA.

Na lei do homem

Na regra
Na linha
Sem barriga
Na bunda
Sem estrias
No peito
Tudo pra cima
Empina
Isso aí
Que ta é pouco
Mostre o que tem
Mas cuidado
Se mostrar o que “não lhe convém”
É puta teu nome de novo
Tem que seguir o padrão
Cada ano, uma nova ilusão
Se não tiver dinheiro
Prende a fita em volta das costelas
E sorria e de a patinha
Igual uma cadela
Mas cuidado pra não te difamarem
Se acharem que está seguindo errado
Lhe apontam o dedo, talvez até maltratem
Eles que mandam
Então siga
E sobreviva
Quem sabe assim
Você vira dona de casa
Ah, por favor não chore
O rímel e esses cílios aí são caros
Você vai superar
Você é mulher
É seu dever
Ser desmamada
Quebrada
Maltratada
Abusada
E no final
Você sai como errada.

Até a próxima escrita!
-TIATRACA

O show imita a arte

Temos futuro
Futuro na arte
Coloque uma criança no mundo artístico
E veja florescer
Não corte as asas
Fuja daqui, enquanto ela ainda é feliz

Erramos hoje
E talvez precisemos apanhar um pouco
Plantamos um hoje
Quem sabe amanhã já nasce de novo
Uma plantinha bem bonita, por favor

Amor é o que pode salvar
Será?
Vagamos no meio do mar
Mas com o estado da terra
Prefiro continuar a vagar

Olho pro filho do vizinho
E crio esperança
Penso que se o mundo já estivesse como deveria
Talvez eu e outros fossemos a salvação
Mas não

Quando o medo de ir pro inferno deixa de afetar os crentes
E arminha com a mão vira alvo de manifestação
Deveríamos correr?
Vender a corrida pela democracia
“Ele não”

Aproveitar enquanto posso dançar
Em meio a códigos e passos
Vou improvisar
E no meio do meu teatro
Na dor, vou silenciar

Até a próxima escrita!

-TRACA.

Pedra-flor

Queria ser pedra como queria saber flor
Sem dor
Sem sabor

Queria sentir tanto quanto uma pedra sente
Mal sente
Não é carente

Queria amar como a pedra ama
Tão fria
Mal clama

Queria ser menos
Como a pedra que incomoda o sapato
Mal sirvo pra comer no prato

Queria ser tão simples como o asfalto
Pois já me pisam mesmo
Grito alto

Queria ser a pedra preciosa de um monumento
Aquela lá dentro
Que se tira, desmorona por inteiro

A verdade é que eu não queria ser pedra
E sim tão aclamada como qualquer outra flor
Mas nem borboletas me rodeiam, só sinto pavor

Queria ser querida como a rosa e também o girassol
Mas me plantam na sombra
Quando eu também preciso de sol

Sou especial e mal sabem me cuidar
Só aparam
Porque espinhos demais não são de bom grado

Quanto mais tocam mais eu machucou o toque
Me vêem com tanto desgosto
Que mal solto um broto

Talvez a culpa seja minha de não entender meu valor aqui
Mas não sou a única culpada
Há de me ir

Aqui me vou e me encolho
Na surdina
Pra não causar alvoroço

Na esperança de que assim alguém sinta falta
Sabendo que não
Desisto, por fim
Me recolho

Até a próxima escrita!

-TRACA

Uma Gota.

Apenas uma gota

Apenas uma gota
De um gota
À todos que precisarem
Apenas uma gosta
Dê uma gota

Uma gota do teu trabalho
Do teu desempenho
Uma gota de você
Seja suficiente
Como uma gota
Tão simples

Como uma gota
Se baste
Como uma gota basta
Ao cair e ir embora
Viajar por entre os lados
Mas diferente de uma gota
Jamais desapareça
(Pessoas se importam)

Uma gota é o necessário para dar um gostinho de você aos outros
Dê uma gota
Se precisar de mais
Mas nunca se esvazie
Seja tão profunda
Quanto o oceano
Lembre-se: apenas uma gota

Seja transparente como uma gota
Clara
Simples
Verdadeira
Como uma gota

Seja especial
Como a última gota de alguém no deserto
Não se esqueça:
Jamais seque

Seja importante como as gotas do Oásis
Não ouse gotejar no chuveiro
Jamais desperdice

Seja unida, saiba a quem se unir
Como a gota que, junto de todas outras gotas, destroem muros e represas
Sendo elas
Um multirão de gotas

Melhor ser uma gota e entender sua dimensão
Do que fingir ser mar e não saciar nem um garrafão

Até a próxima escrita!

-TRACA.

Setembro amarelo está acabando.

O mês tá acabando
Mas a luta não
Vai, levanta desse chão

O mês tá acabando
Mas você vai suportar bem mais que isso
Não espere pelo paraíso

O mês tá acabando
Mas a jornada só tá começando
Vai, continue lutando

O mês tá acabando
Mas estamos bem longe de atingir a meta
Milhares de suicídios acontecendo todos os dias
Por conta de falta de empatia, estudo
Da antropologia

Tá acontecendo agora mesmo
E você não vai ser mais um
Você vai ser mais forte
Mais do que já foi
Pois a cada minuto que passa
Você conquista uma nova vitória
Levantar da cama é sua glória!

Você não vai desistir
Porque você tem aquele curso pra fazer
Aquela música pra ouvir
Aquela boca pra beijar
Você tem um mundo pra viver!

Eu sei que tá difícil
Mas seja louco o suficiente para resistir
Porque entre altos e baixos
A felicidade
Está aqui

Até a próxima escrita!

-TRACA.