Um Conto Nada Amoroso – (Capitulo 3) – CONTO DA JUJUBA

Minhas Jujubas, me desculpa a demora pra postar a continuação, mas a minha vida ta uma correria, eu disse pra vocês no post de ontem, quem não leu corre pra ler, que tem umas dicas super importantes pra nos m mulheres.

Pra quem ainda não conhece o conto, eu vou deixar os link logo abaixo.

Um Conto Nada Amoroso

Capitulo 1: Um Conto Nada Amoroso – (Capitulo 1) – CONTO DA JUJUBA
Capitulo 2: Um Conto Nada Amoroso – (Capitulo 2) – CONTO DA JUJUBA

Chega da enrolação e vamos pro conto.

Boa leitura!


 

Um Conto Nada Amoroso

(Capitulo 3)

 

_” Vamos fazer xixi, pode ser atrás de um carro mesmo.”

_” Está doidona, você mesmo que eu vou fazer xixi na rua, ainda mais atrás de um carro, você só pode está louca Iara.”

_” Eu estou muito apertada, vai ter que ser aqui mesmo.”

_” Mas se alguém ver a gente?”

_” Ninguém vai ver, vamos na rua da padaria.”

_ “Se alguém ver, eu mato você, mas vamos logo, eu também estou muito apertada.”

Acabamos fazendo xixi ali mesmo, na frente de uma casa, no pneu de um carro, me dá vergonha só de pensar, mas que vergonha.

_” Viu Juliana, pra que o estresse? Ninguém viu!

_” Ainda bem.”

_” Juliana, o Bruno me disse que o amigo dele, está louco pra ficar com você.

_” Quem? O Bruno?

_ “Aquele amigo do carro…”

_” Sério? Ele vai ficar querendo.”

_ Bom, vai pensando, eles foram dar uma voltinha, logo já vão voltar.

_”Hmm.”

Enquanto a gente voltava pra festa, fiquei pensando na loucura de hoje, acabamos indo pra uma área reservada da festa, onde as pessoas costumam fumar.

Ficamos ali conversando com meu amigo do meu primo, depois eu o vi vindo em nossa direção, nem acredito que aqueles meninos voltaram mesmo, aquele garoto desaforado ficou me olhando com uma cara de safado, aquela cara que é meu ponto fraco, aquele sorriso de malandro, que eu não consigo resistir.

Eles chegaram falando com o amigo do meu primo, que no caso se chama Ale, só pra reforçar pra vocês.

_”Eai Matheus!

_” Fala Ericsson!

_” Bom, eu vou lá ver se o Ale precisa da minha ajuda.

_” Beleza, pode ir lá!

_” Matheus, vê se toma conta dela pra mim, se não o primo dela me mata.”

_” Claro, deixa comigo!”

_” Eu mesma se cuidar de mim, não preciso da sua ajuda.

_ “Você também é uma marrenta!”

Quando eu vi a Iara, ela já estava se pegando com o menino de novo e o outro acabou se encostando no meu lado, no caso o Matheus acabou ficando do meu lado.
Foi quando tive a sensação de conhecer ele de algum lugar, eu sempre fui boa em guarda rostos.

_” Eu tenho a impressão de te conhecer de algum lugar.”

_” Eu sou aquele príncipe encantado, aquele dos seus sonhos.”

_” Ata! Espera sentado!”

Eu não sabia explicar, mas ele me atraia, e o pior era que eu nem sabia dizer o porquê, mas sabia que estava prestes a descobrir.

_” Só me falta, você também ser amigo do meu primo.

_” Quem é o seu primo?”

– O Júnior! Ops, o Alejandro, ele que [e dono da festa.

_” Nossa, ele é seu primo! Poxa Ale é um moleque legal, sou eu corto o cabelo dele.”

_” Espera! Já sei de onde eu te conheço! Você é o barbeiro cara de pau e safado, que pediu meu número pra ele, foi no mesmo dia que fui com ele, pra cortar o cabelo.

_”Putz, é verdade, mas você é uma gata. Porque será, que ele chegou pra cortar o cabelo e estava todo arranhado e disse que tinha sido uma prima.

_” Hahahaha, isso que dá mexer comigo.”

_” Agora me explica, porque barbeiro safado?

_” Porque você estava com uma puta aliança no dedo, falando nisso você namora o que tá fazendo aqui? Tem vergonha não?”

Inclinei o meu corpo virei de frente para ele, coloquei a mão na cintura e ergui a minha sobrancelha, com aquela minha cara de reprovação.

_” Calma aí marrenta, eu e ela terminamos.

_” E como posso saber que isso é verdade?

_” Porque se eu estivesse namorando com ela, eu não estaria aqui essas horas, ela é extremamente ciumenta, nunca ia me deixar sair de casa sem ela e tem outra coisa, tem 5 meses que a gente terminou.”

_” Creio, que ela nem deve ter os motivos dela, pra ser ciumenta, não é?”

Foi quando ele sorriu e colocou o dedo no canto da boca, me olhou de cima pra baixo com um olhar malicioso, me puxou pra perto do seu corpo, me apertou contra ele e me beijou.
Aquele beijou, pegou fogo no minuto que encostamos os nossos lábios, exatamente como nos filmes, foi bem clichê, eu até levantei a perninha, mas não se engane, não foi nada romântico, estava mais pra erótico mesmo, eu sentia meu corpo estremecer, eu podia sentir que alguma coisa bem no meio das minhas pernas já estava dando sinal de vida. Nunca um beijo se encaixou tão perfeitamente.

 


Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Edição do texto, foi feito por Mila.

Eu sei que demoramos de novo, pra postar a continuação, mas como eu já disse pra vocês não é tão simples assim, nossos texto tem que ser revisado várias vezes antes de serem postados, pra evitar erros de ortografia, mas mesmo assim, as vezes acaba tendo alguns erros, estamos aprendendo o tempo todo.

Eu espero que vocês tenham gostado da continuação, na semana que vem vai sair o capítulo quatro. Não deixa de acompanhar nossos blog, todos os dias temos posts e novidades.
Divulguem muito entres os amigos, pra nós ajudar.

Mande a sua fanfic, história, poema, critica, desabafo, e etc para o nosso e-mail: adolescênciadelua@gmail.com.

Não deixa de seguir o nosso instagram: @blogadolescênciadelua.
Em breve, vamos começar postar conteúdos por lá, inclusive videos pelo IGTV!

Beijão da Jujuba, até amanhã!

Um Conto Nada Amoroso – (Capitulo 2) – CONTO DA JUJUBA

Um Conto Nada Amoroso

(Capitulo 2)

Eu fiquei olhando aqueles dois caras sair do carro, os dois estavam sem camiseta, mas é claro que tinha um que chamava mais atenção que o outro. Um dos caras era branquinho, todo malhado, ele tinha barba, tinha uma carinha de homem mal. Eu não me aguento quando vejo homem assim, eu fico de boca aberta, aliás se eu tivesse com a boca aberta, eu teria me babado inteira, ele era um DEUS GREGO. Quando eu percebi, era o amigo dele que estava me olhando, eu não gostei, fechei a cara e volto pra cuidar da menina que estava vomitando.

O telefone da menina começa a tocar, graças a Deus, era a mãe da menina, ela me pediu pra levar ela até uma praça, que era próximo da festa.

Meu primo e eu levamos a menina até a pracinha, a mãe dela me agradeceu por ter cuidado da filha dela, então nós voltamos para festa.
Eu entrei, eu fui atrás da minha amiga, desci as escadas e encontrei ela sentada no sofá com um menino, eu chamei ela, eu precisava contar para ela dos dois gatos, que tinham acabado de chegar na festa e que deveriam ser mais velhos que a gente, foi quando eles passaram na nossa frente e ficaram parados por um minuto, depois sairão andando novamente.

_”Iara, olha o menino de barba, ele faz o meu tipo.”

_”Eu vi… Dúvida eu pegar?”

_”O QUÊ????”

Eu não acredito que ela tá furando meu olho, na cara dura, ok, ela já está cortada na minha lista de amigas, vai ficar lá como coleguinha.

_”Olha, com certeza, eu duvido você pegar ele.”

_”Olha e aprende.”

Ainda é desaforada, vê se pode. Eu queria ver ela tomar um belo não na cara, que porra. Ela não percebeu que já pegou metade da festa?

Fomos atrás deles, já que eles estavam andando, então seguimos eles, que a Iara foi andando na minha frente, fiquei bem atrás dela, afinal eu estava observando. Eles andaram em direção a porta, saíram pra fora da festa, foram até o carro, eu fiquei parada na calçada, a Iara seguiu eles até o carro. Eu virei pro lado, eu vi meu primo conversando com os seguranças, volto a olhar para a Iara, o menino abaixa o vidro do carro e eles começam a conversar.

_”Juuh, vem aqui…”

_”Osh, pra que?” – Ela fura o meu olho, ainda quer que eu vá lá?

_”Eles estão chamando nos duas, pra dar uma voltinha, vamos?

_”Sai fora, eu nem conheço eles, prefiro ficar aqui mesmo.”

_”Ela ja disse que não vai!” – Gritou meu primo.

Foi quando o cara que tava no passageiro, amigo do Deus grego.
Ele saiu pra fora do carro, olhou pra mim, veio em minha direção e me disse:

_”Ei garota, a gente não morde, sabia?”

_”Hmmmmm… É mesmo? Como eu vou saber? Nem te conheço.”

_”É só você vir dar uma volta de carro com a gente.”

_”Até parece, eu já disse, eu nem te conheço.”

_”Podemos mudar isso agora.”

_”Como se isso ajudasse. Como é que eu vou ter certeza, que você não pretende me sequestrar e depois jogar meu corpo por aí?”

_”Agora eu tenho cara de Jack ou de um sequestrador? Tá ficando maluca?”

_”Eu vou lá saber, não está escrito na cara das pessoas quem elas são, não acha?”

_”Vamos Juh, você precisa experimentar coisas novas.”

_”Ela já disse que não vai Iara, agora para de encher o saco. Juliana, entra pra dentro.”

Eu não ia com a Iara, mas quem meu primo acha que é, pra ficar gritando comigo no meio da rua?

_”Iara, tem certeza que vai com eles?”

_”Eu não vou, se você não vai, eu vou ter que ficar.”

O menino abaixou o vidrou, disse algo para a Iara e depois beijou ela.

Ele olhou pro amigo dele beijando a Iara, depois voltou a olhar pra mim e disse:

_”Eu vou ter que ir, mas eu volto pra você Juh.”

_”Quem você pensa que é, pra me chamar de “Juh.” Eu não te dei essa intimidade.”

Ele sorriu pra mim e entrou pra dentro do carro. Minha amiga já tinha parado de beijar o menino, ela veio em minha direção limpado os seus lábios. Fiquei pensando, que o último que beijou ela, pegou a saliva de todo mundo.

_”Juliana, você é muito idiota! Você deveria ter topada, a gente ia estar em rolê com esses dois gatos.”

_”Você que é idiota, eu quê não vou entrar em um carro, com dois homens desconhecidos.”

_”Para de drama! Até parece que eles iam fazer alguma coisa, são gente boa.”

_”Sério, como é que você sabe disso?”

_”Sla, eles não tem cara de que faz essas coisas.”

_”Você é doida, com certeza todo psicopata tem cara de psicopata. Você é muito burra, não pode sair confiando em todo mundo que você conhece nas festas.”

_”Chega dessa conversa, eu quero fazer xixi, vamos entrar pra festa.”

_”Eu só vou ir, porque eu também quero fazer xixi.”

Continua….


Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Edição do texto, foi feito por Mila.

Eu sei que demoramos um pouquinho pra postar a continuação, mas é que não tão simples assim, nossos texto tem que ser revisado várias vezes antes de postar, pra evitar erros de ortografia, mas mesmo assim, as vezes acaba tendo alguns erros, estamos aprendendo o tempo todo.

Eu espero que vocês tenham gostado da continuação, amanhã vai sair o capítulo três. Não deixa de acompanhar nossos blog.
Divulga muito entres os amigos, pra nós ajudar.

Mande a sua fanfic, história, poema, critica, desabafo, e etc para o nosso e-mail: adolescênciadelua@gmail.com.

Não deixa de seguir o nosso instagram: @blogadolescênciadelua.
Em breve, vamos começar postar conteúdos por lá, inclusive videos pelo IGTV!

Beijão da Jujuba, até amanhã!

Um Conto Nada Amoroso – Conto da Jujuba.

Oi minhas jujubas, no meu último post, eu percebi que vocês gostaram muito de saber mais sobre mim, então hoje eu vou compartilhar com vocês, uma outra história da minha vida. Vou começar pelo último romance que eu tive. Vamos ter que concordar, que se pudéssemos olhar um pouquinho para o nosso futuro e perceber o quanto que a gente vai sofrer, especialmente quando entramos em um relacionamento, com certeza não entraríamos.

Quem me conhece sabe muito bem, que eu nunca fui de ficar sofrendo pelos cantos, quando eu começava a perceber que o garoto ia me fazer sofrer, eu já terminava, pra depois não ficar de coração partido, mas senta, pega seu café, chá, pipoca, pega o que eu você mais gostar de comer e vem acompanhar essa história, então, senta que lá vem história. Quando isso aconteceu estava morando aqui em São Paulo, eu tinha me afastado de todas as minhas amigas e de todos os meus @, eu andava bem carente. Nesse prédio que eu morava, eu tinha uma amiga, que por sinal é bem maluquinha.

Um certo dia, o meu primo resolveu começar a promover festas, ele até me chamou mas eu não quis ir participar, ele acabou combinado com a minha prima, pra ela trabalhar na portaria, mas ela deu o cano, então como eu morava na mesma casa que ele, acabou que ele ficou insistindo e eu aceitei. Já que é para trabalhar numa festa, um dinheiro extra é sempre bom. Na época, era uma festa de pessoas mais novas, eu estava com 20 anos mais ou menos, então a faixa etária do público dele é 16 a 17 anos.

Então, eu não estava com muita esperança de ficar com ninguém, mas eu resolvi me arrumar, coloquei uma blusa cor de rosa, com um decote nem na frente, coloquei um shortinho bem curto e um tênis, mas é claro que eu pensei: “Partiu, deixar os amigos do meu primo de boca aberta.”

20171225_180511-01-964382000.jpeg
Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Depois de pensar isso, foi quando meu primo apareceu na porta, ele ficou me olhando com uma cara de que não gostou, ele virou pra mim e perguntou:

_“Juliana, na onde você pensa que vai desse jeito, vai ficar na portaria com essa blusa?”
Eu nem me importei com o que ele disse e respondi:

_“É claro que eu vou assim, ué, não foi você quem pediu pra eu trabalhar na festa?

_“Mas desse jeito não, né Juliana. Eu não quero arrumar briga na portaria.”

_“Isso é simples, é você não arrumar briga com ninguém.”

_“Pega essa blusa, pode vestir, anda logo que você já está atrasada.”

_“Eu vou só vou usar essa blusa na portaria, quando eu estiver dentro do salão de festas, eu vou tirar.”

Eu vesti a blusa, além de ser preta, era toda fechada, mas tudo bem.
Enquanto eu ficava na portaria… Cantada vem, cantada vai, apesar que isso foi bom pra minha autoestima.

Enquanto eu ficava trabalhando e recebendo cantada dos convidados. Eu estava esperando a minha amiga, mas ela já estava atrasada… Depois de um tempo, ela chegou, ela ainda estava sem o dinheiro o ingresso, ela disse que me dava depois, mas eu tinha que falar com meu primo ainda, pra minha sorte e pra sorte dela. Um homem alto, negro e forte… disse que pagava a entrada dela, eles acabaram entrando juntos na festa assim que ela entrou na festa, trocou uma ideia com ele, quando eu vi, já estavam se pegando.
Depois disso, eles ficaram conversando e ela acabou saindo com ele, disse que ia dar uma volta, eu fiquei na portaria.

Depois de um tempo, eu sai um pouco da portaria e fui pegar um energético pra eu tomar. Do nada, eu vejo a minha amiga, lá em baixo ficando com outro menino, se pegando em cima do colo dele. Eu tive que dar uma bronca nela, porque ela estava passando dos limites, mas ela não me escutou, ficou mais bêbada, saiu pegando quem ela se interessasse. Essa minha amiga ficou maluca, pegou uns quatro meninos.

Em seguida, na realidade depois de um tempo, eu vi uma menina jogada no chão, passando mal de tanto beber, pra ajudar, essa menina era menor de idade e muito novinha, tinha 14 anos. Ela estava muito bêbada, toda vomitada, não tinha nenhuma amiga por perto. Eu fiquei preocupada, ela estava sozinha, toda largada, eu peguei a menina, ela estava muito pesada, então mandei chamar meu primo, ele me ajudou a colocar ela pra fora do salão de festa, conversei com ele, que as coisas poderiam se complicar pra ele, já que ela estava bêbada e era menor de idade, então resolvemos procurar as amigas dessa menina.

Enquanto eu estava na calçada com essa menina, eu dei água pra ela, comprei um doce, perguntei a onde estava as amigas dela, só que nem ela sabia onde as amigas dela estava, um tempinho depois, apareceu uma menina, que conhecia ela, mas não era amiga dela, mas também conhecia as amigas dela, que estavam por aí transando com alguém. Ainda bem que essa tal conhecida, estava com o celular dela, eu perguntei se ela sabia a senha, ela me disse que não.

_”Ok, me passa o celular dela.”

_”Tem certeza que você não sabe a senha?”

_”Tenho, eu nem falo com essa menina.”

_” Então vamos fazer o seguinte, ela não tem cara de muito inteligente, fica errando a senha dela até bloquear, até aparecer PIN, depois disso, você coloca 1,2,3 e 4.

_”Nossa, funcionou, como você sabia disso?”

_”Quase todo mundo sabe disso. Agora, vai na agenda dela e liga pra mãe dela, quando ela atender você me passa o telefone.”

Ela me passou o telefone e comecei a conversar com a mãe da menina, não dei nem espaço pra mulher falar.

_”Alô, tudo bem? Eu não conheço a senhora, mas a sua filha veio em uma festa, ela está muito bêbada, passando muito mal, encontrei ela jogada no chão, sem condições dela ficar aqui.”

_”Como assim? Cadê a Natali, ela saiu de casa com a Natali, prometeu que não ia beber.”

_”Olha minha senhora, não tem nenhuma amiga dela aqui, será a senhora não pode vir buscar a sua filha?”

_”Eu vou buscar, mas eu vou falar com a polícia também, vocês são um bando de irresponsáveis, como pode dar bebida pra uma menor de idade.”

_”Isso mesmo, pode chamar, eu concordo coma senhora, mas aproveita também e chama o Conselho Tutelar, deixa bem explicado pra eles o motivo da sua filha estar bêbada em uma festa, na madrugada de uma hora da manhã, além de estar sozinha, toda vomitada ao ponto de poder ser estuprada, vamos lembrar que ela também só tem 14 anos, me explicar, eu também quero saber o que ela está fazendo aqui a essa hora!”

A moça não disse mais nenhuma palavra, pediu o endereço, disse que ia busca – lá e ainda junto com o pai, pra dá uma surra nela. Eu deixei bem claro, só pra ela vir buscar a filha dela, afinal eu não tenho nada a ver com o que vai acontecer depois na casa dela.

Eu desliguei o telefone, a menina começou a chora e falar que a mãe dela ia bater nela.

Eu olhei pra menina e disse: _”Olha, sair com suas amigas pra curtir, até ai tudo bem, mas ficar bêbada e não aguentar ficar em pé, posso fazer nada.”

Depois que eu disse isso, ela virou pro lado e vomitou bem no meu pé. Ela começa vomitar sem parar, eu me agacho, segurei o cabelo dela pra não sujar de vomito. Em questão de segundos olhando para o outro lado da rua, foi quando eu vi ele pela primeira vez….
Continua…


Eu tenho certeza, que todas vocês devem estar curiosas pra ler o reto da história, mas eu sempre vou fazer esse suspense com vocês, pra alegria de vocês vai sair continuação amanhã, por volta do mesmo horário.

Desenho Autoral – Todos os Direitos Reservados. Artista: Byanka G. Nunes.

Edição do texto, foi feito por Mila.

Mande a sua fanfic, história, poema, critica, desabafo, e etc para o nosso e-mail: adolescênciadelua@gmail.com.

Não deixa de seguir o nosso instagram: @blogadolescênciadelua.
Em breve, vamos começar postar conteúdos por lá, inclusive videos pelo IGTV!

Beijão da Jujuba, até amanhã!