Um Nu no Corredor – Epilogo

Epílogo

O celular toca, eu o pego e atendo, ouvindo a voz da minha mãe.

– Oi mãe – falo calmamente.

– Filho, você está atrasado de novo…- fala um pouco alterada

– Estou a caminho mãe, estou parado no semáforo.

– Arthur! Quantas vezes vou ter que dizer que não é para atender enquanto dirigi?

– Se eu não atendesse a senhora iria ficar brava, mais do que está agora – o sinal abre e avanço, mas vejo um carro vindo em alta velocidade em minha direção, tento desviar, mas o carro colide com o meu, bato com força a cabeça no vidro da janela e sinto uma dor horrível em meu braço, por causa da colisão do outro carro, tudo gira e ouço de longe minha mãe no telefone:

– Filho? O que aconteceu?

…..

Lançamento e nova Edição dos Livros da Thay.

Olá minhas Luas, tudo bem com vocês? Eu espero que sim, hoje eu trago um post recheado de novidades!

Como vocês sabem, a Thay entrou esse ano para o blog, com o lançamento do seu livro: Eu e o Meu Vizinho, desde então ela é nossa autora do blog e escritora de livros e contos. Mas, como eu disse trago muitas novidades, uma delas é a a nova edição do livro: Eu e o Meu Vizinho, que vai ter seu nome alterado pra: Um Nu no Corredor e também vai ter alteração na capa do livro, que eu vou deixar aqui em baixo a imagem da nova capa do livro. Ou seja, você que já leu o livro Eu e Meu Vizinho, vai ter o prazer de ver a nova capa e reler o livro com um novo titulo que foi escolhido e alterado pela nossa autora: @thaychris, então, hoje mesmo você já pode ler todos os capítulos do livro, que já está completo com nova capa e novo nome. Eu vou deixar o link aqui em baixo, junto com a capa.

Um Nu no Corredor

LINK DOS CAPÍTULOS COMPLETO DO LIVRO:
Um Nu no Corredor

Nota e agradecimentos da autora Thayane Cristina:
Olá meus queridos moradores do meu mundo de maquetes, hoje vou falar sobre o motivo da mudança do nome e falar como foi a experiência de tudo que aconteceu em tão pouco tempo.
Foi extremamente icônico como tive a ideia para esse livro, estava no final do primeiro ano do ensino médio, em uma aula de português, era a recuperação de trabalho e apresentaram o texto O Homem Nu, de Fernando Sabino, e me veio a ideia para esse livro, e escreve-lo não foi tão fácil quanto achei que seria, o começo não tinha segredo, mas chegou em uma parte que não tinha mais ideias para o livro, e então eu parei ele, por alguns meses para retoma-lo, mas quando o fiz, ele ficou bom e eu fiquei incrivelmente feliz, e então eu pensei “Por que parar?”.
Após termina-lo, não sabia o que exatamente fazer com ele, parece bobo eu sei, mas então em um belo dia uma amiga, a Bynd, me falou do blog e me convidou para participar, eu gostei da ideia de outras pessoas lerem meu livro, meu bebe, e então eu comecei a postar e começaram a ler e gostar e a sensação é satisfatória, não sei se conseguem imaginar como é quando algo que você fez e não tem certeza se está realmente bom e saber por outras pessoas que sim, está bom, e aquela sensação de missão cumprida.
Agora vou explica a relação do primeiro livro para o segundo que irei publicar, bem, o primeiro livro é a história de Violeta e Conrado, e ao final do livro, eles ter trigêmeos, até aí tranquilo, os nomes deles são: Arthur, Santiago e Christina. Dessa forma, o segundo livro tem uma quebra de tempo de 20 anos, ou seja, eles estão com 20 anos e o segundo livro conta a história de Arthur e Letícia; o terceiro livro contará a história de Santiago e Anallu onde há uma quebra de tempo de 5 anos e o quarto livro fala sobre Christina. Então ainda faltam 3 livros para realmente terminar essa série, estou fazendo ela com todo o carinho e dedicação, e acredito que iram gostar.
Outro detalhe, irei substituir o nome “Eu e o Meu Vizinho” por “Um Nu no Corredor”, pelo seguinte motivo, quando eu escolhi o nome não tinha pensado muito bem, e ressentimento descobri que há outro livro com o mesmo nome, e bem, era muito mais fácil eu mudar.
Aqui quem fala é a Porteira de Maquete, beijos e arrivederci.

Ás novidades não acabam por aí, além da nova edição do livro, temos o lançamento do novo livro da @thaychris, que no caso é a continução do livro Um Nu no Corredor. O livro se chama: Acidente de Amor – Volume 2, eu vou deixar a capa e a sinopse aqui em baixo.

Acidente de Amor

Acidente de Amor – Sinopse:
Dois mundos opostos se encontram na encruzilhada da cidade. Ela, carregada de ódio e rancor, mágoas do passado de dor, como ela poderia seguir? Ele, um jovem cheio de compaixão e paz, será que ele conseguiria muda-la depois de tudo que se passou? Talvez tudo que ela precisa seja um colo que a muito lhe foi tomado

Notas e agradecimentos de autora Thayane Cristina:
Olá meus queridos moradores do meu mundo de maquetes, vou falar um pouco sobre o segundo livro “Acidente de Amor” que logo estará no blog. Um pouco antes de terminar o primeiro livro, pensei em tornar a história maior, pensei que seria interessante fazer uma história separada sobre cada um, um pouco sobre a trajetória de cada um, e foi bastante divertido escrever ele, foi forte e intenso, pensei em cada detalhe, e alguns surgiram na hora, quando terminei foi um final emocionante, até eu mesma fiquei impressionada com o que escrevi, fiquei muito feliz.
Agora que já iniciei o terceiro livro, cada detalhe é importante, pois ele é um pouco diferente dos outros dois, então ele está exigindo um pouco mais de mim, mas sei que sou capaz de trazer um bom trabalho para vocês, e estou muito feliz de poder publicar meus livros no blog, porque eu acredito que escrever algo e ninguém poder ler, parece que não valeu a pena o tempo e energia gastos para se escrever.
Bom acho que é isso.
Aqui quem fala é a Porteira de Maquete, beijos e arrivederci.

Minhas Luas, gostaram das novidades? Estão ansiosas para os novos capítulos do livro: Acidente de Amor – Vol.2.
Então, fiquem ligas no blog, que o primeiro capitulo do livro, no caso o lançamento do livro, vai ser dia 25/09/2019 (25 de Setembro), irá sair um capitulo por semana, todas as quartas-feiras, então fiquem conectadas aqui no blog Adolescência de Lua!

Antes de encerrar o post, eu quero deixar os meus agradecimentos, quero agradecer a @thaychris por confiar no meu trabalho no blog, por acreditar no blog Adolescência de Lua, e por ter trazido o seu trabalho que é maravilhoso, essas suas histórias lindas que vem encantando os nossos leitores. Eu sou muito grata, por esse trabalho que estamos fazendo, essa criação de novas capas e lançamento aqui no blog, ta tudo a cada dia mais lindo e juntas crescemos mais e mais, obrigada e muito sucesso pra você e pra nós!

Eu também quero deixar os me agradecimentos aos nossos leitores, por amar o blog, por ler os textos, os contos, fanfics, por enviar seus originais pra gente, não se esqueça que sempre temos um espaço pra você aqui no blog!

Um beijão da Mila!
Até a próxima!
Gratidão!

The End – Chegamos ao fim

Então é isso pessoal, chegamos ao fim do primeiro livro, mas calma que logo iriei publicar aqui a sequência dele.

Fiquei pensando, para não ficar parada durante o tempo em que não vou postar o próximo livro, vou indicar e falar um poco sobre alguns filmes e livros que já li e assisti e que me fizeram muito bem, não vou dar nenhum grande spoiler (porque não é justo), mas vou falar um pouco sobre para que tenham uma prévia.

Falar mais de mim e postar alguns posts mais profundos, talvez alguns contos, ainda estou me organizando, mas não iriei deixa-los sós durante esse tempo.

Agradeço pelos comentários e curtidas, é muito importante para mim saber que gostaram do meu livro, que começou apenas como refugiu e se tornou meu mundo e uma oportunidade de mostrar minhas ideias loucas.

P.S¹: Segunda vou postar o Epílogo deste livro que fala sobre o próximo, apenas uma prévia (estou muito ansiosa para posta-lo logo, espero que gostem dele também).

P.S²: Já iniciei o terceiro livro desta série, e tem tudo para dar certo, espero não demorar muito para escreve-lo, manterei vocês informados.

Aqui quem fala é a Porteira de Maquete beijos e arrivederci.

Um Nu no Corredor – Capítulo 40 – Série Os Freitas

Capítulo 40

Violeta

Ele parecia se recordar de tudo, mas eu não sei o que aconteceu, me senti tonta e tudo girou, senti meu corpo despencar e alguém me segurar, havia pessoas me chamando, tudo ficou escuro.

Vejo luzes rápidas no teto, estou sendo levada para algum lugar, vejo médicos e enfermeiras. Quando acordo me sinto dolorida, me mexo na cama e ouço alguém se aproximar e segurar minha mão, reconheço o toque, me viro e vejo Conrado olhando para mim com um brilho que não vejo a tanto tempo, eu tento falar alguma coisa, mas ele não deixa, vira-se calmamente:

– Eu me lembrei, meu anjo –  fala sorrindo.

– O que aconteceu?

– Você desmaiou e entrou em trabalho de parto, os bebes estão bem, mas como nasceram prematuros, tiveram que ficar na incubadora, mas estão bem, o médico disse que eles vão melhoras logo e vamos poder voltar para casa.

Não consigo dizer nada, apenas choro de emoção, ele seca minhas lágrimas e me beija, senti tanta falta dos seus beijos, do seu calor, de tudo. No dia seguinte o médico me deu alta, pude voltar para casa, nossos filhos ficarão mais alguns dias, nesse tempo compramos tudo para eles, tudo que ainda não tínhamos comprado, como só tínhamos comprado coisas para os meninos, compramos tudo que faltava para nossa pequena Christina. Conrado escolheu o nome, eu amei. Não ficamos sabendo mais nada da Isabela, ela sumiu, mas descobrimos que foi ela que bateu no carro do Conrado naquela noite, a polícia está à procura dela.

5 meses depois

Hoje é o dia do nosso casamento, nós decidimos casar só no civil, na praia, estou com um vestido leve e sem sapatos, Conrado também está descalço e sem gravata com os cabelos bagunçados, estão todos aqui, presenciando o nosso momento, o juiz então diz:

– Você Violeta Martins Turner, aceita Conrado Fernandes Freitas, como seu legitimo marido, para amá-lo, respeitá-lo, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, até o fim dos seus dias?

– Sim, aceito.

– Você Conrado Fernandes Freitas, aceita Violeta Martins Turner, como sua legitima esposa, para amá-la, respeitá-la, na alegria e na tristeza, na saúde na doença, até o fim dos seus dias?

– Sim.

– Assine aqui, agora a senhora. Agora estão casados, pode beijar a noiva.

Ele me beijou e tudo foi perfeito, minha mãe ficou com as crianças essa noite, para podermos comemorar nossa primeira noite do resto das nossas vidas.

~ Fim ~

Um Nu no Corredor – Capitulo 39 – Série Os Freitas

Capítulo 39

Conrado

Hoje foi meu último dia de fisioterapia, e estou muito melhor, na semana passada resolvi pedir Isabela em casamento, estou um poço de alegria, mas não consigo entender os sonhos que tenho tido, estou saindo da ala de fisioterapia acompanhado pela Isabela, quando vejo minha irmã e meu cunhado nos esperando, ao lado dela está aquela moça, Polly, que se levanta e vem na nossa direção  dá um tapa tão forte na Isa que ela cambaleia e assim que se recompõem tenta devolver o tapa, mas eu segurei seu pulso,  grunhi com as duas, apesar de ser errado a atitude da moça, não poderia deixa-la bater em uma mulher grávida. De longe vejo minha irmã se levantando, aproximando-se e parando ao lado da Polly se preparando para dizer algo importante, até conheço esse seu jeito.

– Conte a ele Isabela – ela se dirige a Isa, que começa a ficar tensa ao meu lado.

– Contar o que?

– A verdade. Contar o que aconteceu a dois anos, aliás Conrado, você perdeu a memória, não se lembra de nada que ocorreu nos últimos dois anos.

– O que? Como assim? – Fiquei perdido com tudo aquilo que ouvi, senti uma certa dor no centro da cabeça, minha irmã continua.

– Você sabe quem é ela Conrado? –  Apontando para Polly, que se recolhe, tenta impedir Anastácia de continuar, mas ela não para – Não é só sua ´´vizinha“, ela é sua noiva e está grávida de você e são trigêmeos! Essa mulher – aponta para Isa – Te enganou, mentiu e te fez de bobo. Conte a ele sobre o projeto da Helister… – por um momento tudo gira e enfim eu me recordo…Helister foi a primeira empresa em que trabalhei após terminar a faculdade, eu estava bem no início da carreira e tinha acabado de conhecer Isabela, eu estava muito apaixonado, meu chefe tinha acabado de me dar uma grande oportunidade de fazer o projeto de um prédio  me dediquei ao máximo, quando  terminei o projeto  era tarde da noite e  Isabela estava comigo, quando acordei, o projeto não estava mais lá, recebi uma ligação furiosa do meu chefe, dizendo que o concorrente havia comprado o projeto, por isso fui  despedido. Passou um tempo até que eu percebesse de que havia sido ela quem roubou meu projeto e o vendeu para o concorrente, isso me deixou completamente decepcionado com ela, logo depois terminei aquele relacionamento e procurei outro trabalho, foi aí que consegui o que estou no momento.

 Olhei para ela, que olhava para mim com certa arrogância, olhei para Polly…que havia tirado os óculos escuros e eu vi aqueles olhos, que tem me perseguido todas as noites… Violeta. Então ela desmaia.

Hello – Euzinha de novo

P.S: não fui eu quem desenhou, mas eu adorei

Olá meus adoráveis leitores, gostaria de fazer um pedido especial, peço que comentem se estão gostando da estória, é de extrema importância para minha pessoinha saber o que estão achando do desenrolar da estória. Desde já agradeço.

Tenho também uma novidade que espero que gostem, semana passada, teve fim minha segunda estória, continuação desta que estão lendo e também já o enviei para minha ex- professora de português a corrija, estou ansiosa para saber o que vão achar da estória sobre um dos filhos de Conrado e Violeta, eu a escrevi com muito carinho e dedicação.

Logo irei iniciar o terceiro livro da Série Os Freitas, e prometo que será diferente das outras duas, no entanto, será feita com o mesmo amor que dediquei a ambos. Espero que estejam tão ansiosos como eu estou.

Aqui quem fala é a Porteira de Maquete beijos e arrivederci.

Um Nu no Corredor – Capitulo 38 – Série Os Freitas

Capitulo 38

 Violeta

Já se passou um mês e me sinto mais sozinha do que nunca, bem, nem tão sozinha, afinal, tenho meus meninos, que logo estarão aqui comigo, hoje é meu penúltimo ultrassom, me arrumo e ligo para Vicente, pedindo que chame um táxi para mim, Liza não tem passado muito tempo aqui, mas minha mãe vem me ver quase sempre, ela disse que estaria aqui para me acompanhar, mas está atrasada, ligo para ela e digo, assim que ela atende:

– Mãe? A senhora vai vir aqui para me acompanhar no ultrassom? – Ouço risos de longe e ela fala:

– Desculpa, meu anjo, mas não poderei ir, chegou visita e não vou poder sair, você me perdoa? – Respiro fundo e digo:

– Claro mãe, tenho que ir agora, te amo, qualquer coisa eu te ligo, beijos.

– Beijos filha, se cuida.

Não demorou muito eu cheguei no hospital, estava com um vestido alaranjado e óculos escuros, estava no início do outono as folhas estão em um tom  avermelhado, o vento está um pouco forte, e o sol um pouco quente, já passa dá uma da tarde, entro no hospital, vou para a ala da maternidade, passo pela ala de fisioterapia e vejo de relance o Conrado, apesar de ser a vizinha dele, quase não tenho saído do apartamento, ele está tão lindo, deixou a barba crescer um pouco e o cabelo está maior também, estremeci quando vi Isabela ao fundo junto com ele, respirei e continuei meu caminho, todo dia entro em contato com Anastácia para saber como ele está e se ele se lembrou de algo, mas ele não se lembra, e só me resta tentar seguir,  não posso forçá-lo a ficar comigo se ele nem sequer sabe quem eu sou, o médico disse que é melhor ele se lembrar sozinho e que não podemos contar, pois isso pode danificar as lembranças que permaneceram, então é isso…deixá-lo ir é a coisa mais difícil que  serei desafiada a fazer, além de criar nossos filhos. Assim que entro no consultório da médica ela conversa comigo e me pede para subir na maca para poder ver como estão os meninos, ela passa o gel na minha barriga e passa o aparelho, a imagem dos bebes aparecem no visor, ela então diz:

– Bom, aparentemente está tudo em ordem com eles… espera… eu estou ouvindo mais um coração, ai minha nossa! São três e não dois!  Perdoe-me, acredito que o terceiro estava atrás dos outros dois e seu coração bate no mesmo compasso que o de um deles , bom, é uma menina, parabéns! E novamente, perdoe-me pelo engano – espera!!!! Ela disse três? São três filhos, aí minha nossa, minha cara deve ter entregado meus pensamentos, pois ela logo limpou a minha barriga, pediu que eu descesse e continuou – É meio difícil isso acontecer, mas ela é menor do que os meninos, por isso, não a vimos desde o começo.

Eu aceno, depois de mais uns minutos me retiro do consultório e imediatamente ligo para Liza, que atende logo depois do segundo toque, não espero ela dizer nada e me apresso falando:

– São três, e não dois.

– O quê? Não entendi.

– São três bebes Elizabete! Eu estou grávida de trigêmeos – há um silêncio e do nada ela grita:

– AHHHHHH!!!!!! Sério?

– Sim. Tem como você vir me buscar aqui no hospital? Não sei se aguento ir sozinha – ela percebe o nervosismo em minha voz e se prontifica.

– Claro, estou com o Caleb, nós vamos aí te buscar, nos espere na recepção sentada, pede uma água com açúcar, e se acalma.

 – Está, tudo bem, vou esperar – assim que ela desliga vou para a recepção e espero sentada, bebo um pouco de água com açúcar.

Não demora muito Anastácia chega junto com Rick, ela se aproxima e me cumprimenta se senta ao meu lado e diz:

– Como você está? E os meninos? – Bom, ela é tia deles, mesmo que o Conrado não se lembre, respiro fundo e começo.

– São três, hoje descobri que são trigêmeos, é uma menina, ela é menor que os meninos, por isso, acabaram não percebendo no início – ela me olha meio atônita e abre um sorriso lindo me abraça forte e diz calmamente:

– Eu vou estar aqui para qualquer coisa estou muito feliz por você, sei que ele ainda não se lembra de você, mas certamente vai lembrar.

Eu respiro fundo  abaixo a cabeça e sorrio, quando eu levanto, vejo Liza entrando pela porta junto com Caleb,  vejo pelo canto do olho Conrado e Isabela se aproximando, viro meu rosto e os encaro , ela está com um ar de superioridade, de que ganhou e que eu estava errada, aquilo me deixou horrível, mas ao mesmo tempo com uma ira que não pude me controlar, levantei e fui na direção dela, dei um tapa tão forte e estalado que a deixou desnorteada, ela ia me devolver o tapa, mas Conrado segurou seu braço olhou para mim com certa raiva no olhar.

– Você está louca, senhorita? E você Isa? Bater em uma mulher grávida? Por qual motivo a senhorita agrediu minha noiva?

Noiva?…

Um Nu no Corredor – Capitulo 37 – Série Os Freitas

Capitulo 37

Conrado

Estava quase dormindo quando o celular de Anastácia toca ao meu lado, eu me estiquei e atendi, eu pergunto quem é,  quando aquela voz me atinge sinto algo estranho e subitamente ouço, em minha mente, essa mesma voz dizendo bem baixinho “ eu te amo´´ aquilo me arrepiou inteiro e fiquei tenso, continuei conversando com aquela moça, a Polly, lembro-me dela no hospital, ela estava de óculos escuros, e uma roupa larga, mas vi que está grávida e a barriga estava grande demais para ser apenas um bebê,  ela é tão linda, mas ainda sinto falta da Isabela, aproveitando que Tatá deixou o celular comigo aqui, assim que termino a ligação com a Polly procuro nos contatos o número dela e não encontro, estranho, bem, o lado bom é que tenho uma boa memória e lembro bem o número dela, disquei e esperei que ela atendesse, não demora muito ela atende e eu falo sem demora:

*Ligação*

– Oi meu amor, por que não foi me ver no hospital? – Ela fica em silêncio e eu continuo – Isabela?

– Conrado? – Ela pergunta desacreditando e eu respondi:

– Sim, pensou que era quem? – Sorrio e então ela fala:

– Não, meu amor, eu estava muito ocupada e não me avisaram. Perdoa-me?

– Claro meu anjo – falo calmo.

– E como você está, meu amor?

-Estou bem, tenho que fazer fisioterapia para retomar meus movimentos do lado direito.

– Ah claro. Meu amor, tenho que desligar. Beijos.

– Espera…. – Ela desligou na minha cara, mas por quê? O que será que aconteceu? Bom, melhor eu tentar dormir, tenho que voltar ao hospital para a fisioterapia, não posso esperar muito para começar, é muito importante que eu tente, não posso ficar assim, não quero ser um peso para eles. Não sei bem em que momento eu apaguei, apenas A vejo a mesma da última vez, mas dessa vez ela está chorando encolhida de costas…me sinto despedaçar, tento me aproximar dela, para poder abraçá-la, mas não consigo me mover, o que está havendo? Vejo a se afastando cada vez mais e mais, então ouço o um barulho estridente e acordo completamente suado e sem rumo, não consigo me mover, isso me deixa louco; por que ela estaria chorando? E por que aquilo me afetou tanto? Ouço alguém bater na porta delicadamente e vejo os cabelos ruivos de minha irmã que diz:

– Ah! Já está acordado, que bom, vim te acordar e te ajudar a se vestir, para irmos ao hospital.

– Ta…tudo bem… – eu estava suando então disse – vou tomar um banho primeiro – ela apenas acena, com certa dificuldade tomei um banho e logo estávamos a caminho do hospital.

1 mês depois

A fisioterapia está ajudando muito, já consigo andar sozinho e me cuidar, então decidi que hoje vou voltar para meu apartamento, minha casinha, meu lugar. Rick e Caleb vieram me ajudar, Anastácia teimou para que eu não fosse, mas não dá para continuar aqui, eu sei que destruí a intimidade deles nesse último mês, melhor eu ir. Assim que cheguei no meu apartamento, pensei que iria me sentir em casa, mas estranhamente, não me sinto em casa. Entrei, andei por ele todo, procurando inconscientemente algo, quando chego no quarto, sinto um cheiro diferente e pelo canto do olho vejo uma toalha azul jogada em um canto, me aproximo e pego a do chão, vejo que tem alguns detalhes em dourado, do nada ouço em minha mente uma voz “eu te emprestei uma toalha ontem…preciso dela de volta”, essa voz, de quem é?

Um Nu no Corredor – Capitulo 36 – Série Os Freitas


Capitulo 36

Violeta

Assim que sai daquele quarto fui à procura da Liza, quando a encontrei conversando com Caleb a chamo em um canto e falo:

– Liza, será que tem como eu voltar para o nosso apartamento? Sei que está morando lá com Caleb, mas eu não posso voltar para casa dos meus pais, quero estar perto dele, mesmo que ele não se lembre de mim.

– Claro Polly, mas você não contou a ele que você é noiva dele? Não contou a verdade? – Ela me olha com certa expectativa e decepção no olhar, não posso contar nada a ele, o médico disse que é arriscado, que ele deve se lembrar sozinho. Como resposta abaixei a cabeça, respirei fundo, balancei negativamente e falei:

– Você pode me acompanhar e ajudar a pegar minhas coisas do apartamento dele?

– Sim, vamos – ela passa por Caleb e avisa onde vamos, logo depois encontramos meus pais que fazem questão de ir junto, Anastácia diz que irá conosco para separar algumas roupas dele, ela acha melhor que ele deve ir com ela, isso me dá tempo para poder tirar minhas coisas de lá.

Estamos na frente do prédio, Vicente abre o portão e vem até nós quando estacionamos, ele começa a falar:

– Boa tarde senhorita Violeta, como está o senhor Conrado?

– Ele está melhor, teve algumas sequelas, mas está melhor.

– Fico muito feliz e aliviado, bom, tenha uma boa tarde senhorita.

Ele se afasta e subimos para nosso andar, abro a porta e começo a recolher tudo o que é meu colocar em uma caixa e levar ao lado, na casa da Liza, logo me canso pela gravidez, elas continuam por mim enquanto tomo um banho, logo depois de colocar uma roupa confortável, volto a ajudá-las, depois de tirar minhas coisas do banheiro, me aproximo do armário e retiro uma camiseta dele, trago para perto do nariz e inspiro fundo, sentindo seu cheiro tão bom e reconfortante.

– Violeta? Já acabou aqui? Temos que organizar tudo lá – Liza aparece do nada falando, que por impulso coloco a camiseta em minhas mãos no monte de outras roupas minhas e falo:

– Sim, sim, vamos. Pegou as coisas dos bebes também? – É melhor que não tenha nada aqui.

– Sim, está tudo lá já – saímos de lá e trancamos tudo, assim que entro no meu velho apartamento e penso em tudo que se passou desde que pisei aqui pela primeira vez, é o tempo passa, sinto uma sensação estranha de estar esquecendo algo, mas deve ser a preocupação, a final, faltam dois meses para os meninos nascerem. Depois que me alojei novamente no meu primeiro apartamento eu resolvo ligar para Anastácia para saber como o Conrado está, no quarto toque alguém atende o celular:

*Ligação*

– Alo? – A voz de Conrado está meio sonolenta e calma como de costume – Quem é? – Ele pergunta depois de um tempo de silêncio da minha parte.

– É.… uma amiga da Anastácia, ela não está? – tenho uma leve impressão de que ele ficou tenso, logo ele responde:

– Ela está ocupada e o celular dela estava perto de mim, sou irmão dela, é algo importante?

– Não… diga que a Polly ligou. Grata.

– Polly…? Por que Polly?

– Eu sou baixinha, no ensino médio me apelidaram de Polly.

– Entendo – ele sorri baixo e continua – Qual a sua altura?

– Jura? – Dou risada e continuo – 1,60 m, feliz? – ele dá uma gargalhada do outro lado – Tenho que ir. Até.

– Até.

Assim que desligo vou tomar um banho, pego um roupão que compramos no mês passado, entro no box e ligo o chuveiro, aquela água toda descendo pelo meu corpo me fez relaxar e instintivamente passei a mão pela minha barriga e pensei ´´ papai vai voltar para nós amores“ então sinto um chute e sorrio, termino meu banho e enrolo os cabelo na toalha, sentei no sofá e liguei a tv, Liza e Caleb  haviam se deitado, quando foi ficando tarde desliguei tudo e fui para a cama, dei uma olhada no monte de rouba que eu havia pegado do apartamento,  vejo a camiseta que tinha colocado no monte de roupa, quando a Liza entrou no quarto, me aproximo e pego a camiseta, coloco sobre a cama, tiro a minha e coloco a dele, deito de lado sentindo o cheiro dele e adormeço.

Um Nu no Corredor – Capitulo 35 – Série Os Freitas

Capitulo 35

Conrado

Depois que acordei tive que fazer muitos exames, quando cheguei no quarto Caleb e Rick estavam lá, mas saíram quando uma moça, pequena e grávida, entrou no quarto e perguntou como eu estava, achei curioso ela ter vindo aqui ver como eu estava. Ela disse que era minha vizinha, estranho, quem morava perto de mim é a Lola, talvez ela tenha se mudado, não faz sentido, nada disso faz.  Estou muito perdido, estou no hospital, não entendo por que a Isa ainda não apareceu para me ver, ela deveria estar aqui comigo nesse momento.

Nesse momento ouço alguém bater na porta e vejo Rick abrir e entrar, logo atrás dele vem Caleb, eles sorriem e se sentam perto de mim, Caleb fala:

– Nossa em, que susto que você deu na gente, estávamos todos preocupados, principalmente a Polly.

– Polly? – Pergunto confuso – A moça grávida?

– Ela estava aqui agora mesmo, ela não se apresentou? – Rick fala.

– Bem, ela disse que é minha vizinha, mas não me lembro dela.

– Ela disse que é só sua vizinha?

– Sim, mas por quê? – Todas essas perguntas estão me deixando ainda mais confuso.

– Não nada, ela é só uma amiga…

– Ah sim… onde está a Isabela? Vocês sabem porque ela não veio me ver? – Eles se entre olharam e ficaram sérios de repente, achei que eles gostassem dela.

– Irmão, a Isabela…  Ainda não ficou sabendo – Rick explica e Caleb o olha como se ele não estivesse contado tudo, mas não fala nada.

– Vocês não a avisaram? Por quê?

– Não conseguimos falar com ela.

– Ah claro.

Eles logo mudam de assunto e tagarelam sobre muitas coisas, eu me distraí bastante, logo depois eles saíram e me deixaram sozinho, não demorou adormeci, por causa dos remédios.

Vejo uma moça… ela está deitada ao meu lado, na cama, suando e com a respiração acelerada, sinto uma felicidade imensa de estar ali com ela, mas está escuro demais para reconhecer quem ela é, mas… por um relance, vejo seus olhos violetas…

Nesse instante eu acordo, suando e desorientado. Quem era ela? Como é possível alguém ter olhos daquela cor? Me estremeço só de lembrar daquela moça, mas foi só um sonho, tem que ser. Um enfermeiro aparece para dizer que tenho que fazer mais alguns exames e que depois dos resultados eu poderia ir embora, estou louco para voltar para minha casa, saudade de cozinhar e principalmente de Isabela. Quando já passavam das 21 horas o médico disse que eu estava liberado e que haviam trazido roupas limpas e que eu deveria me trocar. Agora estou no carro do Rick voltando para casa, mas ele desvia e vai na direção da casa dele, Anastácia e Caleb estão juntos, então eu perguntei:

– Vocês vão me levar para a casa de vocês?

– Claro que sim, pensou que iriamos deixar você dormir sozinho naquele apartamento enorme? – Anastácia fala calmamente olhando para a rua.

– Mas eu posso me cuidar – falo determinado.

– Irmão, você não pode ficar sozinho, você precisa de cuidados agora, então, até você ficar melhor, você ficara conosco.

Odeio admitir, mas é verdade, com meu lado direito paralisado não tenho como me cuidar mesmo, também me desagrada ter que dar trabalho a eles, mas como eu só tenho a eles não perderei tempo, assim que melhorar irei voltar a minha rotina normal. Assim que chegamos, notei que eles haviam plantado rosas na frente da casa, quando entramos a casa estava diferente, móveis e com as paredes de outra cor, que estranho, vim aqui semana passada, como pode haver tantas mudanças em tão pouco tempo? Preferi não comentar, eles me ajudaram a entrar e me levaram, tomei um banho, eles já haviam trazido roupas minhas para cá, troquei e voltei a dormir, desejando inconscientemente sonhar novamente com aquela moça, que me despertou tamanha curiosidade.