Um Nu no Corredor – Capitulo 11 – Série Os Freitas

Capitulo 11

Violeta

Sai as presas daquele apartamento, entrando no meu, Liza estava enrolada na toalha e seu cabelo estava pingando, tinha acabado de sair do banho e me olhou com uma cara estranha, não era para menos eu entrei como um furacão no ap e ainda me encostei na porta de costas para a mesma, Liza então perguntou:

-Menina, o que aconteceu? Tá fugindo do saci? – Disse começando a rir, olhou para minhas mãos e perguntou- Ué? Cadê a sua toalha? Ele não devolveu? -Foi depois disso que olhei para minhas mãos, onde está a toalha que deveria estar aqui? No mesmo momento bateram na porta e eu bati a minha mão na testa e pensei `putz é ele´, bateram de novo e eu sai de trás da porta e abri, lá estava ele, com a toalha nas mãos e ainda com um sorriso sarcástico no rosto, e eu sorri como quem diz `que merda´ e ele disse com ironia:

-Acho que você esqueceu alguma coisa – e levantou a mão mostrando a toalha para mim.

-Ah – sorri sem graça e ele disse ainda sorrindo:

-Pegue. – Peguei a toalha de suas mãos dizendo:

-Muito obrigada, devo ter deixado cair enquanto… conversávamos – sorriu novamente para mim claramente mostrando o quanto eu estou envergonhada e nervosa, ele disse sorrindo de novo:

-Não tem de que moça – ele olhou-me com um olhar penetrante e continuou- Não sei o seu nome. – Ele deu um sorriso lindo e eu disse:

-Meu nome é… Violeta – ele abriu um sorriso maior ainda e disse:

-O meu é Conrado, muito prazer Violeta – estende a mão para mim, e eu a pego, ele vira minha mão e beija as costas da mesma, me deixando corada na mesma hora, sorrio para ele que continua – Tenho que ir agora, não quero atrapalhar as senhoritas, espero te ver novamente Violeta – ouvi-lo dizer meu nome, me fez arrepiar por inteira, assim que disse isso ele se retirou deixando-nos sozinhas, depois que fechei a porta Liza disse:

-Eu vou me trocar e a senhorita vai me contar tintim por tintim – e saiu para o quarto dela, depois que ela voltou contei o que aconteceu no apartamento dele e ela ficou de queixo caído só ouvindo, quando terminei ela disse:

-Ah danada, você já está de olho no vizinho gato? Rápida você em mocinha – e caiu na gargalhada e eu olhei para ela e comecei a rir também dizendo:

-Claro que não sua boba, ele é nosso vizinho.

-Você por acaso viu o sorriso que ele lhe deu? Ele deve estar gamado já. – Eu sorri irônica e disse:

-Quando é com você, você nem nota, mas quando é comigo é a primeira que vê, bonito para a sua cara né? Ele não está não sua boba, ele só foi gentil e grato pela minha ajuda e compreensão por não ter chamado a polícia – disse convencida de que o que a Liza diz não era verdade, não é possível isso acontecer, eu sempre me dou muito mal nesse tipo de coisa, até que chegou o dia que eu parei de ficar correndo atrás e decidi cuidar da minha vida. Mais tarde, depois de tudo que aconteceu, eu e Liza fomos para casa dos pais dela jantar. Já que era aniversário de casamento deles, nós não ficamos lá por muito tempo, por causa do trabalho. Lá pelas 23:40 resolvemos voltar para casa, porque já estava tarde, chegamos e nos arrumamos para deitar.